As pequenas virtudes — Natalia Ginzburg

Título: As pequenas virtudes
Original: Le piccole virtù
Autora: Natalia Ginzburg
Editora: Einaudi
Páginas: 65 
Ano: 1962 

Antes de começar a resenha em si, gostaria de fazer como a própria Natalia Ginzburg e deixar aqui um aviso: li o livro em língua italiana (por isso não tem o nome do tradutor ali em cima), mas trarei as citações de acordo com a tradução feita por Maurício Santana Dias, na edição brasileira, publicada em 2015 pela Cosac Naify.

O aviso da autora, por outro lado, é sobre o fato de que a obra reúne ensaios publicados em diferentes jornais e revistas, bem como em períodos diferentes de sua vida. E já com esse aviso inicial temos a oportunidade de nos deliciar com a escrita de Natalia. As pequenas virtudes é aquele livro que queremos ler, mas que até entrar em contato com ele, não temos como saber (então se permita entrar em contato com ele!).

“E, vejam bem, não é que se possa esperar da escrita um consolo para a tristeza”

O livro é dividido em duas partes, mas confesso que não ficou muito claro para mim se há algo que justifique essa divisão. De qualquer forma, a primeira parte é composta pelos seguintes títulos:

  • Inverno em Abruzzo
  • Os sapatos rotos
  • Retrato de um amigo
  • Elogio e lamento da Inglaterra
  • La maison Volpé
  • Ele e eu

Não vou falar sobre cada um deles, mas também não posso deixar de comentar que Inverno em Abruzzo foi um bom começo para este livro. Ele nos dá a dimensão da pessoalidade por trás dos textos, além de já nos permitir uma deliciosa viagem através das palavras da autora.

“Uma vez sofrida, jamais se esquece a experiência do mal”

E quando eu digo “deliciosa viagem” não estou necessariamente falando de algo feliz, muito menos de uma passeio, mas do fato que a escrita é tão envolvente e tão bem construída que todo o cenário surge diante de nossos olhos.

“Mas aquele era o tempo melhor da minha vida, e só agora, que me escapou para sempre, só agora eu sei”

Mas desses primeiros ensaios, aquele que mais chamou minha atenção foi Os sapatos rotos. Isso porque o texto fala muito mais que sobre “sapatos quebrados”. Fala sobre viver e, consequentemente, sofrer. E sobre seguir adiante mesmo assim. A metáfora presente neste ensaio é tão bem construída que nos emociona.

“Tenho os sapatos rotos, e a amiga com quem vivo neste momento também tem os sapatos rotos”

A imagem dos sapatos, aliás, não aparece apenas neste texto, mas também em outros. E é algo que realmente nos faz pensar.

“Aliás, para aprender mais tarde a caminhar com sapatos rotos talvez seja bom ter os pés enxutos e aquecidos quando se é criança”

Eu falei que não ia comentar texto por texto, mas os ensaios dessa primeira parte são bem marcantes, então também gostaria de dizer que achei divertido o Elogio e lamento da Inglaterra e que achei curiosa a relação de amizade apresentada em Retrato de um amigo.

“Sobre minhas dores reais, não choro nunca”

Mas o ensaio que não posso mesmo deixar de citar é Ele e eu. Um retrato de uma relação real. Até demais. Tudo começa às mil maravilhas e, pouco a pouco, vai se tornando algo complicado. Triste. E a maneira que Natalia apresenta isso é muito bonita.

“Acho que ele gosta que eu dependa dele, em tantos aspectos”

Os textos da segunda parte, por sua vez, são:

  • O filho do homem
  • O meu ofício
  • Silêncio
  • As relações humanas
  • As pequenas virtudes

Nessa segunda parte achei alguns textos mais longos e cansativos. Mas O meu ofício é bem interessante, porque a autora vai traçando sua vida de escritora, nos contando sobre inspirações e momentos. E imagine tudo isso feito com essa linguagem tão dela que, a essa altura, já estamos mais que afeiçoados.

