O demônio do campanário – Michelle Pereira

Título: O demônio no campanário
Autor: Michelle Pereira
Editora: Independente
Páginas: 285
Ano: 2017 (1º edição)

I am a tree Strong limbed and deeply rooted My fruit is bittersweet I am your mother

Antes de dizer qualquer coisa sobre O demônio no campanário eu preciso pedir que vocês não tenham preconceito com o título: a história não é aterrorizante. Aliás, eu quase me vi torcendo pelo tal demônio, coisa que eu jamais esperaria/imaginaria dizer.

De um lado temos Evangeline Lions — ou Eva — uma jovem de 17 anos que estuda em um bom colégio e tem amigos que são quase como irmãos, além de pertencer a uma rica família. Mas, como sempre, dinheiro não é felicidade: o pai de Evangeline quase nunca está em casa, e quando está, vive brigando com a esposa, até que um dia eles resolvem se separar e a vida de Eva vira de cabeça para baixo.

“Senti raiva da minha mãe por me condenar a viver confinada neste lugar, enquanto ela aproveitava o dinheiro do divórcio com meu pai no litoral de algum país exótico”

Eva vivia com a mãe até que esta, após a separação, decide aproveitar a vida e, para isso, envia Eva para o colégio interno do Convento Senhora das Dores.

“Fiquei pensando em todas as coisas que deixei para trás. Meu quarto, meus pertences, minha casa, meus amigos…”

É muito doido pensar que essa história se passa na atualidade. Acho que não estou acostumada a pensar em meninas indo estudar em conventos. Do lado do convento Senhora das Dores ainda tem um monastério, onde diversos meninos estudam. E isso traz boa parte do romance de O demônio no campanário, porque, no final das contas, as meninas do convento se relacionam com os rapazes do monastério, uma vez que existem ocasiões em que eles se encontram, como a missa dominical, ou as gincanas esportivas que ocorrem aos sábados . Uma loucura!

“Estudar em um convento dá a falsa impressão de rigidez e punição”

Loucura maior, porém, é pensar que na torre do sino da igreja — ou seja, no campanário — mora um demônio.

“Dizem as más língua que muitos anos atrás, sei lá, talvez na década de 50, um demônio começou a rondar o Convento em busca de almas para corromper e acabou instalando-se no campanário”

Eron, o demônio, precisa se alimentar do sangue de jovens virgens para sobreviver. Ele é um íncubo, que é um tipo de demônio que entra no sonho das pessoas a fim de atraí-las para si. Eu nem sabia que essa categoria de demônio existia de verdade (não que eu conheça categorias de demônio), mas Michelle realmente fez um trabalho e tanto, pensando em cada detalhe da história!

“Ele era um íncubo, como eu, um demônio que se alimenta das paixões humanas”

E por falar em detalhes, Michelle descreve os personagens de maneira que conseguimos visualizá-los em nossa mente, o que achei incrível.

Mas, voltando à história, Eva chega ao convento triste e revoltada com tudo o que perdera, mas ali ela faz novas amizades e vive uma infinidade de coisas, inclusive se apaixonando. Duas vezes.

“Eu queria tudo de volta. Mas a vida muda. E nós mudamos com ela”

Joan, Cristal e Carol são as novas amigas de Eva. Juntas, elas vivem as diversas aventuras que o convento lhes propicia. E, apesar do local sagrado, há espaço para inimizades também, e não estou nem falando da presença de Eron aqui!

“Mas, afinal, quem sou eu para julgá-los? Sou um demônio instalado no campanário de uma casa de Deus, pronto para deflorar a primeira virgem que passar por mim”

A narrativa de O demônio no campanário vai se alternando entre Eva e Eron, mas alguns outros personagens também ganham voz ao longo do livro, em capítulos surpreendentes. Em meio a essa narrativa alternada, vamos acompanhando as tentativas de Eron em atrair Eva, enquanto vamos descobrindo os sentimentos e os altos e baixos de Eva sob o ponto de vista dessa garota que, aos 17 anos de idade se vê obrigada a se adaptar a uma nova vida.

“Sempre tive uma dificuldade imensa em me sentir bem em meio a um mar de gente desconhecida”

Quando eu digo que quase me vi torcendo por Eron é porque ele também tem as inimizades dele e sua única chance de liberdade é conquistar Eva. Por outro lado, ele é um demônio!! Sem contar que Eva conhece um dos jovens do monastério que merece uma chance, muito mais que Eron…

Eu realmente me surpreendi (positivamente) com essa história. Quando terminei de ler, depois de devorar os últimos capítulos até saber como tudo acabaria, eu ainda fiquei com os personagens na cabeça por dias e dias. Eu sentia vontade de continuar acompanhando os passos de Eva e suas amigas — ainda que Joan e Carol fossem muito fofoqueiras —, queria saber mais sobre o que vinha depois, sobre como as coisas poderiam prosseguir depois de tantos acontecimentos marcantes.

