Dois garotos se beijando — David Levithan

 

Título: Dois garotos se beijando
Original: Two boys kissing
Autor: David Levithan
Editora: Galera
Páginas: 222
Ano: 2015
Tradutora: Regiane Winarski

dois garotos se beijando

Daquele doce prazer de pegar um livro sem grandes pretensões, me deparo com Dois garotos se beijando. Me entreguei, então, a uma leitura que se mostrou difícil a princípio, mas que logo me envolveu de tal maneira que talvez seja difícil falar desse livro.

“Uma coisa é mostrar a alguém a sua melhor e mais limpa versão. É bem diferente deixar que ele conheça seu eu profundo e irregular”

(pg. 64)

Com uma linguagem coloquial e quase poética, Dois garotos se beijando nos apresenta, na verdade, a história de vários adolescentes, contada por narradores externos, que aos poucos vamos entendendo quem são e porque narram essas histórias. E mais que isso, esse livro, na verdade, pode contar a história de praticamente qualquer adolescente, o que o torna ainda mais incrível.

“Você gasta tanto tempo e tanto esforço tentando se manter firme. E então tudo desmorona de qualquer jeito”

(pg. 36)

O que liga os personagens desse livro, claro, é o fato deles serem gays. E jovens. E viverem momentos delicados de sua vida, em que precisam mostrar às mentes preconceituosas que eles são tão humanos quanto qualquer ser humano. Ou até mais humanos que certos seres humanos.

“Há tantos momentos aos quais você acha que não vai sobreviver. Mas você sobrevive”

(pg. 97)

Este livro não tem capítulos, mas sim quebras a cada vez que mudam os personagens em foco. Assim, ora acompanhamos Neil e Peter, ora acompanhamos Cooper. Também podemos acompanhar Avery e Rayan, ou então Craig e Harry.

Um casal que está junto há certo tempo, um casal se formando, amigos que já foram um casal e um jovem solitário que não compreende o mundo, que o vê como um grande vazio e uma rede de mentiras. Há muito em comum entre eles, mas também há muito de único em cada um.

“Sempre há alguma coisa nova para aprender sobre a pessoa que você ama”

(pg. 46)

E entre uma história e outra vamos refletindo como, ainda hoje, há muito preconceito com pessoas LGBTQ+ e o quanto pode ser difícil, por causa disso, para elas se assumirem. Vamos refletindo, ainda, como, por outro lado, há muitas feridas que também dizem respeito a nós, nos mostrando ainda mais como somos todos iguais e podemos ter dores tão semelhantes.

“O amor é tão doloroso; como podemos desejar para alguém? E o amor é tão essencial; como podemos atrapalhar o progresso dele?”

(pg. 15)

Esse é um daqueles livros para você que gosta de falar sobre sentimentos, gosta de poder refletir sobre a vida e que, ao mesmo tempo, busca um livro com uma leitura fluída e que te prende, porque você quer saber se as coisas terminarão ou não “bem” (na medida do possível. E não que elas terminem efetivamente).

Dois garotos se beijando é um evento, e só lendo o livro você vai poder realmente entender o significado dessa frase. Ainda que ler esse livro, por si só, possa ser um grande evento em nossas vidas.

Ficou interessado(a)? Então clica aqui!

 

 

2 comentários em “Dois garotos se beijando — David Levithan

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s