“Assim, e cada vez mais, tenho a sensação de errar em cada coisa que faço”

Agora As pequenas virtudes mais que ser o ensaio que dá nome ao livro, é, também, um texto lindíssimo. Fechou com chave de ouro, nos deixando reflexivos e, ao mesmo tempo, com o coração quentinho.

Gostou desse livro? Então clica aqui.

Serial Killer: a verdadeira face do mal (Antologia)

Título: Serial Killer: a verdadeira face do mal
Organização: Larissa Oliveira
Editora: Lettre
Páginas: 135
Ano: 2020

Recém saída do forno, a antologia Serial Killer: a verdadeira face do mal veio para abalar as estruturas. Bom, pode ser exagero meu, mas é que realmente me surpreendi com essa obra e não acho que seja simplesmente pelo fato desse ser um gênero com o qual não tenho tanto contato.

“Quero mostrar para ela que os monstros vivem na superfície, que o bem e o mal estão dentro de todos e que nós escolhemos qual lado queremos vivenciar”

(Conto: Na superfície)

As histórias que encontrei ao longo das páginas dessa antologia me surpreenderam pela variedade. Os seriais killers são muito diversos entre si: homens, mulheres, crianças (!), jovens, adultos, ricos, pobres… Isso sem contar, claro, aqueles contos que deixam certa dúvida no ar.

Nós somos o verdadeiro mal. Somos um mal que está oculto nas sombras, esperando o momento certo de rasgar sua garganta.

(Conto: Lady Jack)

Outra coisa que chamou a minha atenção é que há tanto homens quanto mulheres escrevendo. E há homens que fizeram protagonistas femininas e mulheres que fizeram protagonistas masculinos e assim por diante. Realmente bem mesclado e bem fora do padrão.

“A festa estava lotada de pessoas superficiais”

(Conto: Antes que o leite acabe)

E não, caro leitor, não se deixe enganar: muitas reviravoltas também nos aguardam nas páginas de Serial Killer. É claro que, num livro como esse, nem tudo é o que parece ser!

“Miguel se achava muito inteligente, e isso o tornava alguém altamente manipulável, pois bastava dar um sorriso meigo, se fingir de atrapalhada e dizer que acreditava em alguma besteira, para que ele confiasse ter alguém ingênuo à sua frente”

(Conto: Lady Jack)

Agora, uma coisa que me surpreendeu ainda mais que tudo o que já mencionei até aqui foi o fato de que, em mais de um conto, os seriais killers se apresentam a nós com uma falsa capa de moralidade, isto é, buscam justificar as mortes que cometem como uma espécie de justiça ou “limpeza da sociedade”.

“As palavras do dono do estabelecimento só comprovam o que eu sempre digo: as pessoas só se importam com os problemas das outras quando eles não causam problemas para si mesmas”

(Conto: Jingle Bells – Jungle Hells)

Isso me surpreende pela forma como os autores usaram desse elemento para construir suas histórias. Elemento este que, infelizmente, faz realmente parte de nossa sociedade. Afinal, quantas pessoas não fazem coisas ruins acreditando ou alegando estar fazendo algo de bom para o mundo?

É, essa antologia talvez tenha me deixado reflexiva. E tanto me deixou reflexiva que, olhando aqui a sinopse dela, me pergunto se eu não deveria ficar com certo medo dos autores. Isto porque na sinopse diz-se que “buscamos, nesta antologia, fazer com que cada autor mostrasse o seu monstro interior. Isso mesmo, todos temos um monstro adormecido dentro de nós”.

Ora, se a ideia era que cada autor mostrasse seu monstro interior e disso nasceram contos tão bem escritos… O que será feito desses monstros que agora estão entre nós?

Brincadeiras a parte, essa é uma antologia que vale a pena ser lida. Eu já solicitei a minha versão física (que está em pré-venda no site da Editora), porque vi que está com uma diagramação incrível, melhor que a de muita editora grande. Mas, por enquanto, li na versão digital (disponível na Amazon), que tem uma diagramação mais simples, mas que não muda em nada a qualidade das histórias lidas.

