Uma mentira imperfeita — Beatriz Cortes

Título: Uma mentira imperfeita 
Autora: Beatriz Cortes 
Editora: Bendita Editora 
Páginas: 314 
Ano: 2021

Estava com saudades de ler um clichê e, ao mesmo tempo, uma história capaz de me surpreender. Parece impossível que esses dois elementos possam coexistir? Pois Uma mentira imperfeita está aí para provar que isso é possível sim!

“Como podemos ser nós mesmos em um mundo que insiste em nos dizer quem devemos ser?”

Narrado em primeira pessoa, podemos quase dizer que a história não possui uma, mas duas protagonistas: Marina e Nina.

“A Nina era bem mais divertida do que a Marina, com essas roupas sérias e a agenda regrada. A Nina aproveitava a vida de verdade, ela tinha sonhos…”

Marina está prestes a assumir a empresa de seu pai, falecido antes da hora. É uma responsabilidade enorme, afinal não é uma empresa qualquer. E ela, sempre série e tentando entender suas funções, sendo sempre pressionada e criticada pela madrasta, ainda tem de lidar com as nada simples questões do coração.

“Na minha vida, é tanta tempestade que já estou até sem barco. Naufraguei de vez e, a cada vez que saio com alguém, bebo um pouco mais de água salgada”

Nina, por outro lado, é uma pessoa leve, que consegue equilibrar novas e emocionantes aventuras com as suas obrigações. Como diria Otto, seu melhor amigo, ela pega sem se apegar.

“A Nina é uma baita de uma sortuda!”

A verdade, porém, é que Nina e Marina são a mesma pessoa. Nina é, no fundo, uma versão quase perdida de Marina, resgatada por Otto, que está cansado de vê-la levando a vida tão a sério e deixando de lado a oportunidade de aproveitar um pouco o que há de bom.

“Otto pode ter umas ideias meio doidas, mas acho fofa a forma como ele se preocupa comigo”

É aquela velha história: é só quando deixamos de nos preocupar com certas coisas que elas acontecem. E foi assim que Marina (quer dizer, Nina, porque ela sim é despreocupada) conheceu Zac.

“É engraçado olhar para trás e perceber tudo de bom que eu teria perdido se as coisas tivessem acontecido como eu planejava”

Desde o começo da história fica muito claro para nós, leitores, que Marina não está nada confortável com a ocupação que ocupa e, menos ainda, com a que vai ocupar. E logo vamos entendendo quais são as suas verdadeiras paixões.

“— Pensar no que a gente ama sempre faz bem, Nina. Esse é o segredo”

Mas aos poucos também vamos percebendo outro detalhe: Marina carrega uma culpa. E nós passamos boa parte da leitura tentando entender que culpa é essa, coisa que vai sendo revelada bem aos poucos, na medida certa.

“Estou tremendo. A parede que levei anos construindo dentro de mim para isolar essa história do resto do mundo (e de mim mesma) parece se rasgar como uma folha de papel”

Não foi somente a forma como a autora soube usar esse sentimento para construir um mistério na trama, porém, que me prendeu até a última página. Também fiquei bem intrigada com o desenrolar do nó em que Nina se enfiou.

Mesmo sendo uma grande apaixonada por histórias de amor, chegou um ponto da história que eu não poderia torcer para ela ter o final feliz dela ao lado de Zac. Não da forma como as coisas estavam acontecendo, porque Marina era apenas Nina para ele, mas ela precisava se encontrar entre uma e outra (ou até em ambas, na medida certa. Ou em nenhuma).

“Eu definitivamente não sei quem sou”

Confesso que tive medo da história simplesmente acabar feliz, mas de maneira absurda. Mas se tem uma coisa que posso dizer, sem dar spoilers, é que a história não decepciona. A autora vai conduzindo tudo de forma a nos fazer ler com atenção até o último ponto final, sedentos por todos os desfechos bem pensados e que nos fazem concluir a leitura com um sorriso no rosto e um quentinho no coração.

“Há muito tempo não me sentia assim, livre, desprendida, animada”

Que tal conhecer Marina, Nina e o que mais puder surgir dessa mulher que tem muito a aprender, mas também a ensinar? É só clicar aqui embaixo!

