Céu sem estrelas — Iris Figueiredo

Título: Céu sem estrelas
Autora: Iris Figueiredo
Editora: Seguinte
Páginas:357
Ano: 2018

céu sem estrelas blog

Sabe aquela brincadeira de descrever de forma tosca um livro? Pois se fosse para falar de Céu sem estrelas nesses termos eu diria que é o livro da menina depressiva que gosta de ler livros depressivos. Claro que, como eu disse essa seria uma descrição tosca. Mas ao mesmo tempo, a tosquice tem um fundo de sentido, porque esse é um livro que nos apresenta uma protagonista… Comum!

“Acho que todo mundo só enxerga no outro aquilo que é conveniente”

(p. 90)

Quando eu digo que Cecília é comum, porém, não estou dizendo que ela é uma pessoa qualquer — afinal, Céu sem estrelas também nos mostra que todos somos especiais, cada um do seu jeito — mas que ela é uma personagem como nós, alguém que facilmente podemos encontrar em um amigo querido, em um parente, em qualquer lugar que frequentemos. E é tão bom poder ler um livro com alguém tão real quanto Cecília (e os demais personagens).

“Por mais que a gente achasse que conhecia uma pessoa, sempre havia mais”

(p. 317)

Esse é um livro que tem a sua dose de romance (coisa que eu amo), mas que vai muito além disso. A narrativa é alternada entre capítulos de Cecília e de Bernardo, que é o irmão mais velho de Iasmin, que, por sua vez, é a melhor amiga de Cecília.

“Cecília era uma caixinha de segredos e mentiras, tentando encobrir as partes feias da vida e pintar uma versão melhor de si mesma para o mundo. Ela não queria que sentissem pena”

(p. 161)

Cecília é uma garota que sofre com seus ataques de pânico e com uma mente que não consegue controlar, além de ter de lidar com olhares e palavras maldosas dos outros (inclusive familiares) por estar acima do peso. Para completar seu infortúnios, ela não se dá muito bem com a mãe a ainda perde o emprego, o que gera uma briga familiar e tanto.

“Nem eu mesma sabia quem eu era. Tinha passado tanto tempo preocupada em fazer as coisas do jeito certo, ser perfeita… Só fazia o que as pessoas queriam que eu fizesse. Porque eu queria ser amada”

(p. 70)

Bernardo, por outro lado, vem de uma família rica e aparentemente bem estruturada. Mas sabemos que isso geralmente é só aparência mesmo. Seus pais vivem brigando e, em seu íntimo, Bernardo sofre com isso. A família dele é quase um belo retrato daquela “família tradicional brasileira” bem estereotipada mesmo.

“Eu ainda me desdobrava em duas — quem as pessoas queriam ver e quem eu realmente era. Tinha me acostumado com a dupla identidade”

(p. 214)

Como esperado, Iasmin também é uma personagem importante ao longo da trama, e por meio dela a autora ainda consegue nos fazer refletir sobre relacionamentos abusivos.

“Eu tinha certeza que princesas não escondiam cicatrizes”

(p. 232)

Para completar o trio de amigas inseparáveis temos, Rachel, que é cadeirante e provavelmente uma das personagens mais sensatas da história.

“Quando nos importamos com alguém que vive uma luta tão profunda contra seus próprios monstros, o medo de que algo esteja fora do lugar sempre bate à porta”

(p. 321)

Por meio dos personagens secundários, Iris ainda consegue retratar muito da vida (e do estilo de vida) dos jovens universitários e também da rotina da faculdade em si.

“Eu estava cansada de pedir desculpas por meus sentimentos. Às vezes tinha a impressão de que fazia isso o tempo inteiro”

(p. 182)

Céu sem estrelas era um desses livros que eu ouvia falar e tinha muita vontade de ler. Graças à Ingrid (obrigada, miga!!) meu desejo se realizou e sinto que a espera valeu a pena. O livro chegou no momento certo e apesar de abordar tantos assuntos delicados, serviu como um abraço quentinho. A leitura flui muito bem, daquele jeitinho que a gente não quer largar o livro até o final, mesmo quando percebe que vai dar tudo errado.