Se você é amante do gênero, a leitura desta antologia te permitirá conhecer novos autores. Se, por outro lado, você é como eu e não tem o hábito de ler coisas nessa área, aventure-se. Não me arrependo nem um pouco de ter me jogado de cabeça nessa.

Ainda bem que encontrei você — Marie Pessoa

Título: Ainda bem que encontrei você
Autora: Marie Pessoa
Editora: Publicação independente
Páginas: 23
Ano: 2020

(Leia ao som de Ainda bem — Marisa Monte)

Ainda bem que encontrei você é um conto de verdade, isto é, tem poucos personagens, tempo e espaço bem delimitados e um único conflito. Tudo isso, porém, de forma instigante e muito bonita.

“Dame, em poucos minutos, me fizera chorar mais do que anos de luto pela perda de Marina”

Logo de cara conhecemos Kariya, nossa narradora personagem. E vamos, com ela, pela primeira vez ao Museu Submerso. Mas não se trata apenas de uma visita ao museu! Ela está indo lá para a estreia de um documentário no qual trabalhou, ajudando na produção do mesmo.

Se uma visita por longo tempo adiada ao Museu Submerso, além do fato deste ser um documentário extremamente importante para Kari, já são motivos suficientes para dar um gostoso frio na barriga de nossa protagonista, imagine a reação dela ao chegar ao local e se deparar com Lana, sua crush.

“Nada nesse mundo era mais sexy do que o sorriso de uma mulher”

Mas as coisas começam a realmente chegar perto do ápice quando uma assistente vem avisar Kariya que Dame — a diretora do documentário — quer vê-la. No mesmo instante, Lana se aproxima, dizendo que ela e Kary haviam ido juntas ao evento. Claro que esta era apenas uma desculpa de Lana para conhecer a sua tão admirada Dame. Mas bem, ninguém poderia imaginar onde tudo isso daria, não é mesmo?

Talvez possa parecer que este é apenas um conto sobre o início de uma relação entre duas jovens mulheres (e isso até já seria bastante coisa). Mas a verdade é que há muito mais por trás das palavras de Marie. Há críticas sutis e um gostinho de “quero mais”, propositalmente deixado no ar, uma vez que está para ser lançado um livro que tem relação com este conto. Estou bem ansiosa!

“Relacionamentos familiares podem ser os mais tóxicos dentre os tipos de relacionamento”

Além disso, o conto também tem certo ar distópico (que será mais trabalhado no livro), nos apresentando uma realidade que, sem dúvidas, não é a que vivemos hoje.

Ainda bem que encontrei você estava em pré-venda e agora encontra-se disponível na Amazon! Se quiser conhecer essa história, clique aqui.

Faz de conta que é amor — Rafa Alves

Título: Faz de conta que é amor — Trilogia escolhas
Autora: Rafa Alves
Editora: Réserver
Páginas: 298
Ano: 2020

Faz de conta que é amor é aquele tipo de livro que eu sempre comento aqui que adoro ler: um romance despretensioso, mas que acaba nos arrancando algumas lágrimas ou algumas risadas. Neste caso, foram mais lágrimas mesmo.

“Às vezes, desejos são somente desejos, mas a esperança que temos sobre eles é o que deixa tudo mais mágico”

No prólogo do livro, nos encontramos cinco anos antes da história que leremos depois. Amanda já namorava há quatro anos com Edu e tinha certeza que, naquela noite, seria pedida em casamento. Muito pelo contrário, porém, ela leva um pé na bunda e descobre que fora traída. E mais: o Edu a traiu com Vanessa, sua amiga! Ah, os clichês maravilhosos que já começam dando um toque de “não pode ser” com “quero ver essa mulher dar a volta por cima”.

