À deriva — Fernando Ferrone

À deriva — Fernando Ferrone

Título: À deriva 
Autor: Fernando Ferrone 
Editora: Publicação Independente 
Páginas: 212  
Ano:  2017 (2º Edição)

Há livros que caem em nossas mãos e, por todo o seu conjunto, nos conquistam de tal maneira que só nos resta mergulhar na leitura e devorar cada página, até o fim.

“a gente fica tão preocupado com o fim das coisas. de repente, vai que não tem fim, né?”

Com À deriva foi assim. Depois de ter a honra de conhecer o autor Fernando Ferrone, e de ganhar um exemplar físico da obra, fui saboreando o prazer de observar os detalhes desta edição: a foto da capa, os elementos que remetem ao mar, a sinopse.

“existem várias maneiras de saber as coisas, né? e uma delas é saber de tudo, mas desconhecer as consequências. principalmente as consequências para os outros”

Iniciei a leitura nessa empolgação e, antes de continuar, não posso deixar de comentar uma estranheza que tive: as frases não são iniciadas com letra maiúscula. Estas, aliás, apenas são usadas nos nomes próprios. 

Passada esta primeira estranheza, porém, logo adentrei a história, sedenta por saber das aventuras e desventuras de Isabela.

“você me conheceu numa época muito estranha da minha vida”

É gostoso conhecer essa paulistana com a qual dificilmente não temos algo em comum: seja a insatisfação com o trabalho, o cansaço de viver em uma metrópole como São Paulo, o sentimento de solidão ou os conflitos familiares.

“você tem os seus problemas, e eles são grandes o suficiente para você ficar mal”

O interessante, contudo, é que nenhum desses assuntos está, sozinho, no foco da obra. Ao iniciarmos a leitura, aliás, já vemos que há muito mais, pois Isabela está mandando um áudio para seu ex, contando aquilo que tanto queremos descobrir: o que ela viveu em sua viagem.

“em retrospectiva, aquele deve ter sido o primeiro momento em que Isabela começou a terminar o namoro”

Para descansar um pouco de toda a agitação, Isabela decide passar um final de semana acampando em Trindade e, mesmo indo sozinha, ela acaba por conhecer pessoas que enriquecem as reflexões e confusões desta história, como os tão importantes personagens Caetano e Bruno.

“Isabela se inquieta, porque nessas horas lembra como, mesmo após seis meses, ainda se surpreende involuntariamente pensando no ex. apesar de tudo”

Estes dois, ao lado de Isabela, compõem o cerne da narrativa, mas há outros personagens que igualmente enriquecem a narrativa e o principal dela: a vontade de encontrar respostas e a dificuldade que temos de encontrá-las, mesmo quando elas estão bem embaixo do nosso nariz.

Devo confessar que fiquei admirada com o quanto Isabela realmente entregou-se à aventura que resolveu viver, conversando com estranhos (realmente estranhos) sem o menor medo ou desconfiança. Cheguei até a me questionar como uma pessoa sai de São Paulo e aceita caronas e conselhos de pessoas semi desconhecidas!

Por mais estranhos que alguns personagens sejam, devo admitir que conforme eu lia o livro, sempre me lembrava de algum conhecido por um ou outro motivo. Ou seja, esta é uma história que realmente nos faz sentir conectados e, assim, ela flui muito facilmente. A linguagem empregada também ajuda bastante para que a leitura embale e não nos deixa tão perdidos diante da temporalidade não linear da narrativa.

Eu poderia ainda comentar muitos outros aspectos deste livro, mas como já fiquei quase uma hora na Livraria Ponta de Lança batendo um papo com o Fernando sobre À deriva e A longa noite de Bê, deixo para os mais curioso o link deste encontro e convido a todos a seguir o autor nas redes sociais (Instagram) e, claro, garantir o seu exemplar desta obra:

A ruiva ao lado — Taynara Melo

Título: A ruiva ao lado 
Autora: Taynara Melo 
Editora: Publicação Independente 
Páginas: 78  
Ano: 2021 (2º edição)

A ruiva ao lado é uma obra razoavelmente curta e, por isso, rápida de ler. Além disso, um dos principais plots da narrativa está colocado logo no início, mas, mesmo assim, o mistério perdura por toda a obra.

