Citações #32 — A casa de vidro

Quem leu minha resenha do livro A casa de vidro deve ter visto que eu não entendi muito bem a história, mas que, mesmo assim, gostei de alguns aspectos dela. E também me encantei com diversos trechos que destaquei ao longo da leitura, mas nem todos couberam no post anterior. Por isso, hoje vamos de quotes de A casa de vidro. Já adianto que será um post curto, mas necessário. Fica comigo até o final que eu explico melhor isso.

Coisa encantadora, o corpo humano… O quanto ele é capaz de fazer e desfazer e quão frágil ele é! Um copo de bebida estranha e toda a estrutura desmonta”

Esse foi um aspecto que me chamou a atenção ao longo da leitura: a visão de um não humano em relação a nós e a como agimos e vivemos. No trecho acima, faz-se uma menção às bebidas alcoólicas e ao alcoolismo.

Esse mesmo ser também é capaz de compreender (e descrever) como funcionam nossas relações e como, por vezes, vemos verdades onde elas não existem.

“Amor não é algo que exista por decreto. Nem mesmo entre gente da mesma matriz”

E, por falar em amor, há um trecho em que esse mesmo personagem nos faz refletir sobre algo muito importante: a nossa relação com os sentimentos, principalmente em contraposição à razão.

“Vocês creditam ao coração a coragem e a bondade, não é?”

E, para terminar, um trecho para nos fazer refleti sobre como, por vezes, precisamos de uma “sacudida” na vida.

“As duas revelações lhe foram brutais, mas ao atravessar a brutalidade ele encontrou algum tipo de existência”

Foram poucos trechos que haviam ficado de fora, mas achei que eram frases muito importantes para deixar para trás e, por isso, quis trazê-las aqui para vocês. Alguma, em especial, te chamou a atenção?

Meu médico envolvente — Juju Figueiredo

Título: Meu médico envolvente
Autora: Juju Figueiredo
Editora: Publicação independente
Páginas: 391
Ano: 2019

medico envolvente

Se você já leu Meu envolvente professor e Meu juiz envolvente (leituras recomendadas antes desse, mas não obrigatórias), talvez Meu médico envolvente não te surpreenda tanto. Isso porque, ao contrário dos dois primeiros, o passado de Jefferson e de Débora já não são mais tão desconhecidos para nós, uma vez que as principais causas das dores deles já haviam sido reveladas nos volumes anteriores.

“A dor não passa, ela fica ali, te lembrando do que você perdeu, do que você não pode mais ter”

Ainda assim, esse é um livro capaz de te prender, de te fazer querer saber o que vem depois e como irá se desenrolar a história desse casal que parece muito improvável. Um livro que vai te fazer torcer para que as coisas acabem bem, da forma que for, e que vai te fazer sentir emoções diversas.

“Como eu poderia trazer alguém de volta à vida, se a vida já havia saído de mim há muito tempo?”

Assim como nos demais livros dessa série, em Meu médico envolvente temos uma narrativa alternada entre Débora e Jefferson, os protagonistas deste volume. Débora é uma mulher forte, que sofreu muito na vida: perdeu a irmã e teve de se virar para sustentar seu sobrinhos, largando a faculdade e… tornando-se prostituta. É muito interessante ver como o livro aborda essa questão, como não se trata exatamente de uma escolha, mas chegar em uma via sem saída. Literalmente, porque depois que Débora entrou nesse mundo, era cada dia mais difícil sair dele.

“Um erro de julgamento faz a percepção das pessoas mudarem quando descobrem a verdade sobre você”

Jefferson, por outro lado, não tinha um passado tão complicado. Sua vida era estável, tranquila: formado em medicina, ele é o herdeiro de um renomado hospital. Mas ele havia perdido o amor de sua vida e, com isso, o sentido para a sua própria existência. Ao menos por um tempo…

Ao longo das páginas vamos conhecendo melhor cada um desses dois personagens. Seus sentimentos, medos, pequenas vitórias. Vamos sendo envolvidos. Vemos as barreiras que eles construíram para si serem, aos poucos, desfeitas. E, para completar, a seleção musical que acompanha os capítulos está sensacional!

Se interessou por essa história? Então clica aqui.