Eu quero mais — Tayana Alvez

Título: Eu quero mais
Autora: Tayana Alvez
Editora: Publicação independente
Páginas: 359
Ano: 2019

Você já se apaixonou por um livro da primeira à última página? Mas não estou falando somente das páginas da história em si, mas também aos extras, como o prefácio ou uma nota da autora? Isso provavelmente já aconteceu algumas vezes comigo, mas dessa vez foi bem intenso.

Eu já estava com vontade de ler Eu quero mais por ter visto diversos comentários positivos sobre ele, inclusive da Camila, do A bookaholic girl. Mas depois de ler o prefácio da obra, também escrito por uma leitora, minhas expectativas foram parar nas alturas. E isso poderia ser bem ruim, porque quanto mais alta a expectativa, maior o nosso tombo. Porém, para minha sorte, não foi o que aconteceu!

“Mas naquele momento, percebi que a verdade era que eu enfrentaria tudo aquilo. A única coisa que não conseguiria enfrentar seria ele amando outra pessoa…”

Logo de cara é preciso dizer que o que diferencia essa obra dos inúmeros romances que eu tanto amo é que a protagonista é negra. Sim, infelizmente. Não, não infelizmente que a protagonista seja negra, mas que esse seja o diferencial. Infelizmente que, em pleno 2020, seja necessário falar para o mundo sobre esse livro para que, quem sabe, as pessoas comecem a refletir sobre algumas coisas.

“Eu não podia ser a morena de ninguém, porque eu não sou morena”

Podemos dizer que em Eu quero mais, temos três personagens centrais: Elizabeth, essa mulher negra que luta contra o preconceito em suas mais diversas formas e que passa uma imagem de mulher forte e destemida, mas que guarda no coração uma história muito complicada; Joaquim — ou Joca — melhor amigo de infância de Elizabeth e também seu primeiro amor e primeiro “namorado”; e Breno, o cara que está ali para nos lembrar que as aparências enganam sim.

“Eu não queria que a gente fosse essa bagunça tão grande”

Não bastasse a vida de Elizabeth ser difícil por si só, ela e Joca têm de viver uma relação extremamente complexa. Ambos se conhecem desde a infância, pois Joca era melhor amigo de Paulo, irmão de Elizabeth. Aos pouco, a dupla inseparável se torna um trio, mas a amizade entre Joca e Elizabeth também se torna algo mais. E a proximidade entre eles acaba por afastar Paulo.

“Você também já engoliu alguns sapos e ninguém pode viver a vida inteira assim”

Esse afastamento precisa ser mencionado pois ele traz muitas consequências para a história. Não se trata de um simples distanciamento entre irmãos ou amigos de infância, mas algo que vai mexer com o futuro de nossos protagonistas e, principalmente, com a autoconfiança de Elizabeth.

“E você só não se vê como eu te vejo porque acredita mais no espelho do que no seu coração”

As relações familiares de Elizabeth, aliás, são construídas de maneira bem interessante nessa obra. Tendo crescido em Campos, uma cidade do Rio de Janeiro que, pela descrição, me pareceu relativamente pacata, Elizabeth teve uma infância feliz (apesar de ter poucos amigos na escola, justamente por ser negra) ao lado de seus pais e seu irmão. Quando esse dois últimos se afastam, porém, Elizabeth também acaba se afastando um pouco da mãe, pois — palavras da protagonista — ela optara por tomar partido do filho. A sua ligação com o pai, contudo, é admirável e rende lindos diálogos ao longo do livro.

“Não aguento mais ver você se submeter aos tombos da vida como se eles tivessem sido feitos para você não levantar”

Depois que Joca se muda para o sul do país, não há mais nada que prenda Elizabeth a Campos. E sim, ela é aquele tipo de protagonista livre, que quer viver a sua história de maneira plena. E é assim que ela se muda para São Paulo, onde conhece Breno.

