Não precisamos dele — Taynara Melo

Título: Não precisamos dele
Autora: Taynara Melo
Editora: Publicação independente
Páginas: 114
Ano: 2021

Não precisamos dele é um livro narrado por duas personagens femininas que estão se (re)descobrindo, (re)erguendo e aprendendo a viver em suas próprias companhias.

“Precisei perder você para me encontrar. Precisei relembrar todas as suas falas para me amar. Precisei criar coragem para avançar”

De um lado temos Miranda Karpi, uma jovem que, no início do livro, nos revela não ter concluído seus estudos e que, por isso, vive às custas do namorado.

Quer dizer: vivia.

Ao anunciar uma gravidez não planejada, tudo vai por água abaixo e, sozinha, Miranda precisa encontrar um rumo na vida para dar ao bebê que está por vir tudo o que for necessário.

“A mulher é capaz de transformar uma casa em um lar, independentemente se esse lar é composto por um homem ou não”

De outro lado, temos Anna Veloso, casada, médica ginecologista, mãe de um garotinho de 6 anos. Uma vida que poderia ser perfeita, não fosse o casamento, que vai de mal a pior.

“— Às vezes, precisamos levar várias porradas da vida para compreender uma coisa simples como essa”

Muito mais que o fato de serem mulheres que precisam se reencontrar, essas duas personagens, mesmo tão diferentes, têm muito em comum. E, claro, suas vidas acabam se cruzando.

“Foi preciso uma amante aparecer na minha porta para abrir meus olhos e eu criar coragem para recomeçar”

A leitura de Não precisamos dele é rápida e cheia de temas importantes e reflexões necessárias. Uma obra que fala sobre amor próprio, feminismo, empoderamento, amizade, traição, paternidade e até mesmo violência doméstica e suicídio.

“Se eu não me respeitar, então quem vai?”

Trata-se de um livro necessário, retratando mulheres que eu só não direi que são reais porque elas possuem uma maturidade que talvez a maioria de nós ainda precisa trabalhar muito para alcançar. Mas ler Não precisamos dele pode ser uma forma de nos fazer entender isso.

“A inteligência emocional é resultado de muito treino, assim como qualquer outra competência”

Se você acha que este livro é para você ou se ainda tem dúvidas disso, não deixe de saber mais sobre ele clicando aí embaixo!

Minhas escolhas — Taynara Melo

Título: Minhas escolhas
Autora: Taynara Melo
Editora: Publicação Independente
Páginas: 101
Ano: 2021

É difícil falar sobre Minhas escolhas quando já falei o quanto acho ele incrível no prefácio que a autora me convidou a escrever para a obra. Por outro lado, provavelmente só lerá o prefácio quem já estiver predisposto a ler o livro e uma resenha é sempre uma boa forma de fazer novos leitores se interessarem, certo? Então aqui vamos nós!

Narrado por Lívia, uma mulher de 27 anos que crescera em uma cidade pequena, no interior, e que agora mora em São Paulo (capital), Minhas escolhas é um livro que consegue, em poucas páginas, abordar algumas temáticas importantes, ao mesmo tempo que nos coloca ao lado dessa protagonista tão forte e tão real.

“Quero ser quem eu quiser ser, pois ainda não me conheço de verdade”

A história já começa com Lívia se questionando sobre algumas imposições sociais relacionadas a roupas e cosméticos. Esses questionamentos também se estendem aos cuidados com nosso corpo, como depilação e, no extremo, cirurgias plásticas (apenas por estética).

“Lívia? Lembre-se sempre: ser diferente é bom”

A posição de Lívia, porém, é um pouco complicada, uma vez que ela trabalha para uma empresa de beleza e deve estar sempre na moda e seguir todas as novidades do setor. Para piorar: ela é ex-namorada do dono da empresa.

“Eu queria nunca ter aceitado seu pedido de namoro, mas, infelizmente, não dava para voltar e refazer minhas escolhas”

Quem nunca fez escolhas erradas na vida que atire a primeira pedra, não é? Ainda mais quando se é jovem e toda oportunidade parece simplesmente imperdível. Imagine, Lívia vinha de uma cidade do interior, precisava trabalhar para pagar suas despesas na cidade grande. Um emprego em uma renomada empresa de beleza… O que mais querer?

“Quando foi que minha vida virou um caos e eu não percebi?”

Felizmente, conhecemos essa personagem num momento de reflexão, percebendo que nada daquilo tinha a ver com ela. O primeiro clique foi livrar-se de um relacionamento tóxico com seu ex. O passo seguinte era sair daquele emprego que não combinava com sua essência. Mas sempre há pedras no caminho…

“Nunca me senti tão livre como me sentia agora, dois meses após o término. Mas ainda precisava me libertar daquele emprego”

É por meio desse enredo que a autora consegue discutir sobre padrões surreais de beleza, relacionamentos abusivos, perigos das redes sociais, mas também sobre sonhos, escolhas, amizades e família.