“Era tudo na minha cabeça. A dor era toda na minha cabeça, mas isso não a tornava menos real”

(p. 191)

Não sei se essa história poderia ser gatilho para algumas pessoas, mas acredito que não. Cecília vive na pele um pouco de tudo. Senti que a história conseguiu ser realista e sensível, mostrando inclusive como é difícil pedir ajuda ou mesmo entender o que se está passando.

“Eram muitas perguntas, e eu não queria descobrir as respostas. Era cansativo viver com um cérebro que pensava demais”

(p. 150)
Se interessou por esse livro? Então clique aqui!

Extraordinárias — Duda Porto e Aryane Cararo

Título: Extraordinárias: mulheres que revolucionaram o Brasil
Autoras: Duda Porto de Souza e Aryane Cararo
Editora: Seguinte
Páginas: 207
Ano: 2018 (2º edição)

extraordinárias blog

Acho que a resenha desse livro — que, como veremos, é um tanto quanto diferente — não poderia vir em momento mais propício: domingo é dia 8 de março, dia internacional da mulher, e essa é uma leitura que todos nós deveríamos fazer não apenas nessa data, mas em todos os dias do ano.

Extraordinárias: mulheres que revolucionaram o Brasil é como uma enciclopédia, feita para que possamos conhecer um pouco melhor (ou simplesmente conhecer!) algumas mulheres que contribuíram — e muito — com o nosso país.

“Para Jarid, o racismo e o machismo da sociedade fazem com que  heroínas como Dandara sejam quase completamente apagadas da história brasileira”

(pg. 18)

Logo de cara as autoras desse livro nos fazem refletir: quem é a sua heroína? Sim, uma mulher, de carne e osso, em quem você se inspira. Uma boa pergunta, não?

“É fácil citar estrangeiras, mas onde ficam as brasileiras nessa lista? Sua inspiração é uma de nós?”

(pg. 9)

Quando eu digo que esse é um livro para que simplesmente possamos conhecer algumas mulheres, estou querendo dizer que muitas das que são apresentadas ao longo dessas páginas eu sequer tinha ouvido falar antes! Até mesmo Maria Firmina dos Reis, primeira mulher a escrever um romance no país. Talvez em algum momento de minha vida eu tenha ouvido falar de “Úrsula”, seu livro, mas o nome da autora passou bem desapercebido ao longo desses anos… E esse é apenas um dos exemplos que tenho para citar.

Extraordinárias: mulheres que revolucionaram o Brasil também é um livro muito visual: tem uma capa meio holográfica e as páginas são ilustradas com imagens de cada uma das mulheres apresentadas. E o melhor: todas as ilustrações também são feitas por mulheres!

Além de apresentar brasileiras, ao final, o livro também apresenta algumas “abrasileiradas”, isto é, mulheres que não nasceram aqui, mas que praticamente consideramos brasileiras (inclusive Carmem Miranda!).

Como esse não é um livro de uma história única — aliás, é um livro de muitas histórias, inclusive a nossa própria! — eu li ele aos poucos. Foram meses e meses lendo em doses homeopáticas os perfis dessas brasileiras e abrasileiradas incríveis. E, sem dúvidas, aprendi e refleti muito.

Pelo formato e pelo conteúdo dessa obra, penso que seria ótimo que cada escola pudesse ter ao menos um exemplar em sua biblioteca. Seria um livro de consulta e, ao mesmo tempo, de inspiração. Um livro que todos nós precisamos ler ao menos uma vez na vida, para nunca esquecê-lo.

Se interessou por Extraordinárias? Clica aqui.

 

Citações #13 — Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo

Quem quer ler mais algumas citações incríveis de Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo, de Benjamin Alire Saénz? Trata-se de um livro publicado no Brasil pela editora Seguinte, em 2014. A história aborda os mais variados temas, como alguns dos mistérios da vida (algo que já fica um pouco claro pelo título do livro, não?):

“O riso era outro mistério da vida” (p.27)

“Aposto que às vezes é possível desvendar todos os mistérios do Universo na mão de uma pessoa” (p.156)

Esse trecho aí de cima é lindo, não?

