Desmistificando o mestrado [3] — Prova de conhecimentos específicos e entrevista

Desmistificando o mestrado [3]

Depois de falar para vocês sobre a prova de proficiência, chegou a hora de falar sobre as outras duas etapas de seleção do Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italianas, que são, na sequência: prova de conhecimentos específicos e entrevista.

Neste Programa de Pós-Graduação, a prova de conhecimentos específicos é realizada no dia seguinte à prova de proficiência, para facilitar o acesso àqueles que vem de outras cidades ou até mesmo Estados.

Para realizar essa prova você deve ler a bibliografia indicada, que varia de acordo com a área para a qual você está prestando a prova (língua, literatura ou tradução). Essa prova acontece da seguinte maneira: recebemos cerca de cinco perguntas relativas à área que escolhemos e devemos responder a duas delas, com um texto dissertativo de cerca de 20 linhas para cada questão escolhida. Quase sempre essa prova acontece em salas que possuem computadores, o que ajuda muito na hora de escrever e rescrever as respostas.

Nesta prova não é permitido nenhum tipo de consulta, mas também não é nenhum bicho de sete cabeças. Claro que, para isso, é importante ter lido a bibliografia e também ter certo conhecimento na área e, principalmente, sobre aquilo que você irá pesquisar.

Superada essa etapa, chegamos à entrevista. Cerca de duas semanas depois das duas provas já mencionadas, os alunos selecionados (ou seja, que foram aprovados em ambas as provas) são chamados para a tal entrevista. A quantidade de professores que vão nos entrevistar varia de acordo com a disponibilidade deles (quando eu fiz, estavam praticamente todos lá!).

Os professores vão fazendo perguntas sobre seu projeto (que em algum momento, no meio do caminho, já foi entregue), para verificar se você realmente tem ideia do que vai pesquisar e, mais que isso, se é realmente viável a sua pesquisa. Também é uma forma deles conhecerem um pouco mais sobre você e seu percurso acadêmico até ali. É nessas horas que ter feito uma iniciação científica, por exemplo, faz diferença, ainda que ela não seja um requisito para esse Programa de Pós-Graduação (mas é para alguns outros, então preste atenção a isso).

Depois da entrevista, tudo o que nos resta é aguardar o resultado final. Neste Programa de Pós-Graduação não somos nós quem escolhemos o orientador, mas os próprios professores que dividem os candidatos entre si. Então, quando recebemos o resultado final, em caso de aprovação, ficamos sabendo, também, quem será nosso orientador.

Espero que tenham gostado do post e, se tiverem dúvidas, fiquem à vontade para perguntar. O próximo post será sobre o projeto de pesquisa, que acabei não explicando ainda.