“Já vi aquele olhar. Mas não me lembro em quem”

Celine tem 32 anos e ainda carrega consigo a dor de ter sido abandonada pela mãe aos 10 anos de idade, tendo crescido apenas com o pai, alcoólatra.

“Até hoje sinto que a minha felicidade foi embora com minha mãe, no dia que ela partiu”

Apesar de tantos percalços, Celine conseguiu construir sua vida e, ao contrário da mãe, jamais abandonou o pai, mesmo diante da dificuldade e da tristeza de conviver sob o mesmo teto que alguém com um vício tão complicado e destrutivo quanto o álcool.

“Nesse exato momento, ele está na reunião do AA. Fico feliz por ele estar se empenhando. No mês anterior, ele havia completado quatro anos de sobriedade. Aquilo, para ele, era uma vitória diária. E eu estava orgulhosa dele”

Mas claro que, quando as coisas começam a se ajeitar, a vida vem e traz novas surpresas e desafios.

“Só quero seguir em frente, sem esse drama à minha volta”

Voltando de um delicioso final de semana com as amigas, Celine conhece Laura, a ruiva que pede para sentar ao seu lado no ônibus.

Desse momento, nasce uma linda e surpreende relação. Um elo que não é sempre que conseguimos criar em tão pouco tempo.

Mas é também por causa desse momento que todo o passado de Celine vem à tona e sua vida vira um caos.

A ruiva ao lado é, portanto, uma história que fala sobre abandono, alcoolismo, depressão e, acima de tudo, perdão.

“Compreendi que o perdão deve ser dado de coração”

Se quiser realizar esta leitura, prepare-se para encontrar sentimentos intensos e, claro, para chorar. Clique aí embaixo para saber mais e não deixe de seguir a autora nas redes sociais (Twitter e Instagram) para conhecer esta e suas demais obras.

Garoto conhece garoto — Leblon Carter

Título: Garoto conhece garoto 
Autor: Leblon Carter 
Editora: Publicação Independente 
Páginas: 21
Ano: 2021 

Acho que todos nós, cedo ou tarde, nos deparamos com um momento em que buscamos uma leitura gostosa, mas rápida e leve. E é exatamente isso que encontramos em Garoto conhece garoto.

O contexto é bem simples e, por si só, poderia render os mais diferentes tipos de história: uma excursão para um parque de diversões.

O foco porém — como não poderia deixar de ser em um conto — está em um momento específico: quando quebra a roda gigante em que Bruno está. 

“Só aconteceu. De forma natural”

Aqui, porém, sinto-me na obrigação de fazer alguns esclarecimentos: 

1°: Bruno estava morrendo de medo de ir em tal brinquedo.

2°: Bruno estava na fila com seu amigo — que era quem realmente queria ir ao brinquedo —, mas este sentiu uma enorme vontade de ir ao banheiro, deixando o amigo em pânico e sozinho.

Claro que esses acontecimentos eram necessários para que, mesmo quase tendo um treco, Bruno entrasse na roda-gigante e dividisse a cabine com um desconhecido. O que, no final das contas, não foi tão ruim assim…

“Nós ficamos com as mãos uma por cima da outra durante uns dois minutos antes que surgisse um outro assunto”

Ficou com vontade de conhecer e ler esse conto romântico, fofinho e curtinho? Então clique abaixo para saber mais e não deixe de seguir o autor em suas redes sociais (Twitter e Instagram).

Citações 49 — Não precisamos dele

Hoje não trarei aqui tantos trechos da obra Não precisamos dele (Taynara Melo), cuja resenha você pode conferir neste post. No entanto, são passagens que eu não poderia deixar de dar o devido destaque.

Como dito na resenha, neste livro temos a história de duas mulheres que estão passando por um momento importante e intenso em suas vidas.

“Amo a mulher que me tornei, embora cheia de cicatrizes”

E é justamente por tudo o que têm vivido que elas têm tanto a nos ensinar, o que torna a leitura desta obra tão enriquecedora e prazerosa.

“Lugar de mulher é onde ela quiser estar”

E elas ensinam e transmitem mensagens para além do óbvio, nos fazendo enxergar possibilidades e destinos que nem sempre encontramos em outros livros como este.