“Ele era um cara legal, mas não me conhecia, não sabia nada sobre mim na verdade”

Breno era um mineiro, com um jeitinho nerd e poucos amigos na faculdade. Elizabeth tromba com ele em seu primeiro dia e eles logo viram amigos. E apesar de todo o amor que ela sente por Joaquim, ela também acaba se apaixonando por Breno. E é aí que o problema começa…

“Breno conhecia quem eu era por causa da vida, mas não sabia como a vida tinha me moldado até aquele momento”

Eu quero mais, porém, é uma história construída de maneira a nos deixar — até determinados momento, claro — um pouco em dúvida sobre qual lado “torcer”. Enquanto a relação entre Elizabeth e Breno — apesar do pesares — ter um certo ar de calmaria, de estabilidade, a relação entre ela e Joaquim parece fervilhante, intensa.

“Afinal, a história não é sobre com quem a garota fica no final, mas sobre o que faz a garota feliz”

Eu simplesmente não conseguia largar esse livro. Cada personagem que aparece ao longo da trama não está ali por acaso. Até mesmo Aline, a garota que divide o apartamento de São Paulo com Elizabeth e que, de início, mal dá as caras, vai, aos poucos, se revelando. E eu poderia passar horas e horas escrevendo sobre cada um dos outros personagens, mas essa resenha talvez já esteja longa demais…

Se eu fosse você, não deixaria de ler esse livro. Uma obra nacional imensamente rica, com menções inclusive à nossa História e que aborda temas que ainda precisamos discutir muito. E não estou falando apenas de racismo, mas também de relacionamentos abusivos, gaslight e saúde mental.

“Às vezes o peso me desequilibra”

Já se convenceu que está na hora de ler “Eu quero mais”? Então clica aqui.

Desmistificando o mestrado [10] — Enfrentando a página em branco

Já estamos no décimo post da minha série sobre o mestrado, então está mais do que na hora de falar sobre um assunto que dá medo na maioria das pessoas. Dá tanto medo, aliás, que alguns preferem pagar para que outros cumpram essa tarefa (e gente, isso é errado, ok?). É chegado o momento de sentar e escrever a sua pesquisa!

Depois de ler uma infinidade de textos relacionados ao tema escolhido e depois de separar e organizar os dados, tendo sempre a cabeça fervilhando de ideias, escrever não parece uma tarefa difícil. Até que você abre uma página em branco e… Bem, ela fica ali, gritando para ser preenchida, mas nenhuma ideia vem. Ou vem, mas depois você lê de novo, acha que está péssimo e apaga tudo.

PRIMEIRO GRANDE ERRO: APAGAR TUDO.

Você leu o que escreveu e achou tudo uma grande porcaria? Levanta, vai dar uma volta, respira. Mas nunca, em hipótese alguma, apague tudo. Principalmente se você ainda estiver no início do seu trabalho. Tente pensar no que vem depois, escreva frases soltas, reformule.

Ao longo da construção de minha dissertação foram muitas idas e vindas. O capítulo que deveria ser o segundo, acabou virando o quarto e o terceiro virou o segundo. Era como montar um quebra-cabeça, mas que, no final das contas, deu certo. Claro que, nessas mudanças, algumas coisas tiveram de ser reformuladas, tiradas, acrescentadas. Mas se, logo de cara, eu tivesse simplesmente apagado tudo, meu trabalho teria sido dobrado.

SEGUNDO GRANDE ERRO: querer escrever algo perfeito logo de cara.

Se você ficar com a preocupação de escrever parágrafos perfeitos e inalteráveis de primeira, é muito provável que logo encontrará uma barreira que te impedirá de seguir adiante. Nada sai perfeito de primeira. Aliás, se vocês me permitem ser bem sincera, dificilmente seu trabalho ficará realmente perfeito. E a busca pela perfeição só vai te travar.

Além disso, nem sempre escrever “em ordem”, isto é, seguindo a sequência final, é o mais lógico a ser feito. Para algumas pessoas, por exemplo, começar a escrever pela conclusão, para então decidir como chegar a ela é mais fácil do que o contrário. Então entenda que, se uma parte não estiver fluindo, você pode partir para a outra, até encontrar algo que funcione.

Mas se você sequer sabe por onde começar e a página em branco está ali, te atormentando, então a minha dica é: lembra tudo o que você já leu? Lembra todos os trechos que você já havia separado, pensando que poderiam ser úteis? Escolha um, preencha a página em branco com ele e, a partir disso, tente se lembrar o que há de interessante ali, que ideia havia surgido anteriormente e vá construindo o antes e o depois da citação.