Para além dos segredos da vida, esse livro fala, como pudemos perceber, sobre o amor, o maior sentimento que podemos ter. Mas também fala sobre outro sentimentos que pode ser comum a muitos de nós: a solidão:

“A solidão dos homens é maior que a das crianças” (p.95)

Sobre isso, podemos pensar muitas coisas, afinal, por que a solidão dos adultos é maior? Provavelmente porque as crianças não têm tanto medo de viver, de se machucar, de se decepcionar. E, com isso, aceitam todos aqueles que queiram estabelecer alguma relação com elas. Definitivamente, temos muito a aprender com as crianças!

Segundo este livro, poderíamos aprender também com os pássaros, algo que não posso deixar de concordar:

“Se estudássemos os pássaros, poderíamos aprender a ser livres” (p.67)

Para quem nunca leu Aristóteles e Dante, vale dizer que é uma obra que também fala sobre amizade, carinho, medos e bondade:

“Mas o Sr. Quintana era valente. Não lhe importava que o mundo inteiro soubesse de sua bondade” (p.116)

E, como não poderia deixar de ser, mais uma vez Benjamin Alire Sáenz destaca muito o poder da palavra, algo que realmente é importante ressaltar. Uma arma e tanto que temos à nossa disposição 24 horas por dia:

“As palavras ficam diferentes quando passam a morar dentro de você” (p.42)

Citações #11 — A lógica inexplicável da minha vida

Chegou a vez de trazer mais algumas passagens de A lógica inexplicável da minha vida, de Benjamin Alire Sáenz. O livro foi publicado em 2017, no Brasil, pela Editora Seguinte. Trata-se de um livro que simplesmente conquistou meu coração, pois, como eu disse em minha resenha, ele aborda uma infinidade de temas e sentimentos tão nossos. Sobre esse assunto, porém, acabei deixando de lado uma passagem que achei muito bonita:

“O interessante das lágrimas é que elas podem ser silenciosas como uma nuvem flutuando por um céu deserto” (p.21)

Eu quase sempre trago uma passagem sobre lágrimas ou choro aqui, né? É que eu ainda acho que subestimamos muito essa nossa maneira de transbordar alguns sentimentos que carregamos dentro de nós…

Outra citação que acabei deixando de fora da minha resenha foi:

“Palavras só existem na teoria. E então, um dia qualquer, você encontra uma palavra que só existe na teoria e fica cara a cara com ela. E aí essa palavra se torna alguém que você conhece” (p.25)

Pode não parecer para quem não leu o livro e está vendo essa passagem solta assim, mas ela fala, principalmente (e novamente), sobre a descoberta de sentimentos; sobre sentir na pele o preconceito, o medo de algo, o amor, a amizade; sobre entender certos mecanismos da vida e passar a conviver com eles.

Aliás, o fato do autor destacar tanto o poder das palavras foi algo que realmente me encantou ao longo de A lógica inexplicável da minha vida. Eu já disse isso aqui algumas vezes, mas sempre gosto de repetir: palavras possuem força. Elas são capazes de machucar, de curar, de transformar. Por isso temos sempre de tomar cuidado com o que falamos por aí!

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo – Benjamin Sáenz

Título: Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo
Original: Aristotle and Dante discover the secrets of the Universe
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Páginas: 390
Ano: 2014 (1º edição)
Tradução: Clemente Pereira

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo foi o segundo livro de Benjamin Alire Sáenz que li , apesar deste livro ter sido lançado no Brasil antes de A lógica inexplicável da minha vida. Pensando nesses dois livros, é possível notar muitos elementos em comum, mas cada história possui suas surpresas e sua narrativa cativante.

Além disso, a leitura desse livro foi ainda mais especial para mim, pois ao longo das páginas havia vários recados deixados por meu melhor amigo. Cada um desses recados enriqueceu ainda mais minhas impressões e reflexões, além de me deixar muito feliz.

O livro é narrado por Aristóteles, um jovem que, assim como Salvador (de A lógica inexplicável da minha vida), tem muitas dúvidas com relação à vida. Aristóteles é um pouco mais novo que Sally, mas ambos estão em uma fase realmente conturbada: os anos de ensino médio, cheios de dúvidas, medos e descobertas.