“Desde o meu divórcio, me sinto livre”

Durante a leitura, acho difícil não encontrar ao menos um momento com o qual você se identifique. Ou então ecos de pensamentos que você já tenha tido.

“É engraçado como as pessoas olham para as mulheres pequenas e acreditam que elas são frágeis. Tanto no físico como no emocional”

Se depois destas passagens e de ler a resenha de Não precisamos dele, você ficou com vontade de conhecer melhor a história da Miranda e da Anna, não deixe de clicar aqui:

A Estrela do Cerrado — Renata De Luca

Título: A estrela do Cerrado 
Autora: Renata De Luca 
Editora: Publicação independente
Páginas:  354
Ano: 2021

Já que pode existir carnaval fora de época, também pode ter resenha de história que se passa nessa época mesmo depois do segundo carnaval do ano, certo? Assim, já ficamos com o tão sonhado carnaval o ano inteiro.

A verdade é que, mesmo se passando nesse período de festança, A Estrela do Cerrado é uma história policial que nos apresenta um crime daqueles difíceis de acreditar e de solucionar.

“É como sempre digo, se um roteirista descrevesse um assalto desse, iam dizer que ele estava exagerando!”

Aproveitando que a maioria das pessoas estaria ocupada demais comemorando o carnaval, uma quadrilha realiza um arquitetado assalto a um banco localizado na Avenida Paulista, umas das principais avenidas da cidade de São Paulo.

No roubo, são levados documentos, dinheiro e joias, dentre elas a famosa Estrela do Cerrado. Mas algo que chama a atenção de todos que, por algum motivo, conhecem um pouco a mais dos detalhes do assalto, é que por mais que diversos cofres tenham sido roubados, parecia que eles haviam sido escolhidos a dedo.

“A Estrela do Cerrado! Ele vira o estojo em direção a cada um dos comparsas. – Um primor da joalheria, execução e design perfeitos para realçar uma das esmeraldas mais cobiçadas do mundo!”

Com o desenrolar da história — e das investigações — vamos percebendo que realmente há muito mais por trás deste enorme assalto.

“Eles trocam amabilidades e desligam, certos de que juntar esforços é sempre mais difícil do que prender bandidos…”

Devo dizer, aliás, que há muito por trás da história de cada personagem e, extrapolando ainda mais a interpretação, por trás de cada um de nós.

“Talvez tenha chegado a hora de falarem o que não foi dito ao longo de cinco anos”

E é com essa trama bem construída e escrita numa linguagem clara — quase jornalística, para combinar com a profissão da autora — que Renata de Luca consegue abordar algumas temáticas importantes, como o abuso do uso de álcool.

“Quando Pati chega, abatida, com olheiras, Luli está pronta para acolher a irmã. Decidiu não falar nada sobre a bebida, ela precisa encarar a doença, mas não hoje, não com tudo o que está acontecendo”

A narrativa também nos faz refletir sobre relações familiares, construções sociais e a (des)organização de nossos cotidianos e crenças.

“Quem vive na periferia sabe que a regra é nunca encarar marginal ou polícia”

Outra coisa que pesa na história é o fato de surgirem sentimentos onde estes não deveriam surgir, e também toda a manipulação que há por trás deles.

“Michel não precisa reler para entender que está levando o fora. Pelo celular, como essa geração costuma fazer”

São muitos os personagens que compõem está trama e a história deles está mais interligada do que parece. Cada um tem a sua importância e o seu papel na construção da narrativa, mas temos de prestar atenção à história para não nos perdermos entre eles e os cenários que percorrem.

Se você gosta de uma boa narrativa policial e de ler sobre crimes complexos, mas não gosta de cenas com muito sangue, A Estrela do Cerrado é o livro perfeito para você. Clique abaixo para conhecer esta obra e não deixe de seguir a autora nas redes sociais (Instagram).

Citações #48 — Cartola (antologia)

A antologia Cartola é uma obra recheada de contos encantadores, como apresentei ao longo desta resenha. Muitos trechos bonitos, porém, ficaram de fora e hoje trarei mais alguns deles (deixando, ainda, outros tantos sem a sua vez, porque tem realmente muita coisa boa ali).