Provavelmente te ajudará muito sentar e escrever um pouquinho todos os dias. Isso faz com que você não se canse de passar horas e horas escrevendo, além de te manter sempre em contato com a sua pesquisa e, consequentemente, pensando nela.

Caso você trabalhe oito horas por semana, de segunda a sexta e esteja pensando que nada a ver isso aí de escrever um pouquinho todo dia, afinal chegamos esgotados em casa, e que o melhor é escrever aos finais de semana: ledo engano!

Se você chega esgotado todos os dias, aos finais de semana vai querer descansar. E se não quiser descansar, provavelmente terá algum compromisso com conhecidos ou até consigo mesmo, com sua própria casa. E aí, mais uma vez, sua pesquisa será deixada de lado.

Quando eu falo em escrever um pouco todos os dias, eu realmente estou falando sobre escrever um pouco. Relaxe do seu dia estressante, se desconecte do mundo e separe 30 ou 60 minutos para focar totalmente na pesquisa. E saiba comemorar qualquer avanço que você tenha nesse intervalo de tempo, por menor que ele seja. No final das contas, você precisa ser seu maior motivador.

Mas a dica de ouro é: sente e escreva. Parece bobo? Talvez! Mas só quem já passou horas e horas encarando uma folha em branco sabe que, a melhor maneira de enfrentá-la é escrevendo algo. Uma palavra solta ou uma frase que seja. Assim, a página em branco deixará de ser um monstro e se tornará a sua página. E o melhor é fazer isso em um momento de total concentração, então realmente separe uma hora do seu dia para se dedicar somente a isso.

Para concluir, gostaria apenas de deixar uma dica prática (ao menos para mim foi algo bem útil, principalmente pelo que contei acima, de ter mudado a ordem dos capítulos): procure escrever cada capítulo de sua dissertação em um arquivo diferente e somente quando tudo estiver concluído monte o arquivo final. Isso vai te ajudar a visualizar melhor o que pertence a cada parte do trabalho, assim como facilitará caso você decida que a linearidade escolhida não está funcionando e que é melhor modificar um pouco a ordem das coisas (que foi o que fiz).

E então, vamos colocar a mão na massa?

A riqueza de um clássico — Diário de leitura (6)

Depois das narrativas de Simbá, o marinheiro, que pareciam nunca acabar, cheguei em A história de Nunredin Ali e de Bedredin Hassan, que se estendeu da 93º noite até a 122º. Essa sim me cativou: mesmo sendo uma história relativamente extensa, eu sempre queria saber o que viria a seguir, visto que ela é cheia de encontros e desencontros.

Tudo começa com dois irmãos que cresceram muito unidos, mas que, em dado momento, brigaram. E, com essa briga, um deles decide partir e é aí que as coisas vão ficando mais e mais interessantes, até chegarmos ao surpreendente desfecho.

Por conta dessa narrativa, acabei pensando um pouco na diferença temporal que existe entre o momento que As mil e uma noites foram escritas e o momento em que as leio. As tecnologias que conhecemos hoje, e mesmo algumas mais rudimentares de anos atrás, teriam evitado muitos dos desencontros que vemos nesta história. Bem, na verdade ela provavelmente sequer existiria.

Por outro lado, há cenas que beiram ao absurdo nesta narrativa, como a manipulação que fazem com Bedredin Hassan para que ele acredite que tudo o que vivera não passara de um sonho. Parece absurdo não por ser impossível, mas porque todos parecem se divertir às custas desse episódio, inclusive Shahriar, o sultão que, noite após noite, escuta Sherazade.

“Shahriar não pôde deixar de rir por ter Bedredin Hassan tomado a realidade por simples sonho”

No meio dessa história, chegamos à 100º noite. E, na edição que tenho em mãos, há uma nota do tradutor:

“A 101º e a 102º noites, no original, passaram-se na descrição de sete vestidos e de sete adornos diferentes trocados pela filha do vizir Chemsedin Mohammed, ao som dos instrumentos. Como tal descrição não me pareceu agradável, e como também vem acompanhada de versos belíssimos em árabe, mas que nós não poderíamos apreciar, julguei conveniente não traduzi-las”

Uma nota como essa me faz lembrar a riqueza que essa obra possui. E como aqui no Brasil, até o momento, temos acesso a apenas uma parcela dela. E, ainda assim, olha o quanto de coisa é possível extrair dessas páginas. Não cheguei sequer à metade do primeiro livro (a edição que eu tenho é dividida em dois volumes), mas já fiz diversas reflexões diante do que li, além de ter conhecido muitas histórias cheias de detalhes.

