Dois aviões de papel — Adrielli Almeida

Título: Dois aviões de papel
Autora: Adrielli Almeida
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 32
Ano: 2021

Voltei para falar sobre a terceira (e última) parada no Sul do Brasil, com o projeto Meu Brasil é assim. Se você não sabe do que eu estou falando, aproveite para dar uma olhadinha neste post aqui.

A resenha de hoje é sobre Dois aviões de papel, conto escrito por Adrielli Almeida e que se passa no Paraná, mais especificamente em Curitiba. Da mesma forma que fiz das outras vezes, vou falar um pouquinho também da minha relação com o Paraná.

Tive a chance de conhecer Curitiba, se não me engano, em 2017 e foi uma cidade que eu adorei e que se tiver a oportunidade, voltarei sem dúvidas. Fala-se muita na frieza dos curitibanos, mas não consegui vê-los com esses olhos. E foi bacana perceber como o conto da Adrielli também trabalha um pouco com esse estereótipo. E veja só: estou aqui elogiando Curitiba e não vivi nem um terço do que Susana — a protagonista da história — viveu. Claro que também são situações bem diferentes então, sem mais delongas, passemos ao conto.

Não sei se foi algo combinado ou não, mas como nos outros contos, nesta história a protagonista está “entre” duas cidades, isto é, sai do interior do Paraná para viver em Curitiba, onde fará faculdade (assim como também aconteceu com a protagonista de Santo Butiá, que, porém, fez o movimento inverso, isto é, saiu da capital para uma cidade do interior).

Em Dois aviões de papel acompanhamos, portanto, a mudança de Susana e, mais especificamente, o seu primeiro dia aproveitando um pouco de sua nova cidade. E claro que isso tinha de começar no cartão postal da cidade: o Jardim Botânico.

Mas não só isso: tinha de começar com um pequeno incidente que acaba acarretando em um dia inesquecível — e talvez um pouco surreal, porque nenhuma pessoa em sã consciência se deixaria levar como Susana, ainda que nem ela acreditasse no que estava fazendo.

A verdade é que o desenrolar dos fatos nos prendem à leitura de maneira muito gostosa. Eu já li outras obras da Adrielli — que, há alguns anos, foi uma autora que descobri muito por acaso e que amei — e fiquei muito feliz quando soube que ela faria parte desse projeto. Ela conseguiu, ao mesmo tempo, escrever uma narrativa leve, com aventuras, amor e ainda apresentar uma Curitiba gostosa de se ler.

O título pode parecer um pouco estranho no início, mas ele fica bem claro no final das história, então se você quer entendê-lo, não deixe de clicar aqui.


Confira a viagem do Meu Brasil é assim através das minhas resenhas:

Quando a neve cair — Thaís Bergmann

Título: Quando a neve cair
Autora: Thaís Bergmann
Editora: Duplo Sentido
Páginas: 43
Ano: 2021

Segunda parada da nossa viagem pelo Brasil: Santa Catarina! Se você chegou aqui agora e não sabe de que viagem estou falando, não deixe de conferir esse post aqui. E antes de contar sobre a história da vez, quero contar da minha relação com Santa Catarina.

Visitei, apenas uma vez na vida, Florianópolis. E isso foi lá em 2013, um pouco depois de prestar vestibular Eram umas merecidas férias de janeiro e fiz essa viagem turística, com meus pais. Ficamos mais pelo hotel mesmo, mas em um dos dias, fizemos uma volta pela ilha.

Se eu fosse hoje para lá, a experiência seria muito diferente, sem dúvidas! Agora eu teria a possibilidade de conhecer pessoalmente muitas pessoas que conheci, nesse último ano, através das telas e, com certeza, aproveitaria ainda mais cada momento e conheceria muitos outros lugares.

Esse contato com tantas pessoas de Santa Catarina têm me ensinado muito, mesmo que elas provavelmente nem se deem conta disso. E acredito que esse aprendizado tornou a minha experiência de leitura desse conto ainda mais especial e divertida.

Quando a neve cair não se passa em Florianópolis, mas na Serra Catarinense. Camila, a protagonista, tem apenas 16 anos e está hospedada, com seus pais, em um hotel fazenda em Urubici. Eles estão ali não apenas para aproveitar o final de semana em grande estilo, mas também pelas notícias de que nevaria por lá.

A verdade é que eles sabem bem o que é a “neve” da Serra Catarinense, mas é evidente que Camila e sua família adoram aquele lugar e o passeio em si. A paixão de Camila, porém, fica ainda mais evidente quando ela conhece Hugo, um rapaz da sua idade, que também está ali com os pais, mas pela primeira vez e ansioso por ver neve!

