Loucuras de Verão (antologia)

Título: Loucuras de Verão
Autor: vários autores
Organização: Tati Iegoroff
Editora: Lettre
Páginas: 174
Ano: 2021

Logo logo chegam as águas de março, fechando o verão, mas, antes disso, por que não ler esta antologia quentinha? Claro que eu sou suspeita para falar qualquer coisa, pois sou a organizadora dela, mas estou muito feliz em ver tantos autores incríveis reunidos em um só lugar (e isso eu posso falar, já que só organizei a antologia, não contribuí com nenhum texto meu!). E sabe da melhor? Essa antologia é gratuita! Isso mesmo, você pode ler todos esses textos incríveis sem pagar nada por isso (já já explico melhor).

“Naquele pequeno fragmento de realidade eu era infinito como o oceano”

(Amor à primeira vista — Abraão Nóbrega)

Há quem ame e quem odeie o verão que, assim como qualquer outra estação do ano, tem o seu lado bom e o seu lado ruim. Se bem que também há quem diga que no Brasil só temos essa estação! Em que time você está?

Eu, confesso, não gosto de extremos: nem muito calor, nem muito frio. Mas o sol com certeza me dá uma alegria que aqueles dias cinzas logo espantam. Foi por isso que pensei que uma antologia leve, deveria ser sobre o verão, sobre férias, sobre aventuras e, por que não, sobre amor.

“Se a vista já valia a pena por si só, ambos sabiam que, para eles, aquela vista sempre seria descrita mil vezes mais bela do que, de fato, era”

(Uma semana de gelato e amor — Carolina Mantovani)

A proposta de “Loucuras de verão” era, portanto, reunir textos leves e, claro, relacionados ao verão. E isso os autores souberam fazer com maestria. Tem até história que se passa na neve, mas que soube muito bem captar o espírito da antologia!

“Naquele instante, o verão ficou frio”

(2000 verões — Alvaro Tallarico)

Algo que achei incrível foi a variedade de temas que surgiram para a composição da antologia. Sim, o fio condutor é a estação mais quente do ano, mas há textos mais reflexivos, inclusivos, aventureiros, românticos, de fantasia… Tirando quem curte terror, tem para todos os gostos!

“Muitos outros verões estavam por vir”

(Amor no Araguaia — Rubem Gleison)

Ao todo, Loucuras de verão conta com 22 textos. Sendo uma antologia, é possível apreciá-la aos poucos, como quem toma um sorvete. E ela também não foi feita para ler apenas no verão, porque há contos que são capazes de aquecer seu coração mesmo nos dias mais frios do ano.

“— Tu sofre estando sozinha, eu sofro estando com a minha mãe preocupada comigo todos os dias. Eu tenho dores que correm da ponta dos meus dedos da mão até os dos pés, tu tem dores nos olhos cansados de tanto ler palavras sem sentido. Eu sei que parece diferente, mas é que dor não tem medida”

(Não importa a forma que a gente exista — Grazi Ruzzante)

Como eu disse lá no início, esta é uma antologia gratuita. Então, se você tem interesse em conhecer esse trabalho (e se me permite um conselho: conheça!) basta clicar aqui e garantir o seu arquivo.

Um amor para chamar de meu (Antologia)

Título: Um amor para chamar de meu
Autor: Vários autores
Organização: Tati Iegoroff
Editora: Lettre
Páginas: 124
Ano: 2020

um amor para chamar blog

(Leia essa resenha ao som da nossa playlist)

A resenha de hoje vem recheada de felicidade e, antes de falar sobre a obra em si, eu explico os motivos: Um amor para chamar de meu é a mais nova antologia da Editora Lettre. Além de ser uma antologia de romance — gênero que eu amo — sou a organizadora da mesma, e tem um conto meu nela! Preciso dar mais motivos para essa felicidade??

“O canto dos pássaros estava bonito de escutar, mas na rotina corrida em meio aos prédios nem damos valor. Contudo, eles estão ali para dizer que a vida é linda de se viver”

(Conto: O motoqueiro da noite chuvosa)

A antologia sofreu um pequeno atraso em sua publicação (que estava prevista para a semana passada), mas finalmente está no ar e eu continuo não acreditando! Mais para frente, se vocês quiserem, posso trazer um post para vocês sobre como foi organizar a antologia e o que eu aprendi com essa experiência.

“Não era como esperava, pois na verdade não sabia o que deveria esperar”

(Conto: Clara)

Por enquanto, vamos ao que interessa, não é mesmo? Obviamente não esperem imparcialidade de mim aqui… Mas também não escolherei contos preferidos, porque, para além do fato de realmente ter gostado de todos, não acho que seria justo.

E posso contar uma coisa? Não é “óbvio” que eu tenha gostado de todos os contos , ainda que tenha sido eu a escolher aqueles que entrariam ou não na antologia. Mas uma coisa eu posso garantir a vocês: me surpreendi com a variedade das histórias que encontrei e é por isso que eu digo que todos os contos são bons (cada uma à sua maneira).

“Os assuntos que tocamos beiram a superficialidade, mas sempre arranjam um jeito de mergulhar fundo em algo verdadeiro e complexo, onde nós dois conseguimos nos entender”

(Conto: Amor meu grande amor)

Quando falamos em histórias de amor, dificilmente escapamos de uma visão clichê e de um “felizes para sempre”, mas ao longo das páginas de Um amor para chamar de meu vamos muito além disso.

É verdade que na maioria dos contos encontraremos casais héteros, mas também há contos que retratam outros tipos de relacionamento, seja de mulher com mulher (infelizmente, apenas um contos assim), de humano com anjo (!), de sereia com boto (sim, você leu isso mesmo) e até mesmo não casais (só lendo para entender)!

“Haja café na vida para engolir a ausência de amor que não tinha… Um amor que ela queria. Um amor para chamar de seu”

(Conto: Por muito pouco)

A leitura de Um amor para chamar de meu é bem rápida, pois os contos são curtinhos (exigências do edital) e gostosos de ler, com diversas formas de escrita, o que contribui para que a leitura não seja maçante.

Aliás, talvez isso seja o que mais me encanta em uma antologia como essa, de um gênero que leio livros e mais livros: a diversidade. Romances podem ser clichês, mas não necessariamente o são. Me divirto vendo os destinos que os autores traçam para seus personagens, as formas como se desenrolam os acontecimento.

 “Como eu aguentava aquela menina que só vivia para falar de amor, amor e amor? Isso era invenção do consciente do ser humano. Carência pura do ego do indivíduo”

(Conto: Maria Felícia e a inexistência do amor)

Por fim, também me encanta saber que por meio da antologia Um amor para chamar de meu podemos conhecer novos autores nacionais. Autores com muitas possibilidades de escreverem excelentes livros. Parabéns e muito obrigada, pessoal!

Se interessou por essa antologia? Então não deixe de clicar aqui.