“Adoraria que os pais conversassem com seus filhos sobre o que é real e o que não é nas redes sociais”

Acho que, no fundo, todos nós carregamos algo de Lívia dentro de nós. E todos nós passaremos por um momento em que será preciso parar e refletir se estamos realmente na estrada certa ou se é o momento de retroceder um pouco e mudar os rumos. Porque tarde nunca é, mesmo que dê medo!

“Não temos bola de cristal para saber o que o futuro nos reserva”

Ah, eu também não poderia deixar de mencionar que, através do clímax da história (que nos deixa com o coração na mão!), Taynara consegue falar também sobre feminismo, feminicídio e sobre a importância de não julgar apenas pelas aparências.

“O que nós mulheres e homens precisamos é de mais atitude, empatia das autoridades, menos burocracia na hora de aplicar a justiça”

Acredito que, por todas as temáticas que mencionei, seja importante lembrar que esta é uma história que pode despertar algum tipo de gatilho. Para mim, os temas foram tratados de maneira relativamente leve, deixando a leitura prazerosa, apesar dos assuntos mais fortes, mas fica o aviso para quem tem dificuldades com algum desses temas. De resto, posso apenas recomendar a leitura de Minhas escolhas, que você encontra aqui.

Vertigo — Marie Pessoa

Título: Vertigo
Autor: Marie Pessoa
Editora: Publicação independente
Páginas: 162
Ano: 2019

vertigo

Vertigo não é um livro previsível: você vai lendo página após página e não imagina onde a história vai dar. Isso sem contar que muitos temas importantes são abordados ao longo da narrativa e que diversas coisas nos são ensinadas a cada guinada na história.

“Pequenos elogios como esse faziam total diferença a alguém despedaçado”

Quem narra Vertigo é Mia, uma jovem publicitária que descobre que seu noivo a está traindo com a sua até então melhor amiga. Desempregada e sozinha, Mia entra em depressão.

“Era doloroso demais terminar um relacionamento. Qualquer um deles; até mesmo os que não havia mais sentimentos”

Um belo dia, Mia resolve ir ao Satan’s Bar, localizado perto de sua casa. Até essa primeira visita, ela imaginava que aquele fosse apenas mais um barzinho, cheio de jovens, mas ao chegar lá se depara com algo totalmente diferente do que esperava.

No dia seguinte, Mia é acordada por uma ligação chamando-a para uma entrevista de emprego. E, então, sua vida começa a tomar rumos inesperados. Suas vidas profissional e pessoal vão se misturando de maneira complicada e intensa.

“Posso afirmar com convicção: recomeços não são fáceis”

Na noite em Santan’s bar, Mia conhece Matteo. Em seu novo emprego, Giorgio. Dois personagens em um mesmo corpo. Dois personagens (ou apenas um) que mexem muito com Mia. Ainda que ela carregue mágoas do fim de seu último relacionamento, ela não consegue deixar de se apaixonar por esse homem que está disposto a ensinar tudo o que sabe sobre BSDM, mas que, ao mesmo tempo, não parece disposto a se entregar a um relacionamento monogâmico, que apesar de tudo continua a ser o sonho de Mia.

“Precisava de novas amizades, e principalmente criar novas lembranças. As antigas já não me serviam mais”

Com a relação entre Mia e Giorgio (ou Matteo) — uma relação que não é apenas sexual, mas também de amizade — vamos descobrindo sobre o passado da protagonista e, com ela, vamos percebendo como seu relacionamento anterior era abusivo e tóxico.

“Eu não queria viver numa eterna vertigem. Estava farta de desistir dos meus sonhos por pessoas que não fariam o mesmo por mim”

Neste livro, portanto, vemos uma mulher se livrando de amarras, se descobrindo e aprendendo a se amar. Mia também reflete muito sobre o feminismo — lembrando que, além de tudo, ela foi traída por sua melhor amiga —  e sobre suas ações em relação às suas crenças e ideologias.

“Era o tipo de sorriso que eu gostaria de ver todos os dias ao acordar e antes de dormir. O sorriso de alguém que se importava comigo”

É uma história hot, mas sem cair no lugar comum de tantas outras histórias. Uma narrativa com temáticas que valem a discussão e com um final aberto que — ainda que isso desagrade a muitos —  não poderia ser diferente: Vertigo não é um conto de fadas, mas uma história que se mostra como real e plausível.

“Mas com a vida adulta percebi que nem todos os sonhos são alcançáveis. A gente realiza o que pode”

Se você quiser conhecer Mia e sua trajetória, clique aqui.