“Quando uma estrela escolhe você, não existe caminho de volta, seu coração começa a precisar daquele brilho para viver”

Corra e olhe o céu (Ana Farias Ferrari)

Como mencionado na resenha, essa obra nos traz sentimentos e temáticas como a tristeza:

“Não ligava mais para queimaduras. Tinha vivido coisas piores”

Alvorada (Bruny Guedes)

“Pouco a pouco, a magia da música foi se perdendo”

Cordas de aço (Thais Rocha)

“Todos estavam tristes, mas não queriam lidar com isso”

Corra e olhe o céu (Ana Farias Ferrari)

A angústia:

“Eu acho que esse foi o instante que ela, Cilene, percebeu que havia mais felicidade no mundo do que ela tinha naquela ocasião”

Amor proibido (Nilsa M. Souza)

“As pessoas dizem que desistir é covardia, contudo, esse talvez seja o meu maior ato de coragem”

As rosas não falam (Lili Dantas)

“Temi que seu eu tivesse que passar pelo ritual de despedida, talvez não conseguisse virar as costas e seguir meu plano adiante”

Meu drama (Ana Paula Del Padre)

A amizade:

“Não se quebra uma amizade”

Amor proibido (Nilsa M. Souza)

A memória e o esquecimento:

“É curioso como cheiros nos imprimem memórias como se fossem tatuagens”

As rosas não falam (Lili Dantas)

“Dizem que as viagens favorecem o esquecimento”

Peito vazio (Simone Aubin)

Ou o distanciamento:

“Às vezes, a pior atitude é não querer se envolver”

O mundo é um moinho (Alessandra Solletti)

“Frio não é só sobre o clima, é também um estado de espírito”

O sol nascerá (Meg Mendes)

A vida e a morte (assim mesmo, juntas e misturadas):

“Em meio ao meu tormento, não mais particular, ele me abraça como se jamais fosse deixar-me ir. E eu não quero”

As rosas não falam (Lili Dantas)

“Você nunca pensa que vai morrer até estar diante da iminência da morte”

Autonomia (C. B. Kaihatsu)

E, claro, o amor, sentimento sempre tão presente e tão intenso:

“Há tempos eu não sentia as emoções juvenis de quando nos sentimos doentiamente atraídos por alguém”

As rosas não falam (Lili Dantas)

“Me pergunto, como ainda é possível eu amar o comportamento odioso nela, a resposta vem fácil logo em seguida, só é possível amar a luz de uma pessoa se também amarmos a sua escuridão, um não existe sem o outro”

As rosas não falam (Lili Dantas)

“O tema do meu trabalho, Amor: efêmero ou eterno?, era minha última esperança em acreditar que as relações duradouras e verdadeiras existiam de verdade. De que ainda valia a pena amar, ou então, me conformar que tudo é mesmo uma mentira e que o amor é apenas uma ilusão dolorosa”

Disfarça e chora (Juliana Kaori)

“Amor, amor de verdade mesmo, não olha a quem, não tem regra, dura o que tem que durar”

Disfarça e chora (Juliana Kaori)

Se tiver gostado desses trechinhos, não deixe de conhecer a obra completa. Como eu disse na resenha, a leitura me surpreendeu bastante (positivamente)!

Mônica e Enzo e todos os dias — Denise Flaibam

Título: Mônica e Enzo e todos os dias 
Autora: Denise Flaibam 
Editora: Mundo Uno Editora 
Páginas: 259 
Ano: 2021

Mônica e Enzo e todos os dias é uma história para quem busca um amor manso, que vai aos poucos e que, mesmo assim, pode nos levar às lágrimas.

A protagonista, Mônica, é uma garota peculiar: excelente fotógrafa, ela é metódica, extremamente tímida e um bocado ansiosa.

“A vida é uma coisa esquisita, Lílian, mas você aprende a lidar com ela”

A ansiedade, aliás, é provavelmente o único vilão dessa história que retrata um amor que não encontra grandes empecilhos.

“Se ele soubesse que meu silêncio representa todo um aglomerado de palavras que não sei expressar, não haveria receio em sua expressão” 

Enzo, por sua vez, é o grande goleiro e capitão do time de futebol, adorado por todos e… lindo, claro.

