Trem-bala – Ana Vilela

just wanted to say

Me lembro até hoje de estar distraída no carro enquanto as músicas iam tocando no rádio, uma após a outra, até que algo chamou a minha atenção: foi a letra de Trem-bala, a música que, desde então, tornou-se uma das minhas preferidas (ao menos em português).

Fui tentando memorizar alguns trechos da música, para mais tarde poder ouvi-la e ver se era tudo aquilo que me parecera ser. Era muito mais: Trem-bala fala sobre as pessoas que amamos; sobre viver a vida de maneira leve, aproveitando os pequenos momentos que ela nos propicia; sobre saber que as coisas dão certo e dão errado, mas que é o todo que nos faz chegar onde queremos… Enfim, é uma música sobre viver, mas de maneira a aproveitar o que a vida tem para nos oferecer.

Não é uma letra difícil de entender e não é a toa que Trem-bala fez muito sucesso. Você certamente já ouviu essa música em algum momento:

Não é sobre ter todas as pessoas do mundo pra si
É sobre saber que em algum lugar alguém zela por ti
É sobre cantar e poder escutar mais do que a própria voz
É sobre dançar na chuva de vida que cai sobre nós
É saber se sentir infinito
Num universo tão vasto e bonito, é saber sonhar
Então fazer valer a pena
Cada verso daquele poema sobre acreditar
Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu
É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu
É sobre ser abrigo
E também ter morada em outros corações
E assim ter amigos contigo em todas as situações
A gente não pode ter tudo
Qual seria a graça do mundo se fosse assim?
Por isso eu prefiro sorrisos
E os presentes que a vida trouxe pra perto de mim
Não é sobre tudo que o seu dinheiro é capaz de comprar
E sim sobre cada momento, sorriso a se compartilhar
Também não é sobre
Correr contra o tempo pra ter sempre mais
Porque quando menos se espera a vida já ficou pra trás
Segura teu filho no colo
Sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui
Que a vida é trem-bala parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir

E não bastasse essa música incrível por si só, meu amigo ainda me mandou uma versão dela em Libras e é de arrepiar:

Assinatura

Como nossos pais – Belchior

Como nossos pais

Hoje dou início a mais um tipo de post por aqui: comentários e/ou um pouco da história por trás das músicas que eu mais gosto. Começo com “Como nossos pais”, porque essa música  — não à toa — ecoou dias e dias em minha cabeça.

A música que ficou famosa na voz de Elis Regina, foi composta e lançada por Belchior, no álbum “Alucinação”, de 1976. Elis Regina a gravou no mesmo ano, em seu álbum “Falso Brilhante”.

Não quero lhe falar, 
Meu grande amor, 
Das coisas que aprendi 
Nos discos
Quero lhe contar como eu vivi 
E tudo o que aconteceu comigo

1976, o ano que não terminou. O ano em que “misteriosamente” dois populares ex-presidentes morreram em menos de 4 meses: Juscelino Kubitschek em 23 de agosto e João Goulart em 6 de dezembro.

Viver é melhor que sonhar 
Eu sei que o amor 
É uma coisa boa 
Mas também sei 
Que qualquer canto 
É menor do que a vida 
De qualquer pessoa

1976, o ano que antecedeu golpes ainda maiores à democracia brasileira (em 1977 Geisel chegou a fechar o Congresso Nacional), que já sofria desde 1964, quando os anos de chumbo começaram. E foi em 1976 que Castello Branco tornou as eleições para governador indiretas e os prefeitos passaram a ser escolhidos pelos governadores (já imaginaram a beleza disso, não?).

Como nossos pais retrata a desilusão que boa parte da juventude brasileira sentia naqueles anos tão sombrios. E olha que a música foi lançada um ano antes de grandes conflitos entre polícia e estudantes.

Por isso cuidado meu bem 
Há perigo na esquina 
Eles venceram e o sinal 
Está fechado para nós 
Que somos jovens
Para abraçar seu irmão 
E beijar sua menina na rua 
É que se fez o seu braço, 
O seu lábio e a sua voz

Mesmo diante de um cenário tão difícil, porém, a música ainda consegue trazer certo ar de esperança. Acho que esse foi um dos principais motivos pelos quais a deixei repetindo sem parar em minha mente.

Você me pergunta 
Pela minha paixão 
Digo que estou encantada 
Como uma nova invenção 
Eu vou ficar nesta cidade 
Não vou voltar pro sertão 
Pois vejo vir vindo no vento 
Cheiro de nova estação 

E como já deu para notar em algumas passagens anteriores, a  música também fala de amor. Afinal, falar de juventude e não falar de amor é uma missão quase impossível, não?

Já faz tempo 
Eu vi você na rua 
Cabelo ao vento 
Gente jovem reunida 
Na parede da memória 
Essa lembrança 
É o quadro que dói mais

O que mais me impressiona em Como nossos pais é o fato de que ela é ainda tão atual, outro motivo pelo qual a repeti incessantemente durante o período das eleições. Ela me parece uma alerta, um pedido para que possamos abrir nossos olhos. E, novamente, ela nos dá vontade de ter fé que as coisas podem ser melhores. É isso que esperamos, não?

Minha dor é perceber 
Que apesar de termos 
Feito tudo o que fizemos 
Ainda somos os mesmos 
E vivemos 
Ainda somos os mesmos 
E vivemos 
Como os nossos pais

Nossos ídolos 
Ainda são os mesmos 
E as aparências 
Não enganam não 
Você diz que depois deles 
Não apareceu mais ninguém 
Você pode até dizer 
Que eu estou por fora 
Ou então 
Que eu estou inventando

Mas é você 
Que ama o passado 
E que não vê 
É você 
Que ama o passado 
E que não vê 
Que o novo sempre vem

Mas mesmo tendo trechos de esperança e de amor, Como nossos pais também fala sobre imobilidade, sobre impotência. Uma música que consegue englobar também aqueles que desistiram de lutar por um bem maior e passaram a lutar por um bem próprio: a segurança e o acúmulo de dinheiro.

Hoje eu sei 
Que quem me deu a ideia 
De uma nova consciência 
E juventude 
Tá em casa 
Guardado por Deus 
Contando vil metal

Assinatura