Alameda do Carvalho — Ninna Vicari

Título: Alameda do carvalho
Autora: Ninna Vicari
Editora: Publicação independente
Páginas: 388
Ano: 2020

Você já ficou encarando a capa de um livro, tentando entender os elementos que a compõem e o título que grita nela?

A Ninna entrou em contato comigo, perguntando se eu queria ler Alameda do carvalho. Claro que ela usou as palavras mágicas “é um romance” (bom, na verdade ela explicou que “é uma história de amor entre dois personagens adultos”). Aceitei na hora, ainda que pensasse que havia algo de futurista nessa história que talvez não fosse me encantar tanto assim.

“Era tarde demais para voltar atrás. Não havia outra direção a seguirem, a não ser adiante”

Só depois de muito avançar na leitura é que comecei a entender alguns detalhes (da capa, no caso, a história está bem escrita, não tive dificuldades para acompanhar) e entender que eu não precisava me preocupar, tratava-se do exato tipo de narrativa que eu tanto adoro.

“As pessoas sempre se sentem culpadas depois de uma tragédia, mas nunca se sentem responsáveis durante os eventos que precedem a tragédia”‘

O livro é dividido em três partes, todas elas narradas em terceira pessoa. A terceira parte é a mais curta, mas não a menos intensa.

“Será que ele choraria? Ou guardaria suas lágrimas em segredo?”

A história começa com Tom e sua filha, Lily. Logo percebemos que ele está se reerguendo e que tem de cuidar da pequena sozinho, uma vez que sua esposa morrera. Uma morte, porém, que o persegue por muito tempo e que somente aos poucos vamos entendendo o que há por trás deste episódio.

Decidido a tentar retomar as rédeas de sua vida, Tom se muda para Londres e, portanto, acaba tendo de contratar uma babá para cuidar de Lily. E é assim que ele conhece Mia.

“Mia tinha tendência a abraçar problemas que não eram seus e sentia a necessidade de resolvê-los”

Mia é estudante de direito e trabalha como babá para poder se sustentar. Apesar de ter sempre um sorriso gentil a oferecer, ela também tem um passado complicado, que certamente moldou seu caráter compreensível e empático.

“Ouvir a história de Mia fez Thomas colocar sua própria vida em perspectiva”

Como a primeira parte do livro é dedica a Tom, ainda que Mia tenha um papel essencial e uma presença marcante, ficamos propensos a querer saber tudo sobre esse homem misterioso e fechado.

A segunda parte, porém, é dedicada a Mia, e só então percebemos como há tanto a ser descoberto sobre ela também. Uma mulher inspiradora, sem dúvidas.

É claro que a combinação Tom e Mia não poderia ser mais explosiva que a apresentada em Alameda do Carvalho. Fica evidente, ao longos das páginas desta obra, que jamais poderemos controlar nosso coração, escolher por quem iremos nos apaixonar.

“Não bastasse ter que superar as adversidades que a vida lhe jogara, também teria que lidar com preconceitos que nunca havia experienciado antes”

Sim, eu chorei em alguns trechos. Também fiquei com o coração na mão em outros. E tive medo de ser surpreendida por um final totalmente inesperado. Mas tive a sorte de terminar a leitura com o coração quentinho.

“Ela estava ali naquele momento, mas ele temia que não estaria ali para sempre”

Como eu disse antes, a terceira parte do livro é a mais curta, mas também a mais reveladora. Dedicada a Lily, é o momento em que cada peça desse quebra-cabeça finalmente se encaixa. Não há ponto sem nó na história.

“Lily não entendia, ainda era inocente demais para compreender as nuances que relacionamentos humanos possuíam”

Com uma narrativa envolvente, indico Alameda do carvalho para quem busca um romance mais maduro (sem ser maçante), recheado de temas como amizade, superação, alcoolismo, preconceitos… Uma história que aborda tudo isso e muito mais de maneira natural e responsável.