Terminada A história de Nunredin Ali e de Bedredin Hassan, Sherazade se arrisca: o dia já estava amanhecendo e ela não teria tempo de dar início a uma nova narrativa, mas fala o seguinte para Shahriar:

“— Mas, senhor — acrescentou Sherazade, notando que o dia estava a despontar —, por mais agradável que seja a história que acabei de vos contar, sei outra que é muito mais. Se desejardes ouvi-la amanhã de noite, estou certo de que vos agradará”

Se funcionou? Bem, acredito que vocês já saibam a resposta, mas o resto eu deixo para contar somente na próxima semana…

O alquimista prodígio e a espada de cobre — Leblon Carter

Título: O alquimista prodígio e a espada de cobre — Saga Alla
Autor: Leblon Carter
Editora: Djinn
Páginas: 265
Ano: 2019

Se tem uma coisa que me deixa doida (e que eu provavelmente já comentei por aqui) é ouvir dizer que não existem boas fantasias escritas no Brasil. Será que não existe mesmo ou nós é que não conhecemos o que tem sido produzido por aqui?

“A vida é engraçada… sempre no dá a oportunidade certa na hora certa”

Talvez uma das nossas grandes referências atuais do gênero fantasia seja Harry Potter (apesar das inúmeros polêmicas que J. K. Rowling vem se envolvendo), mas vocês já leram O alquimista prodígio e a espada de cobre?

Nesta história conhecemos Aúcia, uma influente cidade. Nela vivem Alla e Elissa, duas jovem que sonham em estudar na Foulst, a mais importante escola de alquimia para jovens. Mas os pais de ambas não são muito favoráveis a essa escolha e elas passam suas últimas férias tentando convencê-los de que é aquilo que desejam.

Nesse meio tempo, vamos conhecendo um pouco mais de Aúcia, mas também conhecemos, de um outro lado da história, alguns jovens que parecem estar numa missão, em busca de objetos que aparentam grande valia. A líder desse grupo é Luana Lavoisier.

Se está te parecendo que a história irá girar ao redor de bem (Alla) e mal (Luana), sinto informar que você está tirando conclusões precipitadas. A verdade é que a única coisa que fica clara ao longo das páginas é que é muito difícil delimitar até onde o bem e o mal realmente vão.

“— São vidros espelho. Cada pedacinho mostra uma imagem diferente de você… o que há de mais profundo na sua alma. Várias personalidades, maneiras, faces suas, e cada uma delas é revelada pelos espelhos. Quando eles se juntam você vê quem realmente é. O pedaço inteiro de si mesma. Todas as suas camadas escondidas são reveladas”

Podemos, assim, dividir a trama em dois grandes núcleos, que vão se alternando, com uma certa predominância da narrativa focada em Alla. Aqui, portanto, acompanhamos a jovem em seu primeiro ano na Foulst, ao lado de Elissa e do mais novo amigo delas: Ernest.

Como todo primeiro ano em uma instituição, os jovens têm de enfrentar poucas e boas. E aqui é importante ressaltar algo: Alla não é uma aluna popular. Muito pelo contrário, aliás, em diversos momentos é possível captar certo bullying dirigido a ela. Mas é muito interessante perceber que, para além de toda a rivalidade que jovens costumam alimentar entre si, são muitas as situações em que os alunos precisam se juntar de verdade para superar um obstáculo.

Esse núcleo da história, portanto, é recheado de ação (na medida certa — e isso, para mim, é uma qualidade essencial. Ação em excesso pode tornar a leitura cansativa demais, por mais paradoxal que isso pareça), lições e claro, uma pitada de romance e rivalidade adolescente.

O segundo núcleo, por sua vez, é o que foca na missão de Luana. Devido ao seu passado, Luana precisa manter-se escondida, então ela comanda as ações de seu grupo, que tem de se dividir em busca dos objetos necessários para construir uma pedra filosofal. Por meio dessa parte da história, podemos conhecer um pouco mais do passado de Aúcia e também de alguns personagens relativamente centrais à história.

