E o resto é peixada — Bruna Ceotto

Título: E o resto é peixada
Autora: Bruna Ceotto
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 42
Ano: 2021

Para concluir a região Sudeste, a quarta e última parada feita pelo ônibus do projeto Meu Brasil é assim, organizado pela Duplo Sentido Editorial: Espírito Santo, um Estado que nunca visitei. Será que a Bruna Ceotto conseguiu me deixar com vontade de conhecer?

“A história do Estado, completamente desconhecida para todos os amigos que eu tinha feito em São Paulo, parecia mais interessante quando contada por ele”

Se por um lado eu não conheço o Espírito Santo, por outro já conhecia a escrita da Bruna e costumo adorar! Com esse conto não poderia ser diferente: uma história que vai indo com calma, nos deixando curiosos com o que vem a seguir, ao mesmo tempo que, sim, desperta uma vontade de ver com nossos próprios olhos as belezas ali descritas.

“Eu podia dizer muitas coisas sobre o Espírito Santo, mas não podia dizer que o lugar não parecia um paraíso”

Helena é capixaba, mas mora em São Paulo e parece fugir de sua terra natal. Contudo, há momentos que não podem ser perdidos, como o casamento da sua melhor amiga, então nós a acompanhamos nessa rápida viagem de volta ao Espírito Santo e aproveitamos para espiar o que ela tem a oferecer.

“Amizades não são casuais por aqui. Não são meros encontros, uma noite de bar ou uma conversa no metrô. São a base sólida que nos impede de desmoronar por completo”

Ao mesmo tempo que vamos tentando entender porque, apesar de tudo, Helena parece fugir tanto assim de Vitória, vamos também nos encantando com toda a riqueza cultural e histórica do Espírito Santo, que conhecemos mais através dos olhos do motorista de Uber que a leva ao casamento de sua amiga, do que propriamente pelos olhos — que não querem ver e aceitar as coisas boas — de Helena.

“Há algo de especial em revisitar sua terra natal, acompanhada de alguém que nunca a deixou”

Foi difícil não torcer por ao menos um beijo entre esses dois personagens, ao mesmo tempo que era evidente que isso não era o que importava ali, mas o quanto encontros casuais podem nos fazer enxergar muito além do que queremos ou até mesmo conseguimos.

“Eu devia ter olhado pela janela. Minha memória não faz jus a isso”

Se você quer conferir com seus próprios olhos como um conto pode nos fazer imaginar lindas e imperdíveis paisagens, não deixe de conferir E o resto é peixada.

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s