“Não preciso dizer como mudei ao saber que minha vida era uma completa mentira”

O primeiro passo que Amanda dá é, como uma boa fujona, mudar de cidade. E recomeçar. Mas, obviamente, cinco anos depois, ou seja, no momento em que se passa a história, ela tem de voltar para sua cidade natal e por dois motivos: estar presente no casamento de sua melhor amiga e também para assumir, temporariamente, um cargo importante na empresa que trabalha.

“Cada um tem um limite de algo que consegue suportar”

Mas voltar nunca é fácil. Menos ainda quando o noivo de sua melhor amiga e Edu são melhores amigos. E, para completar esse tenebroso cenário, Edu está noivo de Vanessa. É muita coisa para uma pessoa só, né?

“Não quero que você se machuque, eu não vou estar aí para juntar os caquinhos”

E é aqui que entra Cadu na história. Amanda decide fingir que está noiva também e Cadu acaba sendo a sua vítima. Mas eles mal se conhecem quando essa loucura toda começa!

“Todos nós queremos alguém que cuide de nós, e que nós também possamos cuidar. Ninguém é diferente nisso”

Talvez você esteja se perguntando quem é Cadu. Bem, ele é um cara meio complicado, meio fechado e… filho do chefe de Amanda. Mas ele acaba topando embarcar nessa loucura dela e… Só lendo para descobrir de verdade onde tudo isso vai dar!

“Eu acabei de beijar de verdade… O meu noivo de mentira!”

Mas se tem uma coisa que eu posso adiantar é que Amanda é aquela mulher com a qual muitas vão se identificar. Alguém que, depois de uma grande desilusão amorosa, prefere ficar sozinha, por medo de se entregar novamente, ainda que reconheça que seu coração continua firma e forte na capacidade de amar.

“Cadu tem razão, eu sempre desisto de lutar quando estou machucada”

Cadu também é um personagem muito interessante. O mistério que o envolve nos atrai. Sabemos que há algo no passado dele que o deixa tão fechado e tão… Com medo de se entregar. Como Amanda.

Agora Edu… Esso só nos faz passar raiva mesmo! Mas a história precisava de um personagem desses, para nos deixar de olhos bem abertos, sempre!

Faz de conta que é amor foi uma leitura tranquila de se fazer, daquelas para passar o tempo. E se você quer saber como termina (ou não) a história de Amanda e Cadu, clique aqui.

Entre estantes — Olívia Pilar

Título: Entre estantes
Autora: Olívia Pilar
Editora: Publicação independente
Páginas: 14
Ano: 2017

Logo de cara, o que me chamou a atenção para esta história foi o título. E então a capa. Por fim, a sinopse. Tudo me remeti a livros, a paixão, a conhecimento.

“Entre estantes” é um conto e, como tal, é de rápida leitura. Poucos acontecimentos, poucos personagens. Uma narrativa de fácil compreensão, mas, nem de perto, rasa.

Trata-se da história de uma jovem, Isabel, que está em seu primeiro ano de faculdade. É ela mesma quem nos conta o seu percurso, começando lá em fevereiro, com o início das aulas. O lugar central da história, porém, não é simplesmente a faculdade como um todo, mas um ponto específico: a biblioteca. Agora ficou mais claro o título, não?

Mais do que encontrar os livros de que precisa, porém, Isabel encontra algo mais entre as estantes da biblioteca: autoconhecimento. E não falo apenas sobre o início da vida adulta, as inseguranças com nossas escolhas. Neste conto, Isabel repensa muito mais que isso. E tudo isso ao se deparar com uma figura que rapidamente lhe chama a atenção. Uma figura que ela tenta esquecer, mas não consegue.

Essa é uma leitura que eu recomendo entre um livro e outro, uma pausa gostosa, rápida e incrível. Uma leitura de minutos, mas que vai te acompanhar por dias. E Olívia Pilar tem vários outros contos publicados, que agora estou bem curiosa para conhecer!

Se interessou? Então clica aqui.