O demônio no campanário é uma leitura que nos prende por ter mistérios na medida certa, adrenalina e romance, além de falar sobre amizade. Fora que, sendo o íncubo um demônio capaz de adentrar nossas mentes e manipular nossos pensamentos, fiquei refletindo sobre o quanto não seria isso uma metáfora para nossos próprios medos e inseguranças. Uma leitura que eu realmente indico e que, repito, não irá te deixar apavorado (a) e que, portanto, você pode ler tranquilo (a).

Se interessou pelo livro? Adquira o ebook aqui.

A lógica inexplicável da minha vida

Título: A lógica inexplicável da minha vida
Original: The Inexplicable Logic of my Life 
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Páginas: 442
Ano: 2017 (1º edição)
Tradução: Flávia Souto Maior

(Para ler ao som de Paciência – Lenine)

A lógica inexplicável da minha vida é narrada por Salvador, ou então Sally, apelido criado por sua melhor amiga. Ele é um jovem que está no último ano do Ensino Médio e o livro nos mostra como sua vida vai de certezas a incertezas em apenas um instante. Por  Sally ser o narrador da história, conhecemos mais os  seus sentimentos, o que não significa que temos uma visão superficial dos demais personagens, uma vez que ele é extremamente empático.

Justamente pelo fato dos demais personagens terem um papel importante nesta trama, não podemos falar do livro sem falar deles também. A começar por Vicente, o pai adotivo de Salvador. Ele é um adulto maduro, bonito… e gay. Para Salvador isso não é um problema. Para o próprio Vicente isso não é um problema. Mas, para a sociedade em que vivemos… Bem, isso às vezes é um problema.

“As pessoas podem ser muito cruéis. Elas odeiam o que não conseguem entender”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 20)

Outro personagem importante é Mima, a avó de Salvador. Ela é uma figura doce, forte  (e ao mesmo tempo frágil) e cheia de histórias. A relação entre avó e neto é muito bonita e eles têm sempre conversas recheadas de lições e afetos.

“Se viver é uma arte, Mima é Picasso”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 53)

Temos ainda Sam a melhor amiga de Salvador. Os dois se conhecem desde muito pequenos, moram perto um do outro e compartilham de tudo. Uma amizade de irmãos. E há também Fito, que estuda no mesmo colégio que eles e enfrenta grandes batalhas: ele é filho de uma mãe viciada em drogas e é um jovem gay.

“Eu simplesmente não entendia o coração humano. O coração de Fito deveria estar partido. Mas não estava”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 74)

Há muitos outros personagens ao longo da narrativa, mas tendo conhecido estes é possível ter uma boa dimensão do que se passa, uma vez que cada um deles carrega uma grande carga de sentimentos e imprevistos que afetam, também, o nosso narrador.

“Lembrei da tempestade da noite anterior. Uma havia terminado; outra estava começando”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 133)

O livro está dividido em seis partes, uma mais supreendente que a outra. No início de cada parte sempre há uma frase ou parágrafo que sintetiza o que ocorrerá a seguir, nos ajudando a ter uma dimensão do que se passa na história sem dar spoillers. Vejamos:

  • Parte um: Talvez eu sempre tenha tido uma ideia errada sobre quem eu realmente era.
  • Parte dois: Tínhamos tanta certeza de nós mesmos, mas agora estávamos perdidos.
  • Parte três: De certo modo, por ela estar com as emoções à flor da pele, aquilo me ajudava a não ir pelo mesmo caminho. Não fazia sentido algum, mas o que eu e Sam compartilhávamos… Bom, tinha uma lógica própria.
  • Parte quatro: Talvez a vida fosse assim. Ir e voltar, depois acordar todas as manhãs e ir e voltar um pouco mais.
  • Parte cinco: Estradas são lisas e asfaltadas, e têm placas que dizem para que lado se deve seguir. A vida não é nada parecida com uma estrada.
  • Parte seis: À distância, é possível ver uma tempestade se formando: as nuvens escuras e os relâmpagos no horizonte vindo na minha direção. Eu espero, espero e espero pela tempestade. Quando ela chega, a água da chuva leva com ela os pesadelos e as lembranças. E eu não tenho medo.

Este livro consegue abordar de maneira simples, leve e deliciosa temas como preconceito, medo, amor, incertezas, amizade, união, perda, crescimento, aceitação… Fala sobre a vida, se quisermos ser sintéticos.

“Há dias em que acontecem coisas ótimas, e tudo é lindo e perfeito, e, do nada, tudo pode ir direto para o inferno”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 331)

Além disso, Salvador nos ensina que mesmo as pessoas que têm uma vida aparentemente perfeita – um pai legal, boas condições financeiras, amigos queridos, uma família bacana – podem viver grandes conflitos internos, afinal o “sentimento” é algo comum a todos os seres humanos. Bem como o amor. E é por amar cada pessoa do bem que o cerca que Salvador sofre tanto.

“Talvez tudo parecesse normal superficialmente. No interior, bem, havia sempre algum tipo de furacão”

A lógica inexplicável da minha vida (pg.267)

Eu perdi a conta de quantas vezes usei a palavra “sentimento” nesta resenha, mas é que A lógica inexplicável da minha vida definitivamente fala direto com nossos corações. Se você quiser conferir com seus próprios olhos, clique aqui.