“A afirmação me pega um pouco de surpresa porque nenhum catarinense chega aos dezesseis anos sem ter subido a serra pelo menos uma vez na vida. Ainda mais que, pelo “s” bem puxado, parecendo com o som de “x”, é óbvio que ele é manezinho da ilha, e Florianópolis fica ainda mais perto de Urubici do que Imbituba, de onde eu sou!” 

Este conto, porém, não é apenas uma história sobre “a neve na serra catarinense” — aliás, esse é quase um detalhe na história — mas sobre amor. Contudo, não se trata de uma mera narrativa melosa e de contos de fadas. Muito pelo contrário, para ser sincera!

Apesar de nova, Camila já sofreu uma bela desilusão amorosa, então mesmo sentindo um belo frio na barriga por ver — e conversar! — um rapaz tão bonito e simpático, ela tenta, a qualquer custo, se manter racional. Claro, ela acaba falhando em alguns momentos, mas tendo a certeza de que aquela história duraria apenas um final de semana, Camila se mantém firme em algumas decisões suas — daquelas que nos fazem pensar: “pare de ser assim, vai aproveitar a vida!” —, para evitar se machucar novamente.

“É nesse momento que tenho certeza que não importa que a gente tenha menos do que vinte e quatro ou quarenta e oito horas juntos: jamais vou esquecer dele ou dessa viagem”

Quando a neve cair é, portanto, um conto que consegue, mesmo em sua brevidade, nos apresentar belas paisagens catarinenses, ao mesmo tempo em que nos faz refletir sobre o quanto vale realmente à pena tentar ser mais racional que sentimental, apenas para evitar um sofrimento.

Fiquei abismada com o desfecho da história, que é daqueles que acende uma luzinha em nossa cabeça, nos lembrando que a vida está aí para ser vivida e sentida. E se você quiser entender do que eu estou falando, já vem aqui garantir o seu conto.


Confira a viagem do Meu Brasil é assim através das minhas resenhas:

Querida quarentena — Grazi Ruzzante

Título: Querida Quarentena
Autora: Grazi Ruzzante
Editora: Publicação Independente
Páginas: 99
Ano: 2020

Demorei mais de um ano para pegar essa noveleta para ler, mas como sempre digo, li no momento certo e, assim, pude apreciar e me conectar com a narradora. Não que isso fosse algo muito difícil, visto que a escrita da Grazi é envolvente e leve, mesmo tratando de uma realidade tão complicada e maluca quanto os tempos de pandemia.

“Embora estejamos em confinamento, o mundo ainda dá voltas. As estações mudam”

O que encontramos nesta obra é uma espécie de diário, mas que ao invés de começar com “querido diário” inicia-se sempre com “querida quarentena”. E tem período melhor que esse para colocar no papel todas as nossas dúvidas, angústias e anseios? Aliás, a protagonista faz isso muito bem ao longo das páginas, colocando nelas questionamentos que, em algum momento, também nos fizemos nesse longo período de isolamento.

“Será que o lado de fora que virou prisão? Será que eu só consigo ser livre aqui dentro? Será que vou conseguir reaprender a dançar lá fora?”

Bia é uma mulher extremamente palpável: fragilizada após um término, ela se vê confinada em casa, consigo mesma, e todos aqueles sentimentos que, em um contexto “normal” já eram intensos, parecem se multiplicar.

“Você me conheceu numa situação atípica. O isolamento fez tudo sair das sombras e sensações aflorarem como nunca antes. Esse negócio de sentimento é novidade até para mim mesma”

Os capítulos de Querida quarentena são bem curtinhos, mas eu sugiro que você não devore toda a obra em um único dia, mesmo sendo possível. Aprecie em doses homeopáticas e observe as mudanças pelas quais Bia passa.

“É estranho revisitar memórias que você tem há anos e perceber as coisas de um jeito diferente”

Essa leitura me acompanhou por cerca de uma semana e confesso que era bem difícil parar de ler, ao mesmo tempo que eu realmente não queria que ela terminasse logo. Há uma narrativa bem clara no livro, mas também é inevitável trazê-la para dentro de nós, nos fazendo mergulhar nesse universo de sentimentos, tantos os nossos quanto os de Bia.

“Eu não sei o que responder quando me perguntam como eu estou. Porque eu estou bem, mas também não muito”

Querida quarentena é, literalmente, um presente para nós, uma vez que, além de extremamente bem construída e escrita, a obra pode ser lida gratuitamente. Para isso, basta acessar o link disponível no perfil da autora Grazi Ruzzante. Aproveita e já segue ela! Esse é, de longe, um dos meus perfis favoritos no Instagram.