“Acho que eu era um mistério até para mim mesmo”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.26)

Aristóteles é um jovem bem soturno (o que também torna a narração deste livro mais taciturna que a de A lógica inexplicável da minha vida). Ele mora com os pais e tem duas irmãs bem mais velhas, além de um irmão sobre o qual ninguém fala, pois ele está preso. Fora isso, seu pai é uma pessoa muito calada e guarda muita coisa dentro de si, principalmente as sombras do seu passado na Guerra do Vietnã.

“Não falar pode deixar alguém muito solitário”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.22)

Durante as férias de verão Aristóteles faz uma amizade, coisa rara para ele. Seu novo amigo chama-se Dante (até eles riem dessa “coincidência”).

“Dante se tornou mais um mistério em um mundo cheio de mistérios”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.28)

Juntos, Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo vivem momentos únicos: eles conversam, jogam, trocam conhecimentos, discutem… Enfim, fazem o que seres humanos “normais” fazem juntos (eles vivem batendo na tecla de que não são normais).

“- Ninguém sabe exatamente o que está fazendo”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.58)

Por falar em “bater na mesma tecla”, Aristóteles tem uma péssima autoestima. Além de ser fechado ele consegue se autodepreciar o livro inteiro! Fora que ele acha que é o único que tem dificuldades de entender a si mesmo e se encontrar.

“O mundo de Dante tinha ordem”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.40)

Os adultos também são importantes nessa história e estão representados, principalmente, na figura dos pais de Aristóteles e dos pais de Dante.

“Fiquei pensando que poemas são como pessoas. Algumas pessoas você entende de primeira. Outras você simplesmente não entende… e nunca entenderá”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.40)

Com relação às semelhanças entre este livro e A lógica inexplicável da minha vida, temos ainda o fato de que ambas as histórias se passam em El Paso, os jovens possuem uma questão com a identidade (entre mexicana e americana), as delineação das relações familiares e sociais, a questão da amizade, a homossexualidade, os conflitos internos pelos quais os jovens passam, a questão da lealdade… Enfim, há várias temáticas que realmente retornam.

“Às vezes, você só precisa contar a verdade às pessoas. Elas não vão acreditar. E deixarão você em paz”

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo (p.178)

Outra semelhança é a estrutura dos livros: ambos são divididos em partes, que ganham um título e uma frase (ou citação) e os capítulos são apenas numerados. As partes (e suas respectivas frases) de Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo são:

1. As diferentes regras do verão

O problema da minha vida era que ela tinha sido ideia de outra pessoa.

2. Pardais que caem do céu

Quando criança, costumava acordar achando que o mundo ia acabar

3. O fim do verão

Lembra-te do verão chuvoso… Deves deixar cair tudo o que quiser cair (Karen Fiser)

4. Letras sobre uma página

Há certas palavras que nunca aprenderei a escrever

5. Não se esqueça da chuva

Virando vagarosamente as páginas em busca de sentido (W. S. Merwin)

6. Todos os segredos do Universo

Por toda a minha juventude te busquei, sem saber o que buscava (W. S. Merwin)

Estou encantada com as histórias de Benjamin Saénz. Ele consegue falar de temas muito importantes de maneira que a história não fica nem chata e nem óbvia. Há sempre algum acontecimento que vem para modificar toda a ordem das coisas (muitas vezes já caótica) e há sempre um mistério que perdura até os momentos finais do livro. A narrativa nos permite um ritmo agradável, com altos e baixos que nos prendem, tensionam e depois nos tranquilizam.

 

A lógica inexplicável da minha vida

Título: A lógica inexplicável da minha vida
Original: The Inexplicable Logic of my Life 
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Páginas: 442
Ano: 2017 (1º edição)
Tradução: Flávia Souto Maior

(Para ler ao som de Paciência – Lenine)

A lógica inexplicável da minha vida é narrada por Salvador, ou então Sally, apelido criado por sua melhor amiga. Ele é um jovem que está no último ano do Ensino Médio e o livro nos mostra como sua vida vai de certezas a incertezas em apenas um instante. Por  Sally ser o narrador da história, conhecemos mais os  seus sentimentos, o que não significa que temos uma visão superficial dos demais personagens, uma vez que ele é extremamente empático.