Entranhas do amor — Nicc Mello

Título: Entranhas do amor
Autor: Nicc Mello
Editora: Lettre
Páginas: 102
Ano: 2020

Como é que se resenha um livro tão intenso, tão íntimo, tão sincero? Eu, definitivamente, não sei, mas prometo que tentarei dizer algo sobre “Entranhas do amor”, do autor Nicc Mello.

“O amor de menina há de florescer nos sonhos de mulher”

Talvez eu deva começar pelo próprio título da obra: “entranhas” significa, figurativamente falando, a nossa parte mais interior, mais profunda. “Entranhas do amor”, portanto, é uma obra que deveria mergulhar no mais profundo desse sentimento tão infinito e tão complexo.

“Amor é amar”

É isso! “Entranhas do amor” realmente fala com profundidade — e propriedade — não apenas sobre o amor, mas sobre a vida, sobre o que é óbvio e o não tão óbvio assim. Sobre banalidades, mas também sobre questões existenciais.

“Viver era mais importante”

Em alguns poemas os versos são diretos, cortantes. Em outros, são mais amenos. Todos têm um quê de pessoalidade difícil de ignorar. E de sentir. Nicc Mello é um poeta LGBT e também demonstra isso em algumas de suas poesias.

“Amar nunca foi crime”

Queria destacar ao menos uma poesia aqui, mas foi tarefa difícil escolher. No entanto, optei por trazer a vocês “Eu”:

Eu

Sigo só,

na minha companhia.

Estranho é viver

no meio da multidão

Esta obra é o mais novo lançamento da Editora Lettre e, outra vez, fico feliz em ver um resultado desses. A edição física — que está em pré-venda no site da Editora, com frete grátis — está muito bonita, com uma diagramação diferente do ebook, disponível aqui.

E se você ainda não se convenceu entre comprar ou não um exemplar, conheça um pouco mais do autor através desta entrevista.

O canto das sereias — Ingrid Sousa

Título: O canto das sereias — um conto do universo de "O despertar da profecia"
Autora: Ingrid Sousa
Editora: Lettre
Páginas: 13
Ano: 2020

Serena e Sooará são gêmeas, nascidas durante uma lua de sangue. Devido ao momento em que nasceram, porém, foram logo abandonadas à própria sorte, que, no entanto, sorriu para elas e lhes deu uma nova família, onde viveram felizes por certo período de suas vidas.

“Serena era meiga, corajosa e sempre disposta a proteger sua irmã. Já Sooará era astuta, tinha sempre uma resposta na ponta da língua, e vivia em busca de novas aventuras”

Realmente havia algo de diferente naquelas meninas. Quando Sooará ficava irritada, os objetos que estavam perto dela começavam a se mexer e se chocavam contra a parede. E a única coisa capaz de acalmá-la e restituir a ordem ao lugar era sua irmã, Serena.

Enquanto aquilo só ocorria dentro de casa, os pais iam levando. Mas um dia uma dessas cenas se deu no meio do vilarejo e, então, todos passaram a temer aquela família, dizendo que aquelas crianças eram amaldiçoadas.

Mas também não era como se dentro de casa tudo ocorresse às mil maravilhas. Serena e Sooará tinham dois irmãos mais velhos, filhos de sangue dos pais adotivos das meninas. E um desses irmãos adorava provocar Sooará… Até o dia que fúria dela foi imensa.

“Ela olhou para as duas meninas e pensou que, até aquele momento, nunca se arrependera de ter salvo aquelas pobres crianças indefesas. Mas tudo mudara naquele exato instante, quando percebeu que não havia mais chances”

“O canto das sereias” é um conto e, como tal, é de rápida leitura. A história que ele nos traz, porém, é forte e, se quisermos ir além, carrega algumas mensagens importantes. Trata-se de uma narrativa que nos mostra como, apesar de tudo, devemos agir com o coração e ouvir aquilo que ele acha certo a ser feito, ainda que estejamos assumindo um risco; também é uma história que, de certo modo, nos mostra o perigo de fazermos piada com aquilo que é diferente de nós.