Acredito que eu poderia falar muito mais sobre essa obra, mas esse é um daqueles livros que cada um vai receber e sentir de uma forma diferente e é justamente isso que o torna ainda mais incrível. Não importa se você é homem ou mulher, é difícil não se reconhecer em alguma medida nessas páginas, ainda mais por representarem tão bem as nuances que essa quarentena trouxe às nossas vidas.

Santo Butiá — Sofia Neglia

Título: Santo Butiá
Autora: Sofia Neglia
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 40
Ano: 2021

Antes de dar início à resenha propriamente dita, gostaria de contar um pouco mais de onde surgiu esse conto e alguns outros que irei resenhar nas próximas semanas (e meses).

A Duplo Sentido Editorial, uma editora pela qual nutro certo admiração, devidos às lindas obras que publica, criou um projeto chamado Meu Brasil é assim, no qual visitaremos todos os Estados brasileiros através de uma viagem ser sair de casa e totalmente segura em tempos de pandemia.

“O Projeto Meu Brasil é assim reuniu 27 autoras, uma de cada estado do país, para usar e abusar do poder que a literatura tem de nos transportar para qualquer lugar”

A ideia é fazer uma viagem “de ônibus”, passando por cada um dos Estados brasileiros e conhecendo-os através de histórias escritas por autoras que neles nasceram/cresceram.

“As autoras tiveram total liberdade para escrever sobre sua cultura, como a vivenciam e a sentem. A intenção do projeto é fugir dos estereótipos criados ao longo dos anos sobre algumas das nossas regiões, dando espaço para que autoras usem sua voz para contar indiretamente suas vivências em suas cidades”

O projeto durará nove meses e, a cada mês, receberemos três contos. Já estamos no terceiro mês e, no segundo, ao invés de três foram quatro os contos recebidos.

Para garantir as suas “passagens” é preciso apoiar ou assinar a campanha disponível no Catarse (por apenas R$15 mensais você já garante uma passagem básica, que dá direito à visita aos três Estados da vez) ou então aguardar a publicação dos contos na Amazon, mas por um preço um pouco maior daquele que os apoiadores no Catarse estão pagando. Como o ônibus já partiu, você pode pegar o bonde (ônibus) andando e, ao mesmo tempo, conferir os Estados que já visitamos, que são os do Sul e do Sudeste. Hoje, portanto, estou aqui para falar sobre o primeiro deles: o Rio Grande do Sul.

Um dos motivos pelos quais sou admiradora da Duplo Sentido é que, além de publicar mulheres, é uma editora que publica histórias de amor (num sentido bem amplo), coisa que eu amo, como você bem deve imaginar. Os contos desse projeto, portanto, são um prato cheio para a minha zona de conforto literária, ainda que Santo Butiá não tenha como foco um relacionamento romântico e sim questões familiares (coisa que, quando bem retratada, também é ótima de se ler).

A protagonista deste conto chama-se Johanna e ela está para começar uma faculdade de Medicina Veterinária, em Santa Maria (sim, a cidade do acidente na boate Kiss). Sendo de Porto Alegre, Johanna precisa decidir onde morar em Santa Maria e acaba aceitando o convite de uma tia que não conhece tão bem, para morar com ela no sítio da família.

A tia — de nome Astrid — é irmã do pai de Johanna, mas ele parece um pouco contrariado pelo fato da filha escolher morar com ela, ao mesmo tempo que acredita que possa ser bom, por ela ser uma pessoa solitária. Quer dizer, isso é o que ele explica a Johanna.

Ao chegar no tal sítio, e conforme vão passando os dias, Johanna se surpreende cada vez mais, tanto com o local quanto com a própria tia. E nós, leitores, somos fisgados pela magia do lugar, mas também pela vontade de, assim como Johanna, entender porque o pai praticamente não falava do tal sítio e de sua dona. Será que esse mistério irá se resolver?

“Me senti amada como nunca, e me perguntei o que eu tinha feito para merecer aquilo, sendo que nunca havíamos conversado direito”

Ah, e você não sabe o que é butiá e não entendeu o título do conto? Sem problemas, eu também não sabia e adorei entender ao longo da leitura. Começamos muito bem a viagem por esse Brasilzão!

Este conto já está disponível na Amazon. E reforço o meu convite para que você entre nesse ônibus e visite conosco os Estados que ainda não visitamos. Eu já li os demais contos do Sul, que em breve resenharei aqui (um por semana, ok?), e logo mais iniciarei a leitura dos contos do Sudeste. Você me acompanha nessa viagem?