Assim, O alquimista prodígio e a espada de cobre é um livro que vem para animar o coração dos leitores ávidos por uma boa fantasia, mas que, ao mesmo tempo, nos deixa com um gostinho de “quero mais” e a certeza de que queremos continuar a leitura dessa série.

Ficou com vontade de conhecer Aúcia e todos os seus mistérios e encantos? Então clica aqui.

Como aprender novas línguas

Talvez vocês não saibam, mas desde 2015 dou aulas de italiano. Comecei com um grupo, depois entrei também no mundo das aulas particulares; já dei cursos curtos e de longa duração. E se existe uma certeza é a de que dar aulas é muito bom! Mas, como professora, eu prezo pela autonomia dos meus alunos.

Além de dar aulas de italiano eu também adoro aprender outras línguas. Já estudei inglês, um pouco de francês e agora estou aprendendo libras (quem segue o Blog lá no instagram talvez tenha visto o que postei um dia, no stories, e pretendo fazer posts especiais sobre isso por lá).

Da junção do meu gosto por aprender línguas e da minha vontade de dar autonomia aos meus alunos, busco sempre ferramentas que possam nos auxiliar nessa tarefa. Se você já tem o hábito de aprender um pouco de línguas por conta própria, talvez aqui não surjam grandes novas ideias, mas não me custa nada mostrar o que eu uso e recomendo!

  • Aplicativos

Não poderia deixar de começar essa lista falando sobre aplicativos para aprender línguas. Eles são fáceis de encontrar nas lojas de nossos celulares e são atrativos por serem dinâmicos e exigirem uma participação ativa do usuário. Mas, por vezes, pode ser difícil encontrar um que realmente satisfaça as nossas necessidades. Por isso, vou falar rapidinho aqui sobre três que já usei (com a ressalva de que usei há alguns anos e sabendo que eles mudaram muito de lá para cá):

Duolingo: como todo mundo que já usou ele alguma na vez na vida fala, ele é bom para aprender vocabulário. E é basicamente isso. Porque mesmo as frases que aparecem nele, dificilmente usaríamos no cotidiano. O que eu gostava era que, para o italiano, eu tinha que “aprender” a partir do inglês (o aplicativo trabalha basicamente com tradução de uma língua para a outra), então eu já praticava as duas línguas.

Mensrise: esse eu usei brevemente, porque achava ele um pouco confuso. Mas era melhor que o duolingo, ensinando construções frasais úteis e um pouco de gramática.

Busuu: o meu queridinho entre os três. Cheguei até a pagar para usá-lo (não era um valor absurdo). Nele eu podia aprender vocabulário e gramática, além de fazer exercícios escritos (resposta livre) e orais, que eram corrigidos por falantes daquela língua. E eu também poderia corrigir os exercícios de quem estava aprendendo português, por exemplo.

  • Sites

As indicações de sites para aprender línguas variam de idioma para idioma, mas tem um que vale para muitos deles e que eu amo: Lyrics Training. Qual é a ideia do site? Você escolhe uma música na língua que está estudando, escolhe a dificuldade que quer para o jogo e, conforme vai ouvindo a música, tem de ir completando algumas palavras. É ótimo para treinar o ouvido, mas também um pouco da escrita.

Na categoria sites, indico ainda que você procure dicionários online da língua em questão. Mas não apenas os dicionários comuns, como também os de sinônimos e contrários, para enriquecer o vocabulário.

  • Outras dicas

O que mais eu faço para aprender uma nova língua? Coloco meu celular e redes sociais naquele idioma, procuro vídeos no youtube (e você pode, por exemplo, escolher um assunto que goste e procurar vídeos sobre isso), sigo páginas no instagram que ensinem aquele idioma ou que são de pessoas que falem aquele idioma ou ainda de jornais locais. Também, quando já me sinto um pouco mais segura, me arrisco a ler livros (pequenos, de início) na língua em questão, já que ler é uma das coisas que mais gosto de fazer.

Com relação a livros, porém, fica a ressalva de que é importante prestar atenção a quando o livro foi escrito, para não nos depararmos com uma escrita antiga e ainda mais difícil de compreender, o que só nos frustaria.

