A ruiva ao lado — Taynara Melo

Título: A ruiva ao lado 
Autora: Taynara Melo 
Editora: Publicação Independente 
Páginas: 78  
Ano: 2021 (2º edição)

A ruiva ao lado é uma obra razoavelmente curta e, por isso, rápida de ler. Além disso, um dos principais plots da narrativa está colocado logo no início, mas, mesmo assim, o mistério perdura por toda a obra.

“Já vi aquele olhar. Mas não me lembro em quem”

Celine tem 32 anos e ainda carrega consigo a dor de ter sido abandonada pela mãe aos 10 anos de idade, tendo crescido apenas com o pai, alcoólatra.

“Até hoje sinto que a minha felicidade foi embora com minha mãe, no dia que ela partiu”

Apesar de tantos percalços, Celine conseguiu construir sua vida e, ao contrário da mãe, jamais abandonou o pai, mesmo diante da dificuldade e da tristeza de conviver sob o mesmo teto que alguém com um vício tão complicado e destrutivo quanto o álcool.

“Nesse exato momento, ele está na reunião do AA. Fico feliz por ele estar se empenhando. No mês anterior, ele havia completado quatro anos de sobriedade. Aquilo, para ele, era uma vitória diária. E eu estava orgulhosa dele”

Mas claro que, quando as coisas começam a se ajeitar, a vida vem e traz novas surpresas e desafios.

“Só quero seguir em frente, sem esse drama à minha volta”

Voltando de um delicioso final de semana com as amigas, Celine conhece Laura, a ruiva que pede para sentar ao seu lado no ônibus.

Desse momento, nasce uma linda e surpreende relação. Um elo que não é sempre que conseguimos criar em tão pouco tempo.

Mas é também por causa desse momento que todo o passado de Celine vem à tona e sua vida vira um caos.

A ruiva ao lado é, portanto, uma história que fala sobre abandono, alcoolismo, depressão e, acima de tudo, perdão.

“Compreendi que o perdão deve ser dado de coração”

Se quiser realizar esta leitura, prepare-se para encontrar sentimentos intensos e, claro, para chorar. Clique aí embaixo para saber mais e não deixe de seguir a autora nas redes sociais (Twitter e Instagram) para conhecer esta e suas demais obras.

Citações 49 — Não precisamos dele

Hoje não trarei aqui tantos trechos da obra Não precisamos dele (Taynara Melo), cuja resenha você pode conferir neste post. No entanto, são passagens que eu não poderia deixar de dar o devido destaque.

Como dito na resenha, neste livro temos a história de duas mulheres que estão passando por um momento importante e intenso em suas vidas.

“Amo a mulher que me tornei, embora cheia de cicatrizes”

E é justamente por tudo o que têm vivido que elas têm tanto a nos ensinar, o que torna a leitura desta obra tão enriquecedora e prazerosa.

“Lugar de mulher é onde ela quiser estar”

E elas ensinam e transmitem mensagens para além do óbvio, nos fazendo enxergar possibilidades e destinos que nem sempre encontramos em outros livros como este.

“Desde o meu divórcio, me sinto livre”

Durante a leitura, acho difícil não encontrar ao menos um momento com o qual você se identifique. Ou então ecos de pensamentos que você já tenha tido.

“É engraçado como as pessoas olham para as mulheres pequenas e acreditam que elas são frágeis. Tanto no físico como no emocional”

Se depois destas passagens e de ler a resenha de Não precisamos dele, você ficou com vontade de conhecer melhor a história da Miranda e da Anna, não deixe de clicar aqui:

Não precisamos dele — Taynara Melo

Título: Não precisamos dele
Autora: Taynara Melo
Editora: Publicação independente
Páginas: 114
Ano: 2021

Não precisamos dele é um livro narrado por duas personagens femininas que estão se (re)descobrindo, (re)erguendo e aprendendo a viver em suas próprias companhias.

“Precisei perder você para me encontrar. Precisei relembrar todas as suas falas para me amar. Precisei criar coragem para avançar”

De um lado temos Miranda Karpi, uma jovem que, no início do livro, nos revela não ter concluído seus estudos e que, por isso, vive às custas do namorado.

Quer dizer: vivia.

Ao anunciar uma gravidez não planejada, tudo vai por água abaixo e, sozinha, Miranda precisa encontrar um rumo na vida para dar ao bebê que está por vir tudo o que for necessário.

“A mulher é capaz de transformar uma casa em um lar, independentemente se esse lar é composto por um homem ou não”

De outro lado, temos Anna Veloso, casada, médica ginecologista, mãe de um garotinho de 6 anos. Uma vida que poderia ser perfeita, não fosse o casamento, que vai de mal a pior.

“— Às vezes, precisamos levar várias porradas da vida para compreender uma coisa simples como essa”

Muito mais que o fato de serem mulheres que precisam se reencontrar, essas duas personagens, mesmo tão diferentes, têm muito em comum. E, claro, suas vidas acabam se cruzando.

“Foi preciso uma amante aparecer na minha porta para abrir meus olhos e eu criar coragem para recomeçar”

A leitura de Não precisamos dele é rápida e cheia de temas importantes e reflexões necessárias. Uma obra que fala sobre amor próprio, feminismo, empoderamento, amizade, traição, paternidade e até mesmo violência doméstica e suicídio.

“Se eu não me respeitar, então quem vai?”

Trata-se de um livro necessário, retratando mulheres que eu só não direi que são reais porque elas possuem uma maturidade que talvez a maioria de nós ainda precisa trabalhar muito para alcançar. Mas ler Não precisamos dele pode ser uma forma de nos fazer entender isso.

“A inteligência emocional é resultado de muito treino, assim como qualquer outra competência”

Se você acha que este livro é para você ou se ainda tem dúvidas disso, não deixe de saber mais sobre ele clicando aí embaixo!