Tenho 7 namorados e não gosto de NENHUM — Leblon Carter

Título: Tenho 7 namorados e não gosto de NENHUM
Autor: Leblon Carter
Editora: Publicação independente
Páginas: 59
Ano: 2021

Ok, vou iniciar essa resenha deixando algo bem claro: que história sensacional, minha gente!

Bianca Pessegrini, não contente em ter um namorado, tem sete. Ao mesmo tempo! E não, não venha me dizer que isso parece maravilhoso, porque quem está em um relacionamento de verdade sabe que se entregar para uma pessoa já é muito, imagina para sete! E quem não está em um relacionamento de verdade… Bom, quem dirá em sete, né?

“Todo mundo ganha um pedaço da Bianca Pessegrini; menos a própria Bianca”

Ah, e claro, nenhum namorado sabe da existência do outro, viu? Imagina como é possível gerenciar isso? Imagina o quanto isso custa da sanidade de qualquer um?

“Você sempre tá sem tempo. Correndo contra o mundo e não junto com ele”

Tenho 7 namorados e não gosto de NENHUM é dividido em oito capítulos, sendo um para cada namorado e, por fim, um para Bianca, aquela que deveria ser a protagonista desta história. Será que ela consegue isso?

“Eu nunca conseguiria ser o tipo de pessoa que pede ajuda para alguém que também precisa de ajuda. Isso é extremamente tóxico”

Por meio desta obra, acompanhamos a rotina de Bianca e como cada namorado faz parte de um pedaço dessa vida. No início, é surpreendente. Depois do quarto namorado, porém, vamos nos cansando. Não da narrativa, mas de imaginar que seja possível levar uma vida assim e… continuar viva! Porque o ponto não é apenas que Bianca lida com sete namorados, mas que ela também estuda, faz curso, trabalha.

“Isso meio que fazia eu me sentir exausta com tanta cobrança ao mesmo tempo. Escola! Curso! Trabalho! Provas para as faculdades! Quando foi que a adolescência deixou de ser divertida e se transformou nesses dias tortuosos?”

Por outro lado, pode ser que o cansaço que começamos a sentir ao longo da leitura tenha a ver, também, com o próprio cansaço da protagonista, com a sensação de sufocamento que vai tomando conta dela e a necessidade que ela passa a sentir de livrar-se disso tudo.

“Talvez esse seja o significado de amor: sacrificar uma coisa que você ama por outra que ama ainda mais. É meio confuso, eu acho. Amar é confuso”

Cada namorado, porém, tem o seu jeito e o seu charme. Raul, o do ônibus, é bom de conversar; Pedro, o da escola, a trata como uma princesa; Ângelo, o da moto, é diferente de tudo o que ela poderia imaginar; Marcondes, o do curso, é muito inteligente (ou apenas quer acreditar nisso); Knock, o do trabalho, faz planos para o futuro; Cristian, o do condomínio, tem um charme todo seu; Gustavo, o virtual, compartilha com ela uma realidade diferente da sua.

Por meio desses relacionamentos fragmentados e dessa história que parece surreal — mas que tem uma lógica bem compreensível por trás — Leblon Carter consegue nos fazer refletir sobre algo muito importante: o amor. E mais: o amor próprio.

“Ah! Que lindo o amor. Aquele sentimento puro que nos despedaça para depois reconstruir. Odiamos amar e amamos odiar. Somos preenchidos e esvaziados na mesma proporção”

Se você quiser saber o que acontece com Bianca no meio de tantos amores e tanto vazio, não deixe de clicar aqui. E depois vem, por favor, me contar o que achou!

Vambora — Adriana Calcanhotto

Esses dias estava pensando que não sei quem conhece meus gostos musicais. Digo, há tempos não respondo à pergunta “qual é sua música preferida?”. Há quem saiba, sem dúvidas. Mas também há que não faça a menor ideia, creio eu. Ao mesmo tempo, também esses dias, estava trabalhando — para variar — com música em sala de aula e percebi o quão ingrata essa pergunta é. Difícil escolher a nossa música preferida, não é mesmo?

Eu não sou uma pessoa fissurada por bandas, cantores, pessoas famosas em geral (de qualquer setor, nem mesmo por autores). Admiro muito mais as pessoas que estão ao meu redor do que celebridades. Mas quando se é mais jovem, sempre tem aquelas perguntas do tipo “qual é a sua banda ou seu cantor favorito?” e, naqueles tempos, eu sempre pensava em Adriana Calcanhotto, que conheci como Adriana Partimpim. Hoje eu não sei se ela ainda seria “a minha preferida”, mas não posso negar que seu trabalho continua a mexer muito comigo. Também, pudera! Ela não faz apenas música, mas poesia musicada, e sua bagagem é notável em suas canções.