E então, ficou com vontade de ler “O canto das sereias”? Então clica aqui.

Eu quero mais — Tayana Alvez

Título: Eu quero mais
Autora: Tayana Alvez
Editora: Publicação independente
Páginas: 359
Ano: 2019

Você já se apaixonou por um livro da primeira à última página? Mas não estou falando somente das páginas da história em si, mas também aos extras, como o prefácio ou uma nota da autora? Isso provavelmente já aconteceu algumas vezes comigo, mas dessa vez foi bem intenso.

Eu já estava com vontade de ler Eu quero mais por ter visto diversos comentários positivos sobre ele, inclusive da Camila, do A bookaholic girl. Mas depois de ler o prefácio da obra, também escrito por uma leitora, minhas expectativas foram parar nas alturas. E isso poderia ser bem ruim, porque quanto mais alta a expectativa, maior o nosso tombo. Porém, para minha sorte, não foi o que aconteceu!

“Mas naquele momento, percebi que a verdade era que eu enfrentaria tudo aquilo. A única coisa que não conseguiria enfrentar seria ele amando outra pessoa…”

Logo de cara é preciso dizer que o que diferencia essa obra dos inúmeros romances que eu tanto amo é que a protagonista é negra. Sim, infelizmente. Não, não infelizmente que a protagonista seja negra, mas que esse seja o diferencial. Infelizmente que, em pleno 2020, seja necessário falar para o mundo sobre esse livro para que, quem sabe, as pessoas comecem a refletir sobre algumas coisas.

“Eu não podia ser a morena de ninguém, porque eu não sou morena”

Podemos dizer que em Eu quero mais, temos três personagens centrais: Elizabeth, essa mulher negra que luta contra o preconceito em suas mais diversas formas e que passa uma imagem de mulher forte e destemida, mas que guarda no coração uma história muito complicada; Joaquim — ou Joca — melhor amigo de infância de Elizabeth e também seu primeiro amor e primeiro “namorado”; e Breno, o cara que está ali para nos lembrar que as aparências enganam sim.

“Eu não queria que a gente fosse essa bagunça tão grande”

Não bastasse a vida de Elizabeth ser difícil por si só, ela e Joca têm de viver uma relação extremamente complexa. Ambos se conhecem desde a infância, pois Joca era melhor amigo de Paulo, irmão de Elizabeth. Aos pouco, a dupla inseparável se torna um trio, mas a amizade entre Joca e Elizabeth também se torna algo mais. E a proximidade entre eles acaba por afastar Paulo.

“Você também já engoliu alguns sapos e ninguém pode viver a vida inteira assim”

Esse afastamento precisa ser mencionado pois ele traz muitas consequências para a história. Não se trata de um simples distanciamento entre irmãos ou amigos de infância, mas algo que vai mexer com o futuro de nossos protagonistas e, principalmente, com a autoconfiança de Elizabeth.

“E você só não se vê como eu te vejo porque acredita mais no espelho do que no seu coração”

As relações familiares de Elizabeth, aliás, são construídas de maneira bem interessante nessa obra. Tendo crescido em Campos, uma cidade do Rio de Janeiro que, pela descrição, me pareceu relativamente pacata, Elizabeth teve uma infância feliz (apesar de ter poucos amigos na escola, justamente por ser negra) ao lado de seus pais e seu irmão. Quando esse dois últimos se afastam, porém, Elizabeth também acaba se afastando um pouco da mãe, pois — palavras da protagonista — ela optara por tomar partido do filho. A sua ligação com o pai, contudo, é admirável e rende lindos diálogos ao longo do livro.

“Não aguento mais ver você se submeter aos tombos da vida como se eles tivessem sido feitos para você não levantar”

Depois que Joca se muda para o sul do país, não há mais nada que prenda Elizabeth a Campos. E sim, ela é aquele tipo de protagonista livre, que quer viver a sua história de maneira plena. E é assim que ela se muda para São Paulo, onde conhece Breno.

