Citações #41 — O que restou de mim

Você chegou a ler minha resenha de O que restou de mim, do autor Abraão Nóbrega? Se não leu ainda, não deixe de passar lá! Mas se você ainda está em dúvida se vale a pena saber mais sobre esse livro, trarei aqui os trechos que não couberam na resenha. Depois disso tudo, duvido você não querer mais.

“Tudo ficou perdido num espaço entre o passado e o presente”

Apesar de retratar muito bem as dores e os sentimentos do fim de um relacionamento, O que restou de mim não se resume a isso.

“Espero que tuas estradas te guiem para a felicidade, pois, embora tenha partido o meu coração, nunca quis que partissem o teu”

“Você me abraçou como ninguém nunca o fez e, por um momento, fomos a fortaleza um do outro”

Este é, também, um livro sobre força.

“Em algum momento deixará de doer como agora”

“Os machucados ainda estão todos aqui. Uns mais recuperados que outros, porém nunca me abandonaram de fato”

Mesmo carregando, em suas palavras, uma profunda tristeza.

“Faz muito tempo que estou no escuro. E ele é assustador”

“Não sabia como lidar com aquela tempestade e com a dor que não era sua, mas que você tinha deixado para mim”

A verdade é que esse um livro palpável, sincero.

“Eu te amei achando que seria para sempre, e talvez realmente venha a ser. Mas um amor solitário, partido. Como uma chave quebrada que não abre caminho”

“Se você não tivesse desistido de mim, quem sabe o que eu poderia ter feito?”

Retrata sentimentos que qualquer pessoa que ama, em algum momento e medida, está sujeita a sentir e viver.

“Eu já não amo você. Amo a dor que me deixou”

“Pois, se há uma coisa certa, é que / só morrendo para se despedir de um grande amor”

Eu gosto do impacto que a poesia do Abraão tem, tornando impossível não querer destacar todo o livro.

“Tudo o que eu conheço é a dor, a minha dor, e já não tenho memórias do mundo sem ela”

“Como ficaria bem se uma parte de mim quebrou inteiramente?”

E gosto ainda mais pelo fato desse ser um livro extremamente contemporâneo e por falar das saudades que sentimos hoje.

“Eu sinto saudades, ah, como eu sinto. De quando eu não temia o dia de amanhã, de quando eu não temia uma dor de cabeça qualquer, ou de quando eu não temia sair de casa”

“Eu sinto saudades, em todos os dias dessa nova vida. De quem eu era e podia ser.  De quem eu amava e podia amar. E de como eu vivia e podia viver”

Enfim, O que restou de mim é um livro realmente lindo, com um projeto gráfico maravilhoso, pensado nos mínimos detalhes. Você pode adquirí-lo na versão física, diretamente com o autor, ou então aqui (ebook).

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s