TAG: Direitos do Leitor

TAG_ DIREITOS DO LEITOR

Deu saudades de responder uma TAG por aqui, e resolvi fazer essa, que me remete ao livro do Daniel Pennac, Como um romance, um livro que eu recomendo muito e que fala justamente sobre o ato de ler (e como incutir esse hábito em seus alunos) e sobre os “direitos” do leitor! Antes das respostas, porém, queria dizer que eu vi essa TAG lá no Fantástica Ficção, da Jessica Rabelo.

  • O direito de não ler: um livro que você não quer ler nem que te paguem

Acredito que “50 tons de cinza“. Responder essa pergunta certamente requer certa dose de preconceito, mas eu acredito que se eu sempre tivesse a escolha entre esse livro e outro, escolheria o outro.

  • O direito de pular páginas: um livro que você leu… só o que interessava

Momento confissão: no livro “O mundo de Sofia” eu pulei algumas das páginas sobre filosofia para ir logo para as páginas com a história da menina… Mas foram só algumas paginas!

  • O direito de não terminar um livro: um livro que você começou algumas vezes antes de ler inteiro

Acreditem ou não, “Harry Potter“. Tentei começar a ler quando era nova demais e as palavras eram extramente difíceis para mim.

  • O direito de reler: um livro que você salvaria no fim do mundo, para reler pela eternidade

Considerando a quantidade de vezes que já reli esse livro, acredito que “A Princesinha“.

  • O direito de ler qualquer coisa: o livro mais improvável que você já leu e gostou, e que algumas pessoas talvez duvidem que você leu

Não sei… Talvez o livro “Piadas nerds“??

  • O direito ao bovarismo: um livro que parecia ótimo! Mas que o tempo passou… e você pensou a respeito.

Vou citar aqui “O jardim secreto“, mas a verdade é: eu tinha altas expectativas sobre esse livro. Eu havia visto o filme em minha infância e me lembro de ter adorado, porém… Fiquei bem decepcionada com o livro, foi uma leitura muito arrastada.

  • O direito de ler em qualquer lugar: o lugar mais estranho/improvável em que você já leu um livro

Acho que na “cadeira do castigo”, na cozinha. Não era verdadeiramente uma cadeira do castigo, mas, na época, meu quarto estava em reforma e eu passava mais tempo em outros cômodos da casa. Quando estavam vendo televisão na sala, eu sentava em uma cadeira na cozinha para ler e aí parecia que eu estava de castigo ali.

  • O direito de ler uma frase aqui e outra ali: um livro que te alimenta com pequenas doses diárias

Confesso que não sei responder essa… Mas quando pego livros de contos ou de poesia para ler, acabo lendo em “doses homeopáticas”.

  • O direito de ler em voz alta: um livro que você precisou ler em voz alta

Não foi um livro, mas um conto: “Desenredo“, de Guimarães Rosa.

  • O direito de calar: um livro que te deixou sem palavras, porque era muito bom… ou muito ruim

Eu poderia citar tantos aqui que prefiro não citar nenhum…  E estou falando de livros bons mesmo!