Citações #40 — Minhas escolhas

Quando escrevi a resenha de Minhas escolhas, da autora Taynara Melo, acabei deixando alguns quotes de fora e agora apresento-os a você em mais um post exclusivo de quotes literários.

Em se tratando de uma obra que aborda tanto assuntos importantes, era natural que isso acontecesse. Mas os quotes que trago hoje se referem mais a passagens reflexivas da história, falando principalmente sobre o medo, sentimento que a permeia em diversos momentos:

“O medo nos faz estacionar, impede nosso avanço”

Ainda relacionado a esse sentimento, temos também a presença da morte na narrativa:

“A morte é assim, leva embora da terra as pessoas que amamos, enquanto nós temos que continuar a caminhada, até chegar a nossa vez”

E claro que, pelo próprio título da obra, já podemos imaginar que as escolhas estão presentes nos mais diversos momentos, né? Hora porque a protagonista quer mudar de vida, hora porque ela está passando por alguma situação extremamente complicada, o que, por vezes, dificulta a nossa tomada de decisão:

“Sinto-me sem rumo e sem conseguir pensar um pouco mais além”

Partindo desse aspecto, chegamos a outra essencial também, que é o momento em que enxergamos e aceitamos que precisamos de ajuda:

“Eu precisaria de ajuda para tirar esse sentimento de dentro de mim. Eu não conseguiria mais viver com a mente perturbada”

Por fim, uma coisa que aparece realmente bastante, estando por trás de praticamente todos os temas que mencionei até aqui, são as relações entre as pessoas:

“Muitas pessoas passaram pela minha vida ao longo desses 27 anos, mas foram pouquíssimas, que eu trouxe para perto de mim e tratei como família”

E aí, o que achou desses trechinhos? Ficou com vontade de ler Minhas escolhas? Então é só clicar aqui!

Minhas escolhas — Taynara Melo

Título: Minhas escolhas
Autora: Taynara Melo
Editora: Publicação Independente
Páginas: 101
Ano: 2021

É difícil falar sobre Minhas escolhas quando já falei o quanto acho ele incrível no prefácio que a autora me convidou a escrever para a obra. Por outro lado, provavelmente só lerá o prefácio quem já estiver predisposto a ler o livro e uma resenha é sempre uma boa forma de fazer novos leitores se interessarem, certo? Então aqui vamos nós!

Narrado por Lívia, uma mulher de 27 anos que crescera em uma cidade pequena, no interior, e que agora mora em São Paulo (capital), Minhas escolhas é um livro que consegue, em poucas páginas, abordar algumas temáticas importantes, ao mesmo tempo que nos coloca ao lado dessa protagonista tão forte e tão real.

“Quero ser quem eu quiser ser, pois ainda não me conheço de verdade”

A história já começa com Lívia se questionando sobre algumas imposições sociais relacionadas a roupas e cosméticos. Esses questionamentos também se estendem aos cuidados com nosso corpo, como depilação e, no extremo, cirurgias plásticas (apenas por estética).

“Lívia? Lembre-se sempre: ser diferente é bom”

A posição de Lívia, porém, é um pouco complicada, uma vez que ela trabalha para uma empresa de beleza e deve estar sempre na moda e seguir todas as novidades do setor. Para piorar: ela é ex-namorada do dono da empresa.

“Eu queria nunca ter aceitado seu pedido de namoro, mas, infelizmente, não dava para voltar e refazer minhas escolhas”

Quem nunca fez escolhas erradas na vida que atire a primeira pedra, não é? Ainda mais quando se é jovem e toda oportunidade parece simplesmente imperdível. Imagine, Lívia vinha de uma cidade do interior, precisava trabalhar para pagar suas despesas na cidade grande. Um emprego em uma renomada empresa de beleza… O que mais querer?

“Quando foi que minha vida virou um caos e eu não percebi?”

Felizmente, conhecemos essa personagem num momento de reflexão, percebendo que nada daquilo tinha a ver com ela. O primeiro clique foi livrar-se de um relacionamento tóxico com seu ex. O passo seguinte era sair daquele emprego que não combinava com sua essência. Mas sempre há pedras no caminho…

“Nunca me senti tão livre como me sentia agora, dois meses após o término. Mas ainda precisava me libertar daquele emprego”

É por meio desse enredo que a autora consegue discutir sobre padrões surreais de beleza, relacionamentos abusivos, perigos das redes sociais, mas também sobre sonhos, escolhas, amizades e família.

“Adoraria que os pais conversassem com seus filhos sobre o que é real e o que não é nas redes sociais”

Acho que, no fundo, todos nós carregamos algo de Lívia dentro de nós. E todos nós passaremos por um momento em que será preciso parar e refletir se estamos realmente na estrada certa ou se é o momento de retroceder um pouco e mudar os rumos. Porque tarde nunca é, mesmo que dê medo!

“Não temos bola de cristal para saber o que o futuro nos reserva”

Ah, eu também não poderia deixar de mencionar que, através do clímax da história (que nos deixa com o coração na mão!), Taynara consegue falar também sobre feminismo, feminicídio e sobre a importância de não julgar apenas pelas aparências.

“O que nós mulheres e homens precisamos é de mais atitude, empatia das autoridades, menos burocracia na hora de aplicar a justiça”

Acredito que, por todas as temáticas que mencionei, seja importante lembrar que esta é uma história que pode despertar algum tipo de gatilho. Para mim, os temas foram tratados de maneira relativamente leve, deixando a leitura prazerosa, apesar dos assuntos mais fortes, mas fica o aviso para quem tem dificuldades com algum desses temas. De resto, posso apenas recomendar a leitura de Minhas escolhas, que você encontra aqui.