Mas não estou aqui para ficar exaltando essa artista e sim para falar de uma de suas músicas que, mesmo quando eu não entendia muito bem, adorava e que, um tempo depois, descobri que fazia referências a obras literárias que, somente anos mais tarde, eu viria a saber que existiam e que são tão óbvias nessa música. Mas vamos por partes?

Hoje eu quero falar sobre a música Vambora, lançada em 1998, no CD Marítimo. O título já chama atenção pela sua informalidade, nos trazendo uma palavra que representa um modo de se falar “vamos embora”, mas de um jeito leve, como um gostoso convite, o que combina totalmente com o ritmo dessa música.

A primeira clara menção literária da música está no verso “dentro da noite veloz”, que é o título de um livro de Ferreira Gullar. Esta obra fala da solidão, mas uma solidão diferente da experimentada pelo eu lírico da canção. Na música, sentimos que a cantora fala de amor, de uma separação, talvez, enquanto em Dentro da noite veloz (1975) Gullar fala da solidão política em tempos de ditadura.

E a segunda clara menção literária está em “na cinza das horas”, título do primeiro livro de Manuel Bandeira. A cinza das horas (1917) é uma obra que, a seu modo, também fala de solidão: a solidão de quem se percebe perto da morte, com uma doença de difícil tratamento (felizmente, Manuel Bandeira conseguiu viver mais que o esperado).

É interessante notar, porém, que quem desconhece esses títulos — como eu desconhecia nas primeiras vezes em que ouvi essa música — pode facilmente ser levado a acreditar que são apenas figuras de linguagem, que “noite veloz” e “cinza das horas” sejam metáforas para a solidão sentida. Bem, são, mas também são mais que isso, não é mesmo? Tanto é que ambas são precedidas pelo verso “dentro de um livro”.

Entre por essa porta agora
E diga que me adora
Você tem meia hora
Pra mudar a minha vida
Vem, vambora
Que o que você demora
É o que o tempo leva

Ainda tem o seu perfume pela casa
Ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Dentro da noite veloz

Ainda tem o seu perfume pela casa
Ainda tem você na sala
Porque meu coração dispara
Quando tem o seu cheiro
Dentro de um livro
Na cinza das horas

E para quem quiser ver o clipe, deixo-o aqui embaixo. É interessante ver a melancolia nas cores, nas imagens. A solidão estampada na imagem da cantora solitária, vestida de preto, à meia luz.

Você já conhecia essa música? O que acha(va) dela?

Il verbo esserci

Verbo de novo por aqui? Sim! Afinal, até na Bíblia está escrito “no princípio era o verbo”. Sem eles, o que seria de nós?

Mas ao contrário do que fiz nos últimos posts, em que apresentei a conjugação verbal regular no presente do indicativo e depois falei sobre os verbos reflexivos, hoje quero trazer um único verbo, mas que é bem diferente do que eu já expliquei e, muitas vezes, causa um pouco de confusão: o verbo esserci.

Olhando para ele você talvez se lembre do verbo essere. Realmente, a escrita de ambos é bem parecida. Por outro lado, quando aprendemos o significado, passamos a confundi-lo com o avere. Complexo, né?

A boa notícia é que esse verbo esquisito só é conjugado de duas formas (no presente):

  • C’è (singular)
  • Ci sono (plural)

Daqui a pouco nós vamos entender porque só existem essas formas e porque elas não se referem aos pronomes pessoais (eu, tu, ele/ela, nós, vós, eles), mas a singular e plural. Mas antes, vamos ver duas frases, em português que são bem parecidas, mas que conseguimos entender a diferença de significado:

  • Eu tenho amigos incríveis.
  • Na Itália tem cidades incríveis.

Essas duas frases foram escritas usando o verbo ter, mas eu poderia tê-las escrito da seguinte forma, mantendo o sentido:

  • Eu possuo amigos incríveis.
  • Na Itália existem cidades incríveis.

Agora vamos ver como seriam essas frases em italiano:

  • Ho amici incredibili.
  • In Italia ci sono città incredibili.

Percebe que, na primeira frase, que em português eu usei “ter” ou “possuir”, no italiano eu usei o verbo “avere”, enquanto na segunda frase, que eu português foi construída com “ter” ou “existir”, eu usei o verbo “esserci”?

Este verbo, portanto, serve para indicar “existência” e está relacionado ao objeto da frase, não a um sujeito, Por isso o conjugamos pensando apenas em singular e plural e não em “io”, “tu”, “lei”, lui” etc.