“O Enzo é tão incrível que eu poderia aprender a escrever poemas só para dedicar um a ele”

Já deu para imaginar que esses dois não teriam nada para acabar juntos, exceto pelo fato de terem o principal: interesse um no outro.

E é assim que vamos acompanhando as peripécias deles, as idas e vindas e a vontade de dar um chacoalhão em cada um em certos momentos.

“Enzo sorri e o mundo se quebra em mil pedacinhos por causa disso”

Mônica e Enzo e todos os dias é uma história que pode parecer bobinha para algumas pessoas, mas que nos faz enxergar o amor com olhos mais doces, leves e cuidadosos.

“Acho que essa é a graça da coisa. Lidar com o desconhecido. Eu sei que você não gosta, mas a vida é assim. Relacionamentos são bem mais do que só sorrir e amar o sorriso de uma pessoa. Você precisa saber que em alguns momentos vai ser confuso, e em outros momentos, vai ser claro como água”

E a história não é só sobre isso, isto é, não fala apenas de um amor adolescente improvável. A narrativa também fala sobre relações familiares. Mônica tem quatro irmãos e seus pais têm uma relação um tanto quanto complicada.

“Eles já quase se divorciaram três vezes desde que nasci. Na última, a reconciliação resultou nos trigêmeos. É a nossa vida”

Além de aprender com isso, é muito gostoso — e também um tanto quanto doloroso — ver a relação de Mônica com Lilian, sua irmã mais velha.

“Lílian é a melhor irmã do mundo, a garota maravilha dos Garcia. Ela estava em todo lugar, toda hora. E agora não está mais”

Se você acha que essa história é para você, clique abaixo e não deixe de seguir a autora em suas redes sociais (Twitter e Instagram).

Dia mundial do livro: 8 motivos pelos quais livros melhoram a sua vida [tradução 25]

Que eu sou apaixonada por livros, isso não é segredo para ninguém. Mas sou muito ruim com datas literárias e, por pouco, não perco o timing desta tradução.

Procurando algo bacana para trazer aqui, encontrei este artigo escrito por Federica Ponza, em 23 de abril de 2019, e publicado no site Solo Libri.

Abaixo você encontra a tradução desse artigo, com 8 motivos pelos quais, de acordo com Federica Ponza, os livros melhoram a nossa vida


No dia 23 de abril é celebrada o dia mundial do livro e achamos que não há ocasião melhor para elencar os motivos pelos quais os livros tornam a sua vida melhor.

Os leitores sabem que um livro pode fazer a diferença na vida e cada um tem os seus motivos para amá-los, mas existem alguns que mais ou menos acomunam todos aqueles que são apaixonados pela leitura e pelos livros.

O dia mundial do livro e dos direitos autorais é um evento patrocinado pela UNESCO e que nasceu para promover e incentivar a leitura, a publicação dos livros, além da proteção da propriedade intelectual com o copyright.

Agora, mais que nunca, é bom lembrar quais são os motivos para escolher ler ou comprar um livro, mesmo à luz dos últimos dados do ISTAT sobre a leitura, que não deixam um quadro muito encorajador. Por esse motivo, aqui vão alguns motivos pelos quais os livros melhoram a vida.

1. Nunca te deixam sozinho/a

“Os livros, eles nunca te abandonam. Você certamente os abandona vez ou outra, os livros, os traí também; eles, pelo contrário, não te viram jamais as costas: no mais completo silêncio e con imensa humildade, eles te esperam sobre as prateleiras” (Amos Oz)

Um leitor sabe bem: com um livro na bolsa, a solidão desaparece ou assume um significado totalmente diferente.

Os livros, de fato, têm essa maravilhosa capacidade de te manter sempre acompanhado: quem poderia se sentir só e abandonado quando passa suas horas em companhia de belíssimos personagens que a literatura sabe e soube nos presentear?

Um leitor não teme a solidão, mas sabe apreciá-la e desfrutá-la ao máximo para mergulhar nas páginas de um lindo livro e viver uma nova aventura.