Escrever também é uma ótima forma de memorizar o que você está aprendendo, além do clássico falar na frente do espelho para praticar a pronúncia. Experimente se gravar falando, para poder analisar e melhorar a própria pronúncia.

Para quem se interessa pela gramática da língua estudada, também vale a pena procurar por exercícios online, isto é, sites que te dão um feedback automático, assim você pode ter ideia de como está realmente se saindo.

Na minha opinião, porém, nada disso substituiu um bom curso de línguas, seja com aulas particulares ou em grupos. Isso porque quando nos propomos a seguir um curso, temos um professor que nos cobra com relação ao nossos avanços e temos ao menos mais uma pessoa com quem nos comunicar verdadeiramente. Estudar autonomamente exige uma disciplina que muitos de nós não tem.

E você, o que acha sobre isso? Gosta de estudar novas línguas? Como faz para aprendê-las?

A repetição em “As mil e uma noites” — Diário de leitura (5)

Voltando às minhas leituras de As mil e uma noites, na 69º noite, Sherazade dá início às narrativas de Simbá, e elas se estendem até a 90º noite. As histórias deste ciclo são:

  • A história de Simbá, o marinheiro
  • A primeira viagem de Simbá, o marinheiro
  • A segunda viagem de Simbá, o marinheiro
  • A terceira viagem de Simbá, o marinheiro
  • A quarta viagem de Simbá, o marinheiro
  • A quinta viagem de Simbá, o marinheiro
  • A sexta viagem de Simbá, o marinheiro
  • A sétima e última viagem de Simbá, o marinheiro

Confesso que quando cheguei na quinta viagem de Simbá eu já estava “ah, não, de novo não!”. Não que as histórias sejam tão repetitivas quanto os títulos que acabo de apresentar, mas há um “quê” semelhante entre uma e outra: são narrativas cheias de surrealismo.

Simbá, em cada uma de suas viagens, se depara, em algum momento, com uma quase morte (sim, a morte novamente presente aqui) e, de alguma forma, se sai bem de todas as situações, conseguindo, inclusive, inúmeras riquezas a cada retorno bem sucedido.

E a cada retorno, Simbá diz que não irá mais se aventurar pelos mares, que irá desfrutar de suas riquezas em segurança, com a família. Mas sempre surge uma nova aventura que ele não consegue recusar e assim se vão as sete viagens narradas por ele.

Todos esses acontecimentos me fizeram pensar sobre a presença do maravilhoso em As mil e uma noites. “Maravilhoso” e “fantástico”, dois gêneros literários que se confundem, o que me lembra que eu também estava com vontade de trazer para vocês posts sobre isso, né? Ainda não desisti, mas percebi que preciso estudar e revisar muitas coisas antes. E quem sabe essa leitura de As mil e uma noites não me ajude também!

Outra coisa que não posso deixar de mencionar é que, na 70º noite, há uma nota: dali em diante não haverá mais, constantemente, as palavras da irmã de Sherazade, pedindo que ela continue a história do dia anterior. Segundo a nota que explica isso, Antoine Galland suprimiu essas passagens de sua tradução pois elas haviam “chocado” o público da época. “Chocado” é o termo que o próprio tradutor utiliza em sua nota, mas creio que seja mais uma questão de incômodo, como eu fiquei incomodada com a “repetição” nas histórias de Simbá.

Efetivamente, a partir desse trecho, a passagem de uma noite a outra é muito mais direta, sem grandes falas ou explicações, entrando quase que diretamente na continuação das narrativas de Sherazade.

Depois das 8 histórias de Simbá, temos “As três maçãs” (contada entre as noites 90 e 92) e “A história da jovem trucidada e do seu jovem marido” (contada entre as noites 92 e 93), duas narrativas interligadas e que levam a outra, de grande extensão, que comentarei somente no próximo post, pois ainda estou lendo.

Um amor para chamar de meu — versão física!

Você, leitor que me acompanha por aqui, lembra que este ano participei da organização de uma antologia de romance? Tenho novidades sobre ela, então se liga aqui! Mas antes, deixa só eu falar com quem acabou de chegar por aqui!

