Citações #15 — La sposa giovane

Hoje trarei a vocês apenas mais 2 citações do livro La Sposa giovane, escrito por Alessandro Baricco e publicado pela editora Universale Economica Feltrinelli em 2016. Como trata-se de um livro em italiano, vou aproveitar para colocar também o original aqui, ao final do post.

“A infelicidade rouba tempo ao prazer, e no prazer se constrói a prosperidade” (p.27).

É muito doido como, de repente, as coisas passam a fazer sentido, não é mesmo? Pensem nas pessoas que vocês conhecem e que, pelos rumos da vida, dedicam-se a uma atividade que não é aquela que elas queriam. Imagine essa mesma pessoa trabalhando no que gosta. Ela poderia até receber menos, mas estaria muito mais feliz. Muito mais satisfeita consigo mesma. E teria muito mais força para realizar tantas outras coisas em sua vida.

Essa citação aí de cima, para mim, tem muito a ver com saúde mental. E com sentir. O que nos leva à segunda citação de hoje:

“- Sentir é muito pouco, minha querida.

– Mas às vezes é tudo, senhor” (p.142)

Essa é uma passagem que, na história, tem mais a ver com a questão da intuição. Mas podemos ampliar para os sentimentos como um todo. Viver vazio de sentimento não é viver, assim como arrastar-se em uma vida infeliz.

E pensando nisso tudo, eu gostaria de dizer mais uma coisa também: lute ao lado daqueles que você ama. Ajude-os a realizar os seus sonhos, independentemente do tamanho deles. Essa é a melhor maneira de ver cada um prosperar e viver em paz. E é apenas isso que queremos para quem nos faz bem, não?

Para encerrar, como prometido, as citações originais:

“L’infelicità ruba tempo alla gioia, e nella gioia si costruisce prosperità” (p.27)

“- Sentire è un po’ poco, cara.

– Ma alle volte è tutto, signore” (p.142)

Assinatura

 

La Sposa giovane – Alessandro Baricco

Título: La Sposa giovane
Autor: Alessandro Baricco
Editora: Universale Economica Feltrinelli
Páginas: 184
Ano: 2016 (1º edição)
Título em português: A Noiva jovem

Comecei a leitura desse livro achando-o um pouco confuso. Imaginei que o principal motivo disso fosse o fato de ser em outra língua, até que eu finalmente percebi que uma das coisas que estava gerando tal confusão era algo que fazia parte da história:

“Devo explicar, meu amigo, que enquanto escrevia sobre a Noiva jovem, acontecia, às vezes, de eu trocar com ela, mais ou menos bruscamente, a voz que narrava, por razões que, na verdade, são totalmente técnicas”.

La sposa giovane (p.52)

Em outras palavras: o narrador, onisciente, por vezes começava a contar a história como se fosse a personagem principal, narrando, portanto, em primeira pessoa. DO NADA. Cogitei até que o livro fosse uma tradução mal feita, até que essa explicação aí de cima apareceu. Além disso, o autor faz algumas digressões ao longo da história e também, em alguns momentos, conversa com o leitor.

O único personagem que realmente tem nome é Modesto, o mordomo da casa onde vive o Pai, a Mãe, o Filho, a Filha e o Tio. E é nesta casa, também, em que chega a Noiva. Anos antes ela fora prometida em casamento ao Filho, quando ela estava às vésperas de se mudar para a Argentina com sua família. O Filho, por sua vez, foi trabalhar na Inglaterra, e quando sua Noiva retornou ele ainda encontrava-se lá. A família, porém, recebeu muito bem a jovem, acolhendo-a até que o Filho retornasse.

A Noiva, então, enquanto espera que seu noivo volte para casa, tem de se adaptar à rotina da família, que é um tanto quanto excêntrica. E é assim que vamos conhecendo um pouco melhor cada um dos personagens e suas respectivas histórias. A Filha, por exemplo, é uma linda moça e jovem como a Noiva. Há, porém, uma passagem que a descreve que me lembrou muito Machado de Assis (“Por que bonita, se coxa? Por que coxa, se bonita?”):

“Mas a verdade torna-se evidente quando saio da minha elegante imobilidade e me movo, demonstrando uma enorme infelicidade, pelo fato de ser manca”

La sposa giovane (p.23)

O Tio, por sua vez, é um personagem que traz coisas interessantes para a construção da história, um personagem totalmente diferente e que passava boa parte de seu tempo dormindo. Ainda assim, era alguém que sempre tinha a resposta certa para dar.

“A imagem do Tio era uma imagem querida na família, e insubstituível”

La sposa giovane (p.21)

O fato do Tio passar o tempo todo dormindo é ainda mais estranho porque os demais personagens, na realidade, não dormem nunca, pois têm medo da noite, que matara todos os seus parentes.

“Eu não me sentia desconfortável – eu gostava, justamente porque era absurdo”

La sposa giovane (p.161)

A atmosfera do livro é muito onírica e, por vezes, sensual e recheada de seduções, além dos inúmeros mistérios que envolvem a família e seus costumes. E tudo isso nos vai sendo revelado conforme a Noiva vai vivendo naquela casa. Também temos as pausas do narrador, que vai nos contando um pouco de sua vida.

“Como acontece às vezes na vida, percebeu que sabia muito bem o que fazer, ainda que ignorasse o que estava fazendo”

La sposa giovane (p.45)

Este livro foi, para mim, totalmente inesperado. Bem diferente do que estou acostumada a ler e, ao mesmo tempo, muito interessante. Um pouco maluco, é verdade, mas interessante. A história não me prendeu desde as primeiras páginas, mas logo fiquei bem curiosa para entender tudo o que se passava naquela casa italiana.