12 livros para 2020

Doze livros para 2020

Como eu disse na minha retrospectiva, não costumo estabelecer metas, ainda mais de leitura. Mas, esse ano, resolvi me desafiar um pouco, separando 12 tipos de livros que eu gostaria de ler ao longo do ano, um para cada mês (e não necessariamente na ordem que colocarei aqui):

  1. Um livro escrito por uma mulher
  2. Uma HQ ou um mangá
  3. Um livro em inglês
  4. Um livro em italiano
  5. Um livro de fantasia
  6. Um livro clássico
  7. Uma biografia/livro de não ficção
  8. Um livro sobre o ou que se passe no período do Holocausto
  9. Um livro de um(a) escritor(a) negro
  10. Um livro de poesia
  11. Um livro sobre algum transtorno/doença psicológica
  12. Um livro com protagonistas LGBTQ+

Aceito sugestões para cada uma das categorias acima, ainda que algumas delas tenham sido pensadas de acordo com alguns livros que estão parados na minha estante (e esse é o verdadeiro desafio: desencalhar livros!).

Conforme eu for cumprindo as leituras, trarei a resenha para vocês e a qual categoria o livro pertence. Lembrando (a mim mesma) que cada livro só poderá eliminar uma categoria!

Alguém que me acompanhar nessa? Ou vocês também já estabeleceram seus desafios?

O cão que guarda as estrelas – Takashi Murakami

Título: O cão que guarda as estrelas
Original: Hoshi Mamoru Inu
Autor: Takashi Murakami
Editora: JBC
Páginas: 124
Ano: 2014
Tradução: Denis Kei Kimura

Quem acompanha esse blog sabe que essa é a primeira resenha que faço de um mangá. Isso porque não costumo ler mangás. Porém, ganhei esse do meu namorado e me aventurei nesse universo literário.

Antes que vocês se perguntem por que meu namorado meu deu um mangá se eu não costumo ler mangás, posso adiantar algumas coisas: em primeiro lugar a capa. Girassóis são importantes para nós; em segundo lugar, nunca é tarde para ler algo diferente, não é mesmo? Fora isso, ele descobriu depois o significado do título e concordamos que é lindo. Segundo a explicação da propria epígrafe do livro:

“Hoshi mamoru inu”: em tradução literal, o cão que guarda as estrelas. É uma expressão japonesa usada para descrever uma pessoa que quer algo impossível. A origem vem da imagem do cachorro que fica olhando o céu como se desejasse a estrela”

Este mangá encontra-se divido em 4 partes, além de ter um posfácio. Ele é narrado por um cachorro que vai contando sua vida ao lado, em primeiro lugar, de sua família: Miku — uma garotinha —, papai e mamãe (é assim que Happy, o cachorro, os chama).

“Quando as coisas vão mudando aos poucos, depois de alguns anos, acabam mudando bastante”

O cão que guarda as estrelas (p.16)

Um belo dia, porém, mamãe  decide se separar de papai, que passa a viver com praticamente nada. Ele perde seu lar, sua família e muitos pertences. As poucas coisas de valor que lhe restam são Happy e seu carro, que eles utilizam para empreender uma longa viagem.

“Às vezes as pessoas culpam os outros pelos seus fracassos para se sentirem melhor”

O cão que guarda as estrelas (p.42)

É essa viagem que acompanhamos até o final da terceira parte desse mangá, chegando ao desfecho da história de Happy e papai. Lado a lado eles vão atravessando o Japão, até que, sem dinheiro e sem documentos, passam a viver definitivamente no carro.

“Não estou triste porque ele roubou meu dinheiro, mas sim porque ele não consegue mais confiar nos outros”

O cão que guarda as estrelas (p.39)

A quarta parte conta uma outra história, que, no entanto, se cruza com a história de papai Happy. E essas histórias se cruzam justamente no ponto em que termina a história de nossos protagonistas.

Por ser um mangá, li a história rapidamente. Não posso negar, contudo, que me emocionei bastante. É uma narrativa cheia de altos e baixos e muito sentimentalismo. E uma história que fala, acima de tudo, sobre sonhos, como já indicava o título.

“Você deseja, deseja e mesmo assim não consegue realizar. Mas é por isso que continua sonhando”

O cão que guarda as estrelas (p.121)
Se interessou por esse mangá? Compre aqui.