Se você se interessou por Alameda do carvalho, clique aqui. E não esquece de seguir a Ninna nas redes sociais: Twitter / Instagram

Faz de conta que é amor — Rafa Alves

Título: Faz de conta que é amor — Trilogia escolhas
Autora: Rafa Alves
Editora: Réserver
Páginas: 298
Ano: 2020

Faz de conta que é amor é aquele tipo de livro que eu sempre comento aqui que adoro ler: um romance despretensioso, mas que acaba nos arrancando algumas lágrimas ou algumas risadas. Neste caso, foram mais lágrimas mesmo.

“Às vezes, desejos são somente desejos, mas a esperança que temos sobre eles é o que deixa tudo mais mágico”

No prólogo do livro, nos encontramos cinco anos antes da história que leremos depois. Amanda já namorava há quatro anos com Edu e tinha certeza que, naquela noite, seria pedida em casamento. Muito pelo contrário, porém, ela leva um pé na bunda e descobre que fora traída. E mais: o Edu a traiu com Vanessa, sua amiga! Ah, os clichês maravilhosos que já começam dando um toque de “não pode ser” com “quero ver essa mulher dar a volta por cima”.

“Não preciso dizer como mudei ao saber que minha vida era uma completa mentira”

O primeiro passo que Amanda dá é, como uma boa fujona, mudar de cidade. E recomeçar. Mas, obviamente, cinco anos depois, ou seja, no momento em que se passa a história, ela tem de voltar para sua cidade natal e por dois motivos: estar presente no casamento de sua melhor amiga e também para assumir, temporariamente, um cargo importante na empresa que trabalha.

“Cada um tem um limite de algo que consegue suportar”

Mas voltar nunca é fácil. Menos ainda quando o noivo de sua melhor amiga e Edu são melhores amigos. E, para completar esse tenebroso cenário, Edu está noivo de Vanessa. É muita coisa para uma pessoa só, né?

“Não quero que você se machuque, eu não vou estar aí para juntar os caquinhos”

E é aqui que entra Cadu na história. Amanda decide fingir que está noiva também e Cadu acaba sendo a sua vítima. Mas eles mal se conhecem quando essa loucura toda começa!

“Todos nós queremos alguém que cuide de nós, e que nós também possamos cuidar. Ninguém é diferente nisso”

Talvez você esteja se perguntando quem é Cadu. Bem, ele é um cara meio complicado, meio fechado e… filho do chefe de Amanda. Mas ele acaba topando embarcar nessa loucura dela e… Só lendo para descobrir de verdade onde tudo isso vai dar!

“Eu acabei de beijar de verdade… O meu noivo de mentira!”

Mas se tem uma coisa que eu posso adiantar é que Amanda é aquela mulher com a qual muitas vão se identificar. Alguém que, depois de uma grande desilusão amorosa, prefere ficar sozinha, por medo de se entregar novamente, ainda que reconheça que seu coração continua firma e forte na capacidade de amar.

“Cadu tem razão, eu sempre desisto de lutar quando estou machucada”

Cadu também é um personagem muito interessante. O mistério que o envolve nos atrai. Sabemos que há algo no passado dele que o deixa tão fechado e tão… Com medo de se entregar. Como Amanda.

Agora Edu… Esso só nos faz passar raiva mesmo! Mas a história precisava de um personagem desses, para nos deixar de olhos bem abertos, sempre!

Faz de conta que é amor foi uma leitura tranquila de se fazer, daquelas para passar o tempo. E se você quer saber como termina (ou não) a história de Amanda e Cadu, clique aqui.

Meu envolvente professor — Juju Figueiredo

Título: Meu envolvente professor
Autora: Juju Figueiredo
Editora: Publicação independente
Páginas: 385
Ano: 2019

envolvente professor blog

Meu envolvente professor faz parte da série Envolventes, uma série de livros que podem ser lidos de forma independente, ainda que haja elementos que os interligam. Esse é o primeiro volume da série e aqui trarei um pouco do enredo e das minhas impressões sobre ele.

