Choque temporal — Diário de leitura (7)

Sim, certamente, apesar de ter arriscado, Sherazade conseguiu se manter viva por mais uma noite e, então, dar início a uma nova narrativa: A história do pequeno corcunda, contada entre as noites 123 e 128.

Eu diria que se trata de uma história tragicômica: devido a um incidente, o tal corcunda vem a falecer na casa de um alfaiate, que busca a qualquer custo se livrar do corpo, por medo de ser acusado de assassinato. O corpo, então, passa de um a outro personagem, todos achando-se culpados pela morte do corcunda, mas dando um jeito de se livrar dele, que, no final das contas, é encontrado perto de um mercador cristão, que acaba levando a culpa (vale lembrar que “As mil e uma noites” vem de uma cultura não cristã e na qual essa rixa se faz presente).

Para completar o quadro, o tal corcunda pertencia ao sultão e, por isso, para fazer justiça à sua morte, o mercador é condenado à forca. Com peso na consciência, porém, os outros personagens começam a se entregar também e, por isso, todos são levados à presença do sultão. E a única forma de salvarem suas vidas é, adivinhem só? Contando uma história que seja melhor que as que o corcunda contava ao sultão.

Assim sendo, dentro deste arco, temos as seguintes histórias:

  • A história contada pelo mercador cristão
  • A história contada pelo fornecedor do sultão de Casgar
  • A história contada pelo médico judeu
  • A história contada pelo alfaiate
  • A história contada pelo barbeiro

E o barbeiro da última história abre um novo arco de narrativas, contando a história de seus irmãos, coisa que ainda estou lendo e, portanto, não sei que fim levarão esses personagens! (Sim, estou curiosa).

Mas, como não poderia deixar de ser, o momento reflexão do diário de hoje: esses dois arcos narrativos, talvez tenham sido, até o momento, os mais difíceis de ler. Isso porque é possível perceber a maldade e o desprezo que há com as deficiências das pessoas. O corcunda, por exemplo, além de ser uma “posse” do sultão, era motivo de chacota. E os irmãos do barbeiro (cujas histórias estou lendo) também possuem alguma deficiência, que os torna motivo de risada e desprezo.

Eu sei que a distância temporal que separa o momento em que essas histórias foram escritas e os dias de hoje é enorme, mas não deixou de me incomodar o fato que autor que selecionou as narrativas que iriam compor a famosa versão de “As mil e uma noites”, deixa claro que tomou cuidado de tirar coisas que desagradariam seu público. Coisas essas que hoje em dia, provavelmente seriam mais bem recebidas que esse tipo de preconceito.

Mudam-se os tempos, muda-se aquilo que a sociedade considera certo ou errado. E os livros nos permitem acessar esses momentos. Doido, não?

TAG: Conhecendo cada blogueiro

TAG blog

Hoje é dia de responder à primeira indicação que este blog recebeu! Trata-se da TAG Conhecendo cada blogueiro, criada pela Thais, do Felicisses. Mas antes, claro, gostaria de agradecer imensamente esta indicação, que mostra que o que vem sendo apresentado neste blog tem sido lido por outros blogueiros também. Muito obrigada, Thais!

A ideia é que com essa TAG a gente possa conhecer um pouquinho mais cada blogueiro, por isso, após responder às perguntas, a ideia é indicar outros blogs também. Vamos lá?

1-Qual foi a sua primeira opção de plataforma quando pensou em criar um blog? O que lhe chamou mais atenção?

Minha primeira opção de plataforma para o blog foi o Worpress mesmo, pois gostei do aplicativo dele e, após breves pesquisas na internt, percebi que esta plataforma atendia às minhas expectativas (que não eram muitas, na realidade).

2-Você está satisfeito(a) com o WordPress? Por quê?

Sim, muito satisfeita. Como eu disse, ele atende minhas expectativas, sendo possível criar um blog do jeitinho que eu gostaria e, mais tarde, sei que pode ser possível ter o domínio dele, deixando-o ainda mais profissional.

3-Por que quis criar um blog? Sempre teve essa vontade?

Não vou dizer que seeempre tive vontade de criar um blog, mas quando essa ideia surgiu… Não saiu mais da cabeça!

4-O que você mais gosta em seu blog?

Gosto de compartilhar minhas leituras, mas o mais interessante mesmo são as interações com outros blogueiros e visitantes.

5-Consegue postar com frequência?

Por enquanto estabeleci a frequência de uma vez por semana postar algo e tenho conseguido mantê-la.

6-Quais tipos de conteúdos gosta mais de abordar?

Bem, uma breve visita por aqui e já é possível perceber que falo majoritariamente sobre livros. Mas ainda trarei outros assuntos também.

7-Você interage muito com outros blogueiros? O que acha bacana quando lê posts de outros blogs?

Quando o conteúdo realmente me atrai e sinto que posso comentar algo de interessante ou incentivador, eu comento. E procuro sempre responder comentários feitos em meu blog.

Eu gosto da variedade de assuntos dos blogs e de ver como um mesmo assunto pode  ser abordado e escrito de formas diferentes por pessoas diferentes.

8-Como é a elaboração de suas postagens? Segue algum tipo de “ritual”?

Como a maioria dos meus posts são resenhas, obviamente eu preciso, em primeiro lugar, ler o livro. Ao longo dessa leitura já vou pensando um pouco no que seria legal destacar, além de registrar algumas frases que podem entrar na resenha. Depois, eu jogo tudo aqui, pesquiso algumas informações e vou montando o quebra-cabeça. Por fim, tiro uma foto do livro, para colocar junto ao post.

9-Que tipo de música gosta de escutar? Indique uma para os seus amigos blogueiros.

Gosto de tudo um pouco, mas ouço muita música brasileira (mpb no geral).

Fiquei com vontade de indicar Céu de Santo Amaro – Flávio Venturini e Caetano Veloso

10-Qual o seu gênero favorito de filme? Indique aí também!

Difícil essa… Talvez comédia ou comédias românticas.

Mas a indicação é fácil: A Família Bélier (amo esse filme!)

 

Blogs Indicados (Dez)

Inícios Marcantes

O eu insólito

Dieta e Cultura

Irmãs Carvalho

Estante do Justo

Uma paixão chamada livros

Amanhecer literário

Ideias em blog

P. R. Cunha escritor

Koisas e Coisas