Você, leitor que ainda não me conhece, confira a minha resenha, meu post sobre o que aprendi organizando uma antologia e saiba mais também sobre o meu conto A língua do amor e depois volte aqui.

Agora que estamos todos no mesmo barco, continuemos: essa antologia de capa incrível, vai ganhar sua versão física! Mas, para isso, precisamos conseguir vender ao menos 50 exemplares na pré-venda. Parece muito? Minha gente, isso vai é esgotar. Então não deixe de adquirir o seu logo, viu?

Como funciona essa tal pré-venda?

É muito simples: ela estará aberta de hoje (01/07/2020) até o dia 31/07/2020, no site da Editora Lettre. Basta clicar aqui, selecionar a antologia “Um amor para chamar de meu”, adicionar ao carrinho e ir para o procedimento de finalização da compra. Indicamos que a melhor opção é a do próprio site (Wix) — e já vou explicar porque — ou, se preferir, você pode solicitar um boleto comigo (é só deixar um comentário aqui ou entrar em contato pela aba de contato do blog ou, se você já tem meu contato, me chamando direto).

Só isso?

Não não! Tenho uma surpresa para vocês, meus queridos leitores! Antes de finalizar a compra, adicionem no campo de cupom de desconto o seguinte cupom: TATIFRETEGRATIS para ter direito ao querido frete grátis (válido somente para endereços no Brasil). Quem solicitar boleto também terá direito ao frete grátis.

E que garantias vocês tem?

Independentemente da forma de pagamento que vocês escolherem, caso a pré-venda não seja bem sucedida (bate na madeira!) haverá estorno do valor aos compradores. Porém, para aqueles que optarem por pagar através do pag seguro ou mercado pago, há o desconto de administração dessas redes e, portanto, o valor estornado é um pouco abaixo do valor total pago. No caso de compras feito pela própria Wix ou por boleto, será devolvido o valor integral.

E então, o que está esperando para ir lá comprar o seu exemplar?

Resumão — Junho de 2020

Eita mês difícil, sô! Por aqui, ao invés de pular fogueira nesse estranho mês de junho, quase pulei algumas postagens, mas respirei fundo, sentei e escrevi. Sigo em isolamento social, mas aproveitei o atípico calor junino que fez durante boa parte dos dias.

As resenhas do mês foram:

Mas, além das resenhas, esse mês dei início a uma nova seção literária por aqui: o diário de leitura. E após o post introdutivo, escrevi contar histórias salva vidas?, a curiosidade matou o gato? e quantas coisas podemos aprender?. Pois é, percebam que esse livro está me deixando em parafuso!

Para não perder o costume, também fiz um post sobre dados da pesquisa (para a seção em que eu explico um pouco como funciona um mestrado), trouxe citações de A casa de vidro, publiquei uma tradução — infelizmente, sobre a morte do escritor Carlos Ruiz Zafón — e falei um pouquinho sobre a música Notícias do Brasil (Milton Nascimento).

Minhas leituras foram basicamente os livros que resenhei ao longo do mês, além, claro de “As mil e uma noites” (leitura ainda em curso). E, no momento, estou lendo também “O alquimista prodígio”, do autor nacional Leblon Carter.

Notícias do Brasil — Milton Nascimento

É de conhecimento de poucos — principalmente porque eu me recuso a cantar sozinha em qualquer circunstância — que durante anos fiz aulas de coral. E esse é apenas mais um dos motivos pelos quais conheço tantas músicas brasileiras.

Entrei em contato, desde cedo, com muita coisa boa. E claro que algumas músicas me marcaram mais que outras. Notícias do Brasil é uma delas. Uma canção animada, mas que me faz refletir, me faz querer dizer “sim, é isso!”.

Trata-se de uma canção composta por Milton Nascimento e Fernand Brant (grande dupla!) lançada em 1981, sendo parte integrante do álbum Caçador de Mim (nome de outra música muito bonita, aliás).

E o que torna essa música tão especial? Bem, basicamente tudo. A começar que, na primeira estrofe, fazemos praticamente uma viagem pelo Brasil, saindo do norte e do nordeste e chegando ao sul do país. Percorremos esse caminho como percorre uma notícia.