Em Meu envolvente professor acompanhamos a história de Bruna Ávila de Albuquerque, uma jovem extremamente dedicada e que dá seu sangue pela faculdade de Administração, para provar a seu pai — com quem sempre teve um relacionamento extremamente complicado  de que ela é capaz de se dar bem na vida sem precisar da ajuda dele.

“Você não tem o poder de controlar o destino ou o que irá acontecer com as pessoas ao seu redor”

Nessa jornada, Bruna acaba conhecendo Fellipo Vitale, um professor que se torna seu orientador substituto,uma vez que seu orientador oficial sofre um acidente e precisa se afastar por um tempo para se cuidar.

“As coisas acontecem porque tem que acontecer, não carregue o peso do mundo em suas costas”

É claro que, só pelo título do livro, já dá para ter uma ideia do que acontecerá. O que não imaginamos, porém, são os percalços do caminho.

“Se permita viver um pouco e descobrir o que o amor pode fazer com duas pessoas”

Bruna tem muito a descobrir sobre si mesma e sua família, enquanto também acaba descobrindo muito do nada fácil passado de Fellipo.

“A dor nos torna pessoas diferente, Bruna, ela nos molda”

Entre idas e vindas, Bruna tem de terminar sua faculdade, lidar com a perda de uma grande amiga, aceitar o seu passado e, claro, lidar com muitos sentimentos intensos.

Essa é uma leitura daquelas leves (apesar de tudo) e, ao mesmo tempo, intrigantes. Um daqueles livros que devoramos avidamente e que traz uma personagem feminina extremamente forte e admirável. Além disso, como Fellipo é um professor jovem, não sendo, portanto, muito mais velho que Bruna, essa história está longe de ser uma narrativa revoltante de um relacionamento absurdo entre professor e aluno.

Os capítulos são escritos em primeira pessoa, ora por Bruna, ora por Fellipo, o que nos dá uma visão muito boa (e privilegiada) da história, fazendo com que, aos poucos, cada peça de um complicado quebra-cabeça se encaixe e nos permitindo simpatizar com os protagonistas.

Se você se interessou pela história de Bruna e Fellipo, não deixe de clicar aqui.

Um CEO em busca do amor — Juju Figueiredo

Título: Um CEO em busca do amor
Autora: Juju Figueiredo
Editora: Publicação independente
Páginas: 153
Ano: 2019

um ceo em busca

Depois do final de Apenas mais um CEO, como eu comentei na resenha, é praticamente impossível não querer iniciar imediatamente a leitura de Um CEO em busca do amor. Isso porque o final do primeiro livro da duologia é surpreendente e nos deixa querendo saber como tudo se resolverá (se é que algo se resolverá).

“Não é qualquer homem que aceitaria o meu passado, carrego uma bagagem muito pesada, Emmett, prefiro carregar sozinha”

Conhecendo os personagens que fazem parte de todos os caminhos cruzados dessa história, neste segundo volume temos a oportunidade de compreender o passado de cada um e o que os fez chegar ao lugar em que chegaram.

“— Minha filha, o amor nunca é fácil, os obstáculos sempre estão na nossa frente querendo impedir nossa passagem, mas cabe a você decidir se eles irão ou não atrapalhar sua vida”

E se você acha que neste livro só temos um monte de resolução de problemas e uma história parada você está MUITO enganado, porque ainda há inúmeras revelações e momentos de tensão.

“— É natural sentir medo, não seríamos humanos se não sentíssemos”

Um CEO em busca do amor é um livro que nos prende tanto quanto Apenas mais um CEO e que eu indico fortemente para quem gosta de um belo romance cheio de acontecimentos inesperados e impactantes.

“Ela era minha perdição e salvação ao mesmo tempo, como era possível?”

Neste volume, aliás, há mais capítulos narrados por outros personagens, ainda que predomine a narrativa de Mathew Thompson e Megan Tanner. Essa alternância nos ajuda a adentrar de maneira mais profunda a história, vendo-a pelos olhos daqueles que a estão vivenciando.

“Você não precisa ser forte o tempo inteiro, Megan, é tão difícil admitir quando não está bem?”

Se você ficou curioso(a) com o desfecho da história de Mathew Thompson e Megan Tanner, adquira seu ebook aqui.