“Ele era um cara legal, mas não me conhecia, não sabia nada sobre mim na verdade”

Breno era um mineiro, com um jeitinho nerd e poucos amigos na faculdade. Elizabeth tromba com ele em seu primeiro dia e eles logo viram amigos. E apesar de todo o amor que ela sente por Joaquim, ela também acaba se apaixonando por Breno. E é aí que o problema começa…

“Breno conhecia quem eu era por causa da vida, mas não sabia como a vida tinha me moldado até aquele momento”

Eu quero mais, porém, é uma história construída de maneira a nos deixar — até determinados momento, claro — um pouco em dúvida sobre qual lado “torcer”. Enquanto a relação entre Elizabeth e Breno — apesar do pesares — ter um certo ar de calmaria, de estabilidade, a relação entre ela e Joaquim parece fervilhante, intensa.

“Afinal, a história não é sobre com quem a garota fica no final, mas sobre o que faz a garota feliz”

Eu simplesmente não conseguia largar esse livro. Cada personagem que aparece ao longo da trama não está ali por acaso. Até mesmo Aline, a garota que divide o apartamento de São Paulo com Elizabeth e que, de início, mal dá as caras, vai, aos poucos, se revelando. E eu poderia passar horas e horas escrevendo sobre cada um dos outros personagens, mas essa resenha talvez já esteja longa demais…

Se eu fosse você, não deixaria de ler esse livro. Uma obra nacional imensamente rica, com menções inclusive à nossa História e que aborda temas que ainda precisamos discutir muito. E não estou falando apenas de racismo, mas também de relacionamentos abusivos, gaslight e saúde mental.

“Às vezes o peso me desequilibra”

Já se convenceu que está na hora de ler “Eu quero mais”? Então clica aqui.

O alquimista prodígio e a espada de cobre — Leblon Carter

Título: O alquimista prodígio e a espada de cobre — Saga Alla
Autor: Leblon Carter
Editora: Djinn
Páginas: 265
Ano: 2019

Se tem uma coisa que me deixa doida (e que eu provavelmente já comentei por aqui) é ouvir dizer que não existem boas fantasias escritas no Brasil. Será que não existe mesmo ou nós é que não conhecemos o que tem sido produzido por aqui?

“A vida é engraçada… sempre no dá a oportunidade certa na hora certa”

Talvez uma das nossas grandes referências atuais do gênero fantasia seja Harry Potter (apesar das inúmeros polêmicas que J. K. Rowling vem se envolvendo), mas vocês já leram O alquimista prodígio e a espada de cobre?

Nesta história conhecemos Aúcia, uma influente cidade. Nela vivem Alla e Elissa, duas jovem que sonham em estudar na Foulst, a mais importante escola de alquimia para jovens. Mas os pais de ambas não são muito favoráveis a essa escolha e elas passam suas últimas férias tentando convencê-los de que é aquilo que desejam.

Nesse meio tempo, vamos conhecendo um pouco mais de Aúcia, mas também conhecemos, de um outro lado da história, alguns jovens que parecem estar numa missão, em busca de objetos que aparentam grande valia. A líder desse grupo é Luana Lavoisier.

Se está te parecendo que a história irá girar ao redor de bem (Alla) e mal (Luana), sinto informar que você está tirando conclusões precipitadas. A verdade é que a única coisa que fica clara ao longo das páginas é que é muito difícil delimitar até onde o bem e o mal realmente vão.

“— São vidros espelho. Cada pedacinho mostra uma imagem diferente de você… o que há de mais profundo na sua alma. Várias personalidades, maneiras, faces suas, e cada uma delas é revelada pelos espelhos. Quando eles se juntam você vê quem realmente é. O pedaço inteiro de si mesma. Todas as suas camadas escondidas são reveladas”

Podemos, assim, dividir a trama em dois grandes núcleos, que vão se alternando, com uma certa predominância da narrativa focada em Alla. Aqui, portanto, acompanhamos a jovem em seu primeiro ano na Foulst, ao lado de Elissa e do mais novo amigo delas: Ernest.