Justamente pelo fato dos demais personagens terem um papel importante nesta trama, não podemos falar do livro sem falar deles também. A começar por Vicente, o pai adotivo de Salvador. Ele é um adulto maduro, bonito… e gay. Para Salvador isso não é um problema. Para o próprio Vicente isso não é um problema. Mas, para a sociedade em que vivemos… Bem, isso às vezes é um problema.

“As pessoas podem ser muito cruéis. Elas odeiam o que não conseguem entender”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 20)

Outro personagem importante é Mima, a avó de Salvador. Ela é uma figura doce, forte  (e ao mesmo tempo frágil) e cheia de histórias. A relação entre avó e neto é muito bonita e eles têm sempre conversas recheadas de lições e afetos.

“Se viver é uma arte, Mima é Picasso”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 53)

Temos ainda Sam a melhor amiga de Salvador. Os dois se conhecem desde muito pequenos, moram perto um do outro e compartilham de tudo. Uma amizade de irmãos. E há também Fito, que estuda no mesmo colégio que eles e enfrenta grandes batalhas: ele é filho de uma mãe viciada em drogas e é um jovem gay.

“Eu simplesmente não entendia o coração humano. O coração de Fito deveria estar partido. Mas não estava”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 74)

Há muitos outros personagens ao longo da narrativa, mas tendo conhecido estes é possível ter uma boa dimensão do que se passa, uma vez que cada um deles carrega uma grande carga de sentimentos e imprevistos que afetam, também, o nosso narrador.

“Lembrei da tempestade da noite anterior. Uma havia terminado; outra estava começando”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 133)

O livro está dividido em seis partes, uma mais supreendente que a outra. No início de cada parte sempre há uma frase ou parágrafo que sintetiza o que ocorrerá a seguir, nos ajudando a ter uma dimensão do que se passa na história sem dar spoillers. Vejamos:

  • Parte um: Talvez eu sempre tenha tido uma ideia errada sobre quem eu realmente era.
  • Parte dois: Tínhamos tanta certeza de nós mesmos, mas agora estávamos perdidos.
  • Parte três: De certo modo, por ela estar com as emoções à flor da pele, aquilo me ajudava a não ir pelo mesmo caminho. Não fazia sentido algum, mas o que eu e Sam compartilhávamos… Bom, tinha uma lógica própria.
  • Parte quatro: Talvez a vida fosse assim. Ir e voltar, depois acordar todas as manhãs e ir e voltar um pouco mais.
  • Parte cinco: Estradas são lisas e asfaltadas, e têm placas que dizem para que lado se deve seguir. A vida não é nada parecida com uma estrada.
  • Parte seis: À distância, é possível ver uma tempestade se formando: as nuvens escuras e os relâmpagos no horizonte vindo na minha direção. Eu espero, espero e espero pela tempestade. Quando ela chega, a água da chuva leva com ela os pesadelos e as lembranças. E eu não tenho medo.

Este livro consegue abordar de maneira simples, leve e deliciosa temas como preconceito, medo, amor, incertezas, amizade, união, perda, crescimento, aceitação… Fala sobre a vida, se quisermos ser sintéticos.

“Há dias em que acontecem coisas ótimas, e tudo é lindo e perfeito, e, do nada, tudo pode ir direto para o inferno”

A lógica inexplicável da minha vida (pg. 331)

Além disso, Salvador nos ensina que mesmo as pessoas que têm uma vida aparentemente perfeita – um pai legal, boas condições financeiras, amigos queridos, uma família bacana – podem viver grandes conflitos internos, afinal o “sentimento” é algo comum a todos os seres humanos. Bem como o amor. E é por amar cada pessoa do bem que o cerca que Salvador sofre tanto.

“Talvez tudo parecesse normal superficialmente. No interior, bem, havia sempre algum tipo de furacão”

A lógica inexplicável da minha vida (pg.267)

Eu perdi a conta de quantas vezes usei a palavra “sentimento” nesta resenha, mas é que A lógica inexplicável da minha vida definitivamente fala direto com nossos corações. Se você quiser conferir com seus próprios olhos, clique aqui.