Mas tal notícia chega como um grito, como uma voz que quer se fazer ouvida: a voz do povo. Do povo que merece (e exige) respeito, e que, um dia, será unido. Triste pensar que se trata de uma música de 1981 e ainda não atingimos tal união… E muito menos comprovamos sermos mais “sábios que quem quer nos governar”.

Mas, na música, há outra novidade anunciada aos quatro cantos: a grandeza e a riqueza do Brasil. Um país que é muito mais que as prais lindas que tem e com gente boa vivendo em todo o seu território. É isso que a última estrofe nos apresenta e ela é tão bela e verdadeira que é inclusive repetida na canção.

Mas Notícias do Brasil não é incrível apenas por sua excelente letra, mas também pela própria musicalidade da canção. Um ritmo bem brasileiro, mas que não tira a seriedade e sobriedade do anúncio que se propõe a fazer.

Você já conhecia essa música? Deixo a letra abaixo e também um clip com ela. Espero que aproveite e não deixe de me contar o que achou!

Uma notícia está chegando lá do Maranhão
Não deu no rádio, no jornal ou na televisão
Veio no vento que soprava lá no litoral
De Fortaleza, de Recife e de Natal
A boa nova foi ouvida em Belém, Manaus
João Pessoa, Teresina e Aracaju
E lá do Norte foi descendo pro Brasil Central
Chegou em Minas já bateu bem lá no Sul

Aqui vive um povo que merece mais respeito
Sabe belo é o povo como é belo todo amor
Aqui vive um povo que é mar e que é rio
E seu destino é um dia se juntar
O canto mais belo será sempre mais sincero
Sabe tudo quanto é belo será sempre de espantar
Aqui vive um povo que cultiva a qualidade
Ser mais sábio que quem o quer governar

A novidade é que o Brasil não é só litoral
É muito mais é muito mais que qualquer Zona Sul
Tem gente boa espalhada por esse Brasil
Que vai fazer desse lugar um bom país
Uma notícia está chegando lá do interior
Não deu no rádio, no jornal ou na televisão
Ficar de frente para o mar de costas pro Brasil
Não vai fazer desse lugar um bom país

Em casa — L. S. Morgan

Título: Em casa
Autora: L. S. Morgan
Editora: Publicação independente
Páginas: 14
Ano: 2020

Desde que nasci, moro na mesma casa. Ao longo dos anos, porém, conheci muitas pessoas que se mudaram. Não apenas de casa, mas também de cidade, de estado, de país. Muitas dessas pessoas tiveram a oportunidade de fazer essa mudança por escolha, o que não minimiza tanto assim os impactos, as dificuldades que se tem de enfrentar em um lugar que não é o seu. Principalmente, também, quando se sai de um lugar tranquilo para um lugar agitado.

“Sinto cheiro de mato, de terra, de saudade guardada no peito”

Já nas primeiras linhas de Em casa me lembrei desses rostos que me remetem a mudança e que sempre admirei. A protagonista, com uma narrativa envolvente, consegue retratar bem o impacto que abandonar uma cidade pacata e chegar a uma cidade grande e caótica pode nos causar. Mas, ao contrário das tantas pessoas que conheci, ela não se mudou por opção: fora arrancada de seu lar.

Uma criança tirada à força de casa. É isso que Em casa nos mostra. Mas não só: o texto fala sobre a perda de alguém que se ama. Aliás, perda talvez seja o maior fio condutor dessa história, porque a protagonista perde uma mãe para a morte, perde uma mãe porque a sociedade não pode aceitar que uma criança tenha duas mães e, por fim, perde um lar.

“Achei que ela apenas dormia e demorei um tempo para entender que ela não acordaria, quando compreendi, chorei”

Em casa é um conto e, como tal, é curto. Para tratar de tantos assuntos em tão poucas páginas é preciso, portanto, ser direto. Mas a autora consegue fazer isso com uma linguagem rica de sentimentos e sensações, transmitindo tudo o que uma narrativa como essa pode nos propiciar.

Uma leitura de poucos minutos que foi uma grata surpresa para mim. Aquele tipo de história que combina com um domingo chuvoso e um café quente, que vai mexer com você e te fazer perceber que existem prazer nas menores coisas da vida.

Se interessou por Em casa? Então não deixe de clicar aqui. E se você gosta de marcadores, ao final do ebook a autora te dá a possibilidade de solicitar alguns.