Citações #14 — As cinco pessoas que você encontra no céu

Mais algumas citações retiradas de As cinco pessoas que você encontra no céu, de Mitch Albom, publicado no Brasil pela editora Sextante, em 2018. Como comentei em minha resenha, trata-se de um livro que nos faz refletir sobre nossas vidas e sobre aquilo que fazemos enquanto vivos. E sobre isso, eis a primeira citação, a mais forte delas:

“A gente costuma pensar que o ódio é uma arma contra a pessoa que nos fez mal. Mas a lâmina do ódio é curva. E o mal que fazemos com ele, fazemos a nós mesmos” (p.135)

É a famosa lei do retorno, o “tudo que vai, volta”. Ao invés de espalharmos ódio, porque não espalhar gentileza? Já não estamos vivendo em um mundo suficientemente conturbado?

E por falar nesse mundo, para aqueles que acreditam que o paraíso só existe após a morte e somente para aqueles que viverem uma vida regrada:

“Mas o céu pode ser encontrado nos recantos mais improváveis” (p.39)

Não quero dizer, com isso, que podemos viver como bem entendermos, porque sempre encontraremos o céu. O que estou tentando mostrar é que podemos encontrar paz onde menos esperamos: numa tarde com um amigo, num abraço apertado de uma pessoa que amamos, num gesto doce e inesperado. Precisamos, porém, estarmos abertos a essas possibilidades.

Por fim, algo que certamente já te fez pensar em algum momento de sua vida e que, se não fez, deixo aqui de reflexão:

“– A justiça – disse ele – não governa a vida e a morte. Se governasse, nenhuma pessoa morreria jovem” (p.51)

As cinco pessoas que você encontra no céu – Mitch Albom

Título: As cinco pessoas que você encontra no céu
Original: The five people you meet in heaven
Autor: Mitch Albom
Editora: Sextante
Páginas: 188
Ano: 2018

Eis a resenha do primeiro livro que ganhei em um sorteio de cortesia do Skoob! As cinco pessoas que você encontra no céu é um livro que nos faz refletir sobre nossas vidas e nossas ações.

Trata-se da história de Eddie, que após ferir a perna na guerra é enviado de volta para seu país, onde passa a trabalhar como mecânico de manutenção em um parque de diversões. O livro começa pelo fim, mas não à maneira Machadiana; apenas começa com a morte de Eddie, para que a narrativa, em si, possa ocorrer.

“Mas todos os fins são também começos. Embora, quando acontecem, não saibamos disso”

As cinco pessoas que você encontra no céu (p.9)

Eddie morre exatamente no dia de seu aniversário de 83 anos, em um acidente no parque em que trabalhava. A partir disso o livro vai intercalando capítulos que ocorrem no céu e capítulos que se passam quando ele ainda era vivo, sendo estes, em sua maioria, intitulados “Hoje é aniversário de Eddie”.

A primeira pessoa que Eddie encontra no céu é o Homem Azul, uma pessoa de quem Eddie não se lembrava de conhecer antes de sua morte. Ele está lá para mostrar ao protagonista como todos nós estamos conectados de alguma forma.

“Nenhuma história existe isoladamente”

As cinco pessoas que você encontra no céu (p.18)

A segunda pessoa que Eddie encontra no céu é seu ex-comandante na guerra. Ele esclarece algumas coisas ao protagonista com relação àquele período, mas, acima de tudo, lhe ensina que alguns sacrifícios são necessários e que a morte de uma pessoa pode significar a vida de tantas outras.

“O céu é isto. A gente vem entender nossos dias de ontem”

As cinco pessoas que você encontra no céu (p.91)

A terceira pessoa é, novamente, alguém que Eddie não se lembra de ter conhecido em vida: trata-se de Ruby. Ela também esclarece alguns acontecimentos da vida do protagonista e o ensina a perdoar. Aprendemos muito sobre questões familiares ao longo dessas páginas.

“A juventude, como o vidro novo, absorve as marcas de quem a manipula”

As cinco pessoas que você encontra no céu (p. 101)

O quarto encontro é o mais bonito de todos e nos fala sobre o amor. Eddie encontra Marguerite. Um encontro capaz de arrancar algumas lágrimas dos leitores apaixonados.

Por fim, a quinta pessoa que Eddie encontra no céu também lhe parece apenas uma desconhecida, mas que, mais uma vez, mostra-lhe como todas as vidas, de alguma forma se cruzam. E como tudo o que aconteceu na vida de nosso protagonista precisava acontecer daquela forma. Trata-se da pessoa que concede o perdão final à Eddie. Que permite que ele aceite sua história e possa viver em paz a sua morte.

As cinco pessoas que você encontra no céu nos faz refletir, portanto, sobre o encadeamento de acontecimentos que nos cercam e que vivemos diariamente, além de nos fazer enxergar que talvez certas coisas, por mais dolorosas que sejam, são necessárias em nossa história.