24h adolescente e às vezes apaixonada — Cláudia Zambrana

Título: 24h adolescente e às vezes apaixonada
Autora: Cláudia Zambrana
Editora: Chiado
Páginas: 322
Ano: 2021

A resenha de hoje tem sabor especial porque eu tive a honra e o prazer de revisar este livro que, agora, encontra-se em pré-venda (ao final do post colocarei os links de onde é possível encontrá-lo).

24h adolescente e às vezes apaixonada tem uma narrativa envolvente — na qual acompanhamos muitos momentos de Bia — e também misteriosa, porque é difícil prever qual será o desfecho da obra.

“A verdade é que me sinto diferente de qualquer pessoa que existe na face da Terra”

Esta não é uma história que nos faz torcer por um “felizes para sempre”, porque Bia ainda é muito jovem e mais que isso: ela é muito real. Uma adolescente que pode facilmente retratar alguma conhecida nossa, mesmo com todas as confusões nas quais ela entra.

“— Não podemos amar aquilo que não conhecemos, minha filha. Conheça e depois fale se ama”

A narrativa é em primeira pessoa — o que talvez contribua para tornar Bia tão palpável — e a história é intercalada por algumas páginas do diário da jovem. Além disso, toda a narrativa é construída de forma bem visual, mas sem descrições em demasia. Ao contrário, aliás, a história é muito dinâmica, cheia de vida.

Na verdade, acredito que não poderia ser diferente, uma vez que se trata da história de uma adolescente e geralmente eles são assim: cheios de vida e de sonhos. Bia é uma personagem que passa por uma grande evolução ao longo da narrativa, indo de uma menina quieta, meio nerd, tímida, para uma garota que vive algumas situações que não desejamos a ninguém, mas que também desfruta intensamente essa fase tão única e tão recheada de descobertas.

“É assim na vida, muitas vezes vamos apenas entulhando todas as situações que nos acontecem e não tomamos nenhuma decisão, ou outras vezes, mesmo não gostando da situação, não nos permitimos começar algo novo, assim como mantemos velhos hábitos só para nos dar uma certa segurança”

Além de Bia, 24h adolescente tem outros personagens muito marcantes: sua família, principalmente sua mãe, que é bem próxima da protagonista e traz o equilíbrio das palavras certas nos momentos certos; os amigos de Bia — a Tetê, a Jô, a Lara e o Dani — e, claro, os garotos que são a causa de toda a confusão sentimental que Bia vive: o Rafa (que também é seu amigo de infância), o Igor (um gatinho que ela conhece no clube e, mais tarde, descobre ser o primo da sua melhor amiga) e o Diego (que ela conhece em uma festa, em outra cidade, mas que o destino teima em aproximar a cada dia).

“Será que é possível gostar de duas pessoas ao mesmo tempo?”

Todo o livro se passa em cerca de um semestre. Começa no final das férias de verão — quando, além de tudo, Bia tem a chance de viajar com seus amigos para a casa de praia da família de Lara — e termina praticamente nas férias seguintes (praticamente porque, na verdade, Bia antecipa um pouco o início de suas férias e só lendo para descobrir o porquê).

Um aspecto interessante (e positivo) da obra é a forma como ela trata certos aspectos tão importantes para os jovens, mas que ainda precisam de tanto debate. Cláudia conseguiu inserir na narrativa passagens sobre feminismo, sexo, sexualidade, bullying, autoconhecimento, empatia… Enfim, muitos temas realmente importantes. E a inserção desses momentos é muito coerente com a história narrada.

“Acho que isso acaba acontecendo com o tempo, por mais que as pessoas falem que os amigos são para sempre, a vida acaba separando em algum momento”

24h adolescente e às vezes apaixonada tem tudo para fazer sucesso entre adolescentes, mas também entre pais de adolescentes que já esqueceram de tudo o que essa fase carrega e estão precisando daquela ajudinha para entender seus filhos.

E você pode encontrar o livro (em pré-venda) nas seguintes livrarias:

Livraria travessa | Livraria Martins Fontes | Amazon | Fnac Portugal | Bertrand Livreiros