  • C’è ancora tempo (ainda tem tempo)
  • In quello ristorante non c’è mai nessuno (naquele restaurante nunca tem ninguém)
  • A São Paulo c’è un bellissimo museo della lingua portoghese (em São Paulo existe um belíssimo museu da língua portuguesa)
  • Ci sono nuvole nel cielo (tem nuvens no céu)
  • Ci sono regali e regali (existem presentes e presentes)
  • In biblioteca ci sono dei computer destinati agli utenti (na biblioteca existem computadores destinados aos usuários)

Para quem sabe inglês, o esserci talvez seja um pouco mais fácil de entender. Ele corresponde ao there is e there are.

Quer praticar um pouco? Então dessa vez vamos fazer isso com atividades que são quase jogos. Assim você já descobre na hora se acertou ou não. E se ainda ficar alguma dúvida, lemmbre-se que pode entrar em contato comigo!

  1. Primeiro tente completar as frases com esserci ou avere: https://wordwall.net/it/resource/18525389/esserci-o-avere
  2. Agora tente completar com esserci ou essere: https://wordwall.net/it/resource/3421558/olasz/essere-vs-esserci
  3. Por fim, escolha entre essere, esserci ou avere: https://learningapps.org/4000015

O que restou de mim — Abraão Nóbrega

Título: O que restou de mim
Autor: Abraão Nóbrega
Editora: Lettre
Páginas: 221
Ano: 2021

Comecei a escrever essa resenha ao som de Apenas mais uma de amor e acho que é um bom jeito de introduzir esse livro que não é apenas mais um de amor, mas talvez de desamor e tantos outros sentimentos. Uma leitura catártica, que, contudo, eu não indicaria somente para quem está passando por todas as fases de um término recente, mas para qualquer pessoa que goste de ver sentimentos escritos com precisão e profundidade nas páginas de um livro.

“Não posso ter certeza de mais nada porque eu não sei como seria”

Acho que podemos começar a nossa visita a essa obra pelo próprio título e também pela capa. Todos os elementos dessa soma já indicam a intensidade do que virá pela frente. E nada mais justo do que fazer a leitura como a imagem ali estampada: de peito aberto (mas não necessariamente dilacerado). Ah, detalhe: você precisa ver a capa toda aberta para se surpreender ainda mais!

“Choveu em mim como há muito tempo não acontecia”

O que restou de mim é um livro de poemas e prosas poéticas. Ou quase poéticas, como é chamada a própria parte que as reúne.

“Sigo meus dias de chuva olhando para o mar revolto que me circunda”

Por falar em partes, o livro contém cinco delas e seus títulos continuam nos revelando um pouco da força do que encontraremos ao longo da leitura:

  • Parte I – A dor
  • Parte II – A paixão
  • Parte III – A saudade
  • Parte IV – A (des)ordem
  • Parte V – Prosas (quase) poéticas

O ordem escolhida para as partes me agrada, porque em “A paixão” conseguimos tomar um fôlego entre “A dor” e “A saudade” (esta também carregada de dor). Além disso, percebemos como, através de poesias diversas, o autor vai contando uma história. Uma história que pode ser sua, bem como de qualquer um de nós, leitores.

“O amor é como um pássaro que aparece no céu apenas uma vez a cada século. E amar é a liberdade de voar junto”

Aliás, o fato dessa ser uma história que pode pertencer a cada um de nós, torna difícil falar desta obra, porque acredito que cada leitor pode experimentar a leitura de uma forma única e totalmente pessoal.

“Nós nos desencontramos, você seguiu em frente, ignorou minha presença e levou consigo qualquer chama de alegria que tivesse sido acesa no meu coração”

Eu mesma, tive duas experiências: li o livro primeiro como revisora e, depois, como leitora. Mas não foram os papéis diferentes que me fizeram ter duas leituras diversas, e sim o momento que as realizei: da segunda vez, eu entendia muito mais o eu lírico da obra.

“O chão sob meus pés se despedaçou e eu fui arremessada para um abismo sombrio, desesperador e sem fim, que ele construiu pra mim”

Para além da escrita maravilhosa e real, o que surpreende nessa obra é a atualidade dela: é muito bom ver nossos sentimentos escritos como os vivenciamos hoje e não como eles eram sentidos séculos ou mesmo décadas atrás. Até mesmo a pandemia se faz presente ao longo das páginas.

“Eu sinto saudades, ah, como eu sinto! De quando números eram números… e não vidas”

Por falar em saudade, a parte que mais gostei foi a terceira. Acho que ela carrega uma certa dor, um certo amargor, mas na medida certa. Não que nas outras partes não sejam assim, mas talvez seja, justamente, porque sinto saudade numa intensidade muito forte, o que me leva, de novo, a lembrar que essa é uma leitura muito pessoal, muito única para cada leitor.