2. O cheiro das páginas esconde o segredo da felicidade

“Entre na livraria e aspire aquele cheiro de papel e magia que, inexplicavelmente, ninguém ainda pensou em engarrafar” (Carlos Ruiz Zafón)

Cada leitor verdadeiro sabe que no cheiro das páginas dos livros se esconde o segredo da felicidade: basta abrir um livro e mergulhar o nariz dentro das páginas para sentir uma inexplicável sensação de alegria e paz com o mundo.

Não importa se são livros novos ou usados, quando abrimos um livro, sentimos sempre uma grande e (aparentemente) inexplicável alegria.

Em suma, diante do cheiro das páginas dos livros não existe chateação ou mau humor que resista: o sorriso volta imediatamente aos lábios.

3. Te levam para onde você quiser

“Esta longa viagem imóvel que chamamos de leitura” (Guy Goffette)

Um livro sabe te fazer viajar e ir longe, mesmo estando sempre no mesmo lugar. Uma das maiores qualidades de um livro, de fato, é que eles são capazes de te levar onde for: quer seja na floresta da Malásia, com Sandokan, quer seja entre os corredores de uma escola de magia, com Harry Potter, os lugares nos quais te permite viajar são realmente infinitos.

4. Te ajudam a conhecer melhor a você mesmo/a

“Cada leitor, quando lê, lê a si mesmo. A obra do escritor é apenas uma espécie de instrumento ótico oferecido ao leitor para lhe permitir discernir o que, sem ela, talvez não pudesse ver em si mesmo” (Marcel Proust)

Acontece com frequência de lermos um livro e encontrarmos algo que fala de nós mesmos: você não entende como os personagens e as histórias são parecidas àquelas da sua vida ou mesmo quando completamente diferentes, encontram um modo de te revelar algo a mais sobre aquilo que você é.

Muitos leitores, aliás, se surpreendem pensando em si mesmos ou nos eventos da própria vida de maneira diferente depois da leitura de um belo livro. E, em muitas ocasiões, ler um livro pode concretamente fazer a diferença na vida e nas experiências das pessoas. Experimente para acreditar.

5. Te presenteiam com novos olhos para enxergar o mundo

Os livros têm a grande qualidade de te impulsionar a ver o mundo ao seu redor de modo diferente: cada um deles sabe te presentear com novos olhos para observar, abrindo portas e mundos que você não achava que fossem possíveis.

Uma qualidade não pequena, principalmente para aquelas pessoas que são naturalmente curiosas e amam ver as coisas de todos os pontos de vista possíveis.

Um livro, com efeito, contém o ponto de vista de um outro alguém sobre as coisas: se você parar para pensar, são um dos poucos instrumentos que te permitem realmente se colocar no lugar do outro e olhar através dos seus olhos.

6. Abrem a mente e o coração

“Os livros me enchiam a cabeça e alargavam a testa. Lê-los era como desencalhar o barco: o nariz era a proa; as linha, ondas” (Erri De Luca)

Um livro tem um poder realmente imenso: aquele de abrir seja a mente, seja o coração:

  • A mente porque te ajuda a conhecer novas coisas e a aprender sempre mais, mantendo o cérebro ativo e fazendo com que a sua cabeça não pare nunca de trabalhar da melhor maneira possível.
  • O coração porque, através das emoções que as histórias contidas nele sabem desapertar, pode-se experimentar todas as sensações que o ser humano conhece e vive.

Amor, medo, ternura, ansiedade, tristeza, alegria: de página em página, em uma viagem realmente única.

7. Te fazem viver muitas vidas

“Quem não lê, aos 70 anos terá vivido uma só vida: a própria. Quem lê, terá vivido 5000 anos: era vivo quando Caim matou Abel, quando Renzo casou com Lucia, quando Leopardi admirava o infinito… porque a leitura é uma imortalidade de trás para frente” (Umberto Eco)

Nada de mais verdadeiro: ser leitor de livros significa estender a própria existência a infinitas outras, vivendo todas aquelas dos personagens que se encontrarão entre uma página e outra. 

Sem exageros, os livros são uma das poucas coisas que te permitem se aproximar à sensação de infinito.