Como todo primeiro ano em uma instituição, os jovens têm de enfrentar poucas e boas. E aqui é importante ressaltar algo: Alla não é uma aluna popular. Muito pelo contrário, aliás, em diversos momentos é possível captar certo bullying dirigido a ela. Mas é muito interessante perceber que, para além de toda a rivalidade que jovens costumam alimentar entre si, são muitas as situações em que os alunos precisam se juntar de verdade para superar um obstáculo.

Esse núcleo da história, portanto, é recheado de ação (na medida certa — e isso, para mim, é uma qualidade essencial. Ação em excesso pode tornar a leitura cansativa demais, por mais paradoxal que isso pareça), lições e claro, uma pitada de romance e rivalidade adolescente.

O segundo núcleo, por sua vez, é o que foca na missão de Luana. Devido ao seu passado, Luana precisa manter-se escondida, então ela comanda as ações de seu grupo, que tem de se dividir em busca dos objetos necessários para construir uma pedra filosofal. Por meio dessa parte da história, podemos conhecer um pouco mais do passado de Aúcia e também de alguns personagens relativamente centrais à história.

Assim, O alquimista prodígio e a espada de cobre é um livro que vem para animar o coração dos leitores ávidos por uma boa fantasia, mas que, ao mesmo tempo, nos deixa com um gostinho de “quero mais” e a certeza de que queremos continuar a leitura dessa série.

Ficou com vontade de conhecer Aúcia e todos os seus mistérios e encantos? Então clica aqui.

Em casa — L. S. Morgan

Título: Em casa
Autora: L. S. Morgan
Editora: Publicação independente
Páginas: 14
Ano: 2020

Desde que nasci, moro na mesma casa. Ao longo dos anos, porém, conheci muitas pessoas que se mudaram. Não apenas de casa, mas também de cidade, de estado, de país. Muitas dessas pessoas tiveram a oportunidade de fazer essa mudança por escolha, o que não minimiza tanto assim os impactos, as dificuldades que se tem de enfrentar em um lugar que não é o seu. Principalmente, também, quando se sai de um lugar tranquilo para um lugar agitado.

“Sinto cheiro de mato, de terra, de saudade guardada no peito”

Já nas primeiras linhas de Em casa me lembrei desses rostos que me remetem a mudança e que sempre admirei. A protagonista, com uma narrativa envolvente, consegue retratar bem o impacto que abandonar uma cidade pacata e chegar a uma cidade grande e caótica pode nos causar. Mas, ao contrário das tantas pessoas que conheci, ela não se mudou por opção: fora arrancada de seu lar.

Uma criança tirada à força de casa. É isso que Em casa nos mostra. Mas não só: o texto fala sobre a perda de alguém que se ama. Aliás, perda talvez seja o maior fio condutor dessa história, porque a protagonista perde uma mãe para a morte, perde uma mãe porque a sociedade não pode aceitar que uma criança tenha duas mães e, por fim, perde um lar.

“Achei que ela apenas dormia e demorei um tempo para entender que ela não acordaria, quando compreendi, chorei”

Em casa é um conto e, como tal, é curto. Para tratar de tantos assuntos em tão poucas páginas é preciso, portanto, ser direto. Mas a autora consegue fazer isso com uma linguagem rica de sentimentos e sensações, transmitindo tudo o que uma narrativa como essa pode nos propiciar.

Uma leitura de poucos minutos que foi uma grata surpresa para mim. Aquele tipo de história que combina com um domingo chuvoso e um café quente, que vai mexer com você e te fazer perceber que existem prazer nas menores coisas da vida.

Se interessou por Em casa? Então não deixe de clicar aqui. E se você gosta de marcadores, ao final do ebook a autora te dá a possibilidade de solicitar alguns.