“Nada me dá a resposta e, novamente, apenas sigo no meu caos particular”

Assim sendo, só me resta indicar essa leitura! Tanto a edição física quanto a digital estão incrivelmente lindas (o que já podemos imaginar pela capa, né?). O ebook você pode comprar na Amazon (e ele também está disponível no Kindle Unlimited) e o livro físico você pode entrar em contato com o autor para adquirir.

Citações #39 — Amor através do tempo

Muito foi dito na resenha da antologia Amor através do tempo, um lindo projeto literário que reuniu quatro autoras para que elas contassem histórias de amor — das mais variadas — em períodos diferentes da história. Mas mesmo tendo dito tanto, foi enorme a quantidade de quotes que tive que deixar de fora e que agora trago aqui.

“Palavras às vezes machucam mais profundamente que qualquer lâmina”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“Suas palavras deveriam ter chegado aos meus ouvidos, mas elas foram direto para o meu coração”

(Amor através da dor – Tay Alvez)

Quando digo que é uma obra que reúne histórias de amor variadas estou me referindo a amores entre homem e mulher, entre mulher e mulher, amores felizes e amores infelizes (para citar o mínimo do mínimo dessa obra).

“Louise era sempre cega ao amor oferecido a ela”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“É normal ter tanto carinho assim por alguém que viveu o mesmo inferno que você, certo?”

(Amor através da Guerra – Beatriz Cortes)

E claro que, com tantos amores e desamores, essa obra nos faz sentir uma infinidade de coisas (nos fazendo, inclusive, chorar um pouquinho, porque ninguém é de ferro, né?).

“Nunca fora tão sincera com ninguém antes. Sentia como se tivesse se jogado de um prédio sem saber se tinha asas para voar”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“A vida nos obriga a conviver com algumas pessoas, a sobreviver sem outras, e seguir a jornada”

(Amor através da Guerra – Beatriz Cortes)

“Então, quando você disse aquilo, eu quis morrer, porque não era possível que você tivesse mudado tanto. Tivesse se perdido tanto. Mas, você tinha”

(Amor através da dor – Tay Alvez)

Fazer essa viagem no tempo acompanhada de tantos sentimentos também é algo que enriquece muito a obra. Poder perceber tensões diferentes a cada guinada temporal é muito interessante.

“Ela cresceu ouvindo que seria apenas uma coisa, mas as mulheres deveriam poder ser quem quiserem ser sem ser julgadas por isso”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“A bomba nos deixou bem mais do que cicatrizes”

(Amor através da Guerra – Beatriz Cortes)

“Alguns discursos que fazemos na vida são lindos, mas não passam de discursos”

(Amor através da dor – Tay Alvez)

E não ache que acabou! O tanto que essas histórias nos fazem refletir é até difícil de explicar.

“Mas ela aprendeu cedo que estar cercado de pessoas não te faz menos solitário”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“Mas saiba que, se a guerra chegar até você mesmo sem sua permissão, você pode sobreviver a ela”

(Amor através da Guerra – Beatriz Cortes)

“O amor é formado por detalhes e é preciso ter coragem para amar, mas vi você se tornando um covarde e as coisas que formavam nosso amor, morrendo”

(Amor através da dor – Tay Alvez)

Cada história, a seu modo, nos transmite um pouco de força, de esperança e até de crença na humanidade.

“Às vezes, as pessoas não estão destinadas a passar a eternidade juntas. Às vezes, vidas se cruzam como estrelas cadentes em um vasto universo, juntas por um instante efêmero para criar beleza. Certas pessoas aparecem em sua vida não para ficar, mas para te transformar, para te levar onde você precisa ir”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

Já fiz minha recomendação para que você leia essa obra, na resenha, e reforço aqui o convite. Mas prepare-se para sentir muito, viu? O ebook está disponível na Amazon.

“Por que doamos tanto de nós mesmos para quem não nos dá nada em troca?”

(Amor através da liberdade — Camila Dornas)

“Musica leggerissima” o significado da música de Colapesce e Di Martino [tradução 17]

Se tem uma coisa que eu adoro é poder usar música nas minhas aulas. E faço isso não apenas pelo fato de que eu sempre gostei de música, mas também porque é bem comum os próprios alunos pedirem indicações. Então, ao invés de simplesmente jogar um monte de informação de uma vez, vou compartilhando as poucos as músicas que conheço ou vou conhecendo.