8. São companheiros de vida extraordinários

“Você entende que leu um bom livro quando vira a última página e se sente como se tivesse perdido um amigo” (Paul Sweeney)

Quem ama ler livros não tem dúvidas: estão entre as melhores companhias que se pode ter! Eliminam o tédio, apagam a solidão, te fazer conhecer pessoas extraordinárias (de verdade ou inventadas), fazem você se apaixonar, são os seus melhores amigos, te dão alegria, te fazem refletir, te acompanham em cada viagem ou experiência, te fazem se sentir abraçado.

Essas são algumas das características que tornam os livros companheiros de vida realmente extraordinários, como um verdadeiro amigo que você conhece a vida toda e que está sempre ali por você. Um amor para toda a vida.

Agora que te demos os nossos motivos pelos quais um livro pode melhorar a sua vida, nos conte quais são os seus nos comentários deste artigo.


E aí, qual é a sua opinião? Acha que ficou faltando algo nessa lista? Então não deixe de comentar!

No farol da Ponta Verde — Beatriz Lima

Título: No farol da ponta verde 
Autora: Beatriz Lima 
Editora: Duplo Sentido Editorial 
Páginas: 49  
Ano: 2021

Assim como este Blog passou por um momento de “abandono” — sofrendo uma ausência minha que, brevemente, comentei aqui —, o projeto Meu Brasil é assim também tem andado, infelizmente, um pouco esquecido.

De qualquer forma, há um conto que, até este exato momento, não resenhei: No farol da ponta verde, escrito por Beatriz Lima.

A história se passa em Alagoas, Estado que ainda não tive a sorte de conhecer, mas que já me deixou encantada com o que li ao longo da narrativa.

Bárbara está no terceiro ano do Ensino Médio. Uma época que, por si só, já é cheia de emoções, que ganham ainda mais cores com o clima competitivo no Colégio Cabreira, devido à competição anual interclasses.

“O verbo ‘ser’ tem uma carga muito grande para nós, o que esperamos no mundo e o que o mundo espera da gente. Somos uma soma de todos esses anos que passamos estudando, de cada professor, aluno, coordenador e matérias”

A narrativa, portanto, divide-se entre as etapas da tal gincana, ao mesmo tempo que fala sobre muito mais. Além disso, ela é permeada por lugares e gírias alagoanos (o que, por vezes, pode ser um pouco difícil para alguém que assim como eu, não conhece quase nada da cultura local, ao mesmo tempo que isso contribui para despertar a nossa curiosidade).

No farol da Ponta Verde é uma história gostosa de ler, que nos envolve e que pode despertar sentimentos como saudade e quentinho no coração.

Infelizmente, no momento o conto não está disponível na Amazon, como anteriormente se fazia com as histórias desse projeto. De qualquer forma, não deixe de seguir a autora em suas redes sociais (twitter e instagram). E se quiser conhecer um pouco dos demais contos da série “Meu Brasil é assim” que já resenhei, é só clicar nos títulos abaixo:

A vida fora das telas

Ando sumida daqui, é verdade.

Tenho resenhas para escrever, artigos que quero traduzir, materiais para compartilhar. Mas tem me faltado tempo.

Deixei que alguns dias passassem e tenho pensado em deixar mais outros tantos passarem. Voltarei quando tiver algum material já escrito, para não te deixar à deriva novamente.

Aproveito o infame jogo que fiz, porém, e deixo aqui o meu convite: hoje (25/03/2022), às 19h30, estarei na Livraria Ponta de Lança (R. Aureliano Coutinho, 26 – Vila Buarque, São Paulo – SP) mediando um bate-papo com o autor Fernando Ferrone, que além de A longa noite de Bê, escreveu também À deriva (que está entre as resenhas a serem escritas).

O bate-papo também será transmitido, ao vivo, pelo Instagram da Livraria.

Como você pode ver, ando sumida daqui, mas a vida está seguindo fora das telas. Estou numa correria por ter começado em um novo emprego esse ano, mas sigo lendo sempre que posso e, felizmente, agora estão voltando os eventos literários presenciais.

Inclusive, aproveito para lembrar que tenho uma newsletter (que também sofre de algumas ausências minhas, por vezes), na qual divulgo lançamentos, eventos e cursos relacionados a esse universo que tanto me fascina.

A newsletter é gratuita. Você só precisa se inscrever aqui e confirmar sua inscrição pelo email que chegará (e que talvez vá para o seu spam ou para as promoções).