Antologia do humor russo – Arlete Cavaliere (organizadora)

Título: Antologia do humor russo
Autor: Arlete Cavaliere (organizadora)
Editora: 34
Páginas: 563
Ano: 2018 (1º edição)
Tradução: vários

humor russo banner

Finalmente trago a vocês a resenha desse livro. Quem me acompanha por aqui deve ter percebido que durante vários meses ele apareceu como “leitura em andamento” nos meus resumões. Isso porque esse livro reúne inúmeros contos e optei por ir lendo aos poucos, sem cobrança, alternando com outras leituras.

Ao pegar esse livro para ler eu fiquei pensando em como faria a apresentação dele a vocês. Pensei se valeria a pena fazer algo nos moldes do que fiz com os Contos Russos no ano passado, mas optei por trazer uma resenha mais geral, devido ao tamanho deste livro. Sim, porque a Antologia do humor russo reúne 57 textos, de 37 autores diversos! E, segundo a organizadora do livro:

“A recolha dos textos, em sua maioria inéditos em língua portuguesa e traduzidos diretamente do original, se pautou, portanto, mais pela captação de percepções originais e variadas do humor russo do que pelo enquadramento dos escritores a grupos ou tendências literárias unificadas por uma filiação historiográfica, estética ou ideológica”

(p.12)

Essa explicação da organizadora já nos dá muito o que falar sobre o livro. Em primeiro lugar, entramos em contato com textos que anteriormente não tínhamos contato aqui no Brasil. E estamos falando de textos até mesmo de escritores russos conhecidos, como Dostoiévski, Tolstói e Tchekhov. E Antologia do humor russo é um trabalho coletivo e tanto: diversos estudiosos e tradutores se reuniram para nos trazer esses textos traduzidos diretamente do original.

Por outro lado, a organizadora deste volume diz que os textos foram selecionados “pela captação de percepções originais e variadas do humor russo”. Bem, ao ler esse livro precisamos ter em mente, de maneira bem clara, um detalhe importante: o humor russo pode ser bem diferente do nosso humor! Não espere dar altas gargalhadas, com um humor debochado. Você irá se deparar, na verdade, com textos irônicos, satíricos, paródicos e até absurdos. Textos que te farão pensar e que, talvez, cheguem a arrancar um leve sorriso de ti.

“O ser humano adora duvidar”

(pg. 149)

Os textos que encontramos ao longo dessa obra, apesar do título da coletânea, vão muito além do gênero conto: temos cartas, peças de teatro, crônicas, anedotas e até trechos de romances. E além de nos depararmos com essa pluralidade de formas, encontramos tanto escritores quanto escritoras, das mais variadas épocas, em um período que vai de 1832 a 2014. Se você quer conhecer um pouco mais da rica literatura russa, portanto, esse livro é, sem sombra de dúvida, um prato cheio.

 

Citações #10 — A arte de ler

E hoje trago mais algumas citações de A arte de ler, escrito por Michèle Petit e publicado no Brasil em 2010 (2º edição) pela Editora 34. Em minha resenha eu comentei sobre o fato da autora nos apresentar a importância da leitura sob diversas perspectivas, dentre elas, a de nos ajudar em nosso caos interior:

“Hoje, é possível dizer que o mundo inteiro é um espaço em crise” (p.20)

A autora também nos mostra algumas especificidades da leitura:

“A leitura é uma arte que se transmite, mais do que se ensina” (p.22)

É por isso que pais leitores despertam com muito mais facilidade em seus filhos o hábito da leitura. É o famoso “ensinar pelo exemplo”.

Mas ainda sobre as especificidades da leitura:

“Assim a leitura se mostra paradoxal, permitindo ao mesmo tempo uma escapada solitária e encontros” (p.80)

Ler é algo imensamente prazeroso para aqueles que cultivam esse hábito porque querem. Mais que isso, como pudemos notar com esses trechos, é algo que nos ajuda, que nos transforma e que nos salva. Segundo Michèle Petit, ler também faz com que a gente fale. E sou obrigada a concordar com isso, afinal, ter esse blog é uma maneira de falar, de me colocar no mundo e de me apresentar aos outros.

“Ler faz com que as crianças, adolescentes, as pessoas idosas falem por si mesmos, ou uns com os outros” (p.103)

Por fim, deixo uma pergunta feita pela autora. Adoraria ler as respostas de vocês…

“Quais são, com efeito, os textos que ajudam a viver em tempos difíceis?” (p.174)

E então, que livros/textos já te ajudaram em tempos difíceis?