Tento sempre buscar músicas que tenham a ver com o assunto da aula em questão ou então que usem muito alguma construção que será trabalhada, o que pode ajudá-los a entender e praticar tal construção. Mas, para não correr o risco de transformar as músicas em um mero instrumento gramatical, também gosto de entender o texto de cada uma, pesquisando seus possíveis significados. É impressionante o quanto já me surpreendi com músicas que diziam muito mais do que parecia em um primeiro momento.

Foi em meio a essas pesquisas que encontrei o texto que traduzirei aqui. Estava procurando sobre Musica leggerissima, uma das participantes do Festival de Sanremo de 2021. Esse é o mais importante festival de música italiana e esta é uma daquelas canções que ficam na nossa cabeça por alguns dias e que dá muita vontade de sair dançando, o que faz jus ao nome da canção.

Para além disso, porém, eu já adorava o fato de que é uma música sobre música e que usa termos do léxico musical — não apenas o leggerissima, que seria um tipo de música e que aqui traduzirei como música pop, mas também termos como crescendo, que pode ser encontrado em partituras, além de nomes de instrumentos musicais e situações nas quais costumamos ouvir música.

Foi só pesquisando um pouco, porém, que percebi que havia muito mais naquelas palavras. E acho que o artigo que traduzirei abaixo, escrito por Eleonora Damiani e publicado em 15 de março de 2021, neste site, já nos dá uma dimensão de como há profundidade em Musica leggerissima.


Italo Calvino dizia que “leveza não é superficialidade, mas planar acima das coisas, não ter pedras no coração”. Encontramos esse mesmo sentido de leveza no texto de Sanremo 2021 de Lorenzo Urcillo, conhecido como Colapesce, e de Antonio Di Martino.

É muito fácil cair na armadilha de etiquetar alguém como “superficial”, não vendo o quanto a pessoa que temos diante de nós está cheia de precisar permanecer na superfície das coisas para sobreviver. De fato, nem todos nós somo dotados de uma máscara e um cilindro de oxigênio que nos permitem descer às profundezas e quando o mar interior se mostra escuro, agitado e cheio de elementos que parecem assustadores, podemos apenas sentir a necessidade de permanecer na superfície. O mesmo vale para quando começa a acabar o fornecimento do cilindro e a pessoa sente a necessidade de subir novamente.

“Cantam-na os soldados, os filhos alcoolizados, os padres progressistas”

Seja o soldado em meio à guerra, seja o filho que depende do álcool, seja o padre que precisa combater pelos direitos humanos em uma Igreja ancorada no julgamento, têm-se em comum um elemento: todos se encontram lutando, seja em casa, seja no trabalho ou no fronte, pelos direitos humanos próprios e dos outros e justamente as lutas mais difíceis são cheias de sangue e lama.

TODOS NÓS TEMOS A NECESSIDADE DE VOLTAR PARA A SUPERFÍCIE

O ser humano não é feito para ficar muito tempo submerso na dor profunda. A mente precisa, de vez em quando, voltar à superfície, tomar um ar e isolar-se em suas zonas confortáveis. O termo “autista”, nos dias de hoje, nos faz imediatamente pensar no Distúrbio do Espectro Autista, mas cada um de nós tem uma zona de conforto, uma pequena zona autista salvadora, na qual podemos encontrar um pouco de espaço para fugir da dor quando ela se torna sufocante. Essa é a mensagem que parece nos transmitir Musica leggerissima: o ser humano precisa flutuar ou surfar sobre uma vivência interna emotiva que poderia nos levar para baixo como os pesos nas laterais de um mergulhador.

O buraco negro é algo que absorve, um lugar indefinido onde podemos nos perder para sempre, mas somente se o vemos assim. Na verdade, por mais que nos assustemos, os nossos lados mais profundos não são buracos negros, mas podem ser percebidos assim porque são intocáveis. As nossas partes escondidas, que fazem parte de nós, são mais parecidas a um abismo e do abismo pode-se voltar, munindo-se das ferramentas necessárias.

COLOQUE UM POUCO DE MÚSICA POP…

Coloque um pouco de música pop porque não estou com vontade de nada, ou melhor, muito pop, palavras sem mistério, alegre mas não muito é o pedido de que está sobrecarregado de vivências interiores pesadas e precisa enlevezar-se, não conseguindo entrar ou permanecer na profundidade.

Nós escavamos o buraco negro quando permitimos que pensamentos depreciativos tomem conta de nós, como repense sua vida, as coisas que você deixou cair no espaço da sua indiferença selvagem. Conseguimos transformar dentro de nós os irreparáveis buracos negros em abismos exploráveis a ponto de poder escutar e aceitar aquela nossa parte que, de tempos em tempos, precisa de música pop?