Desmistificando o mestrado [12] — Bolsa de pesquisa

Receber uma bolsa para realizar sua pesquisa é um sonho para muitos pesquisadores: poder dedicar-se exclusivamente aos estudos, sem o medo das contas no final do mês. Sabemos, porém, como este é um assunto cada vez mais delicado no Brasil. Principalmente para os cursos das áreas de humanas.

Eu tive a sorte/privilégio de ter uma bolsa durante o meu mestrado. Três meses após o início da contagem de tempo da minha pesquisa, fui contemplada com uma bolsa CAPES-DS (Demanda Social).

Por que trago o nome da bolsa que recebi? Porque sim, existem bolsas diversas. As da CAPES, por exemplo, são geridas pelo governo, isto é, são eles que determinam quantas serão concedidas, como devem ser distribuídas. Mas, na Universidade em que estudei, também haviam bolsas da própria instituição (isto é, a instituição destinava parte de seus recursos para pesquisa). Existem, ainda, as bolsas da FAPESP. E, com certeza, muitas outras. Essas são as que me lembro no momento (e talvez as mais conhecidas).

Destaco aqui essas diversas possibilidades, porque sei, também, que cada uma funciona de uma maneira e eu não tenho como falar sobre cada uma delas, apenas sobre a que tive durante a minha jornada.

Quando fui informada que havia sido contemplada com uma bolsa de pesquisa, tive cerca de 48 horas para confirmar o meu interesse na mesma e, principalmente, preencher, assinar e reconhecer firma dos documentos! E sim, infelizmente tudo tem de ser rápido, caso contrário perde-se a mesma. E não é por maldade, mas é que no caso de uma bolsa CAPES entende-se que se ela não tem “dono” é porque o Programa de Pós-Graduação não precisa dela. E que Programa não precisa de bolsas para seus estudantes?

Depois, com tudo certo, eu não poderia ter nenhum outro vínculo empregatício enquanto tivesse a bolsa e, semestralmente, deveria enviar um relatório com o andamento da pesquisa.

Tal relatório não precisava ser muito extenso, mas deveria conter: disciplinas cursadas no semestre (com toda a bibliografia da mesma, carga horária, nota obtida, quantidade de créditos, forma de avaliação e importância da mesma para a pesquisa desenvolvida); atividades (participação em eventos, artigos submetidos ou publicados e outras atividades relacionadas ao âmbito acadêmico e pertinentes à pesquisa); andamento da pesquisa (um breve comentário sobre o que foi desenvolvido ao longo do semestre, se o cronograma está sendo seguido, quais as previsões para o semestre seguinte); conclusão (um resumo unindo tudo o que foi apresentado antes. É sempre bom destacar aqui a importância da bolsa para a continuidade da pesquisa).

Como bolsista de um curso de humanas, minhas obrigações eram basicamente essas e a participação no programa PAE. Destaco o fator “área de humanas”, porque acredito que outras áreas, principalmente as que lidam com laboratórios, funcionam de maneira diferente.

Porém havia algumas outras obrigações não tão claras, mas importantes para a manutenção do todo: participar das reuniões do programa de pesquisa, participar de eventos para divulgar a sua pesquisa e apoiar os seus colegas, ajudar no funcionamento do programa. No meu próximo post eu pretendo falar sobre o Relatório CAPES, algo que, acredito eu, poucas pessoas saibam o que é, mas que é extremamente importante e trabalhoso.

Como conseguir uma bolsa de mestrado? Como sempre, informando-se! Antes de ingressar no mestrado eu já sabia que era importante ficar atenta ao email e também logo procurei o grupo dos alunos, no Facebook. Você também pode ter a sorte de ter um(a) orientador(a) preocupado(a), que fará questão de te informar sobre isso (mas nem sempre podemos contar com essa opção, até porque isso nem é obrigação deles!). Conversar com o orientador também é válido, pois ele/ela pode conhecer opções que você não conhece e te dar outras possibilidades de conseguir uma bolsa.

Para concluir, uma coisa que quase ninguém fala sobre ser bolsista: é ótimo receber para fazer pesquisa, mas isso também pode ser angustiante. Lembre-se, estamos falando de dinheiro público e sempre fica aquele peso de “se eu fizer algo de errado, terei de devolver o dinheiro”. E veja, não estou falando sobre fazer algo de errado por querer, mas, como muitas vezes as informações não são claras, podemos errar sem sequer saber disso! Por isso a importância de sempre se informar o máximo possível.

Ah, e claro, bate um super medo de fracassar também! Então, se você é bolsista e sente isso ou se você sonha em ter uma bolsa, saiba: vai dar tudo certo. Confie em si, confie em sua pesquisa e dedique-se. O resto virá.

Desmistificando o mestrado [11] — A defesa

Toda vez que eu vou escrever um post novo para essa sessão eu sinto que estou escrevendo sobre um tema que costuma apavorar as pessoas. Mas bem, uma coisa que chama “defesa” não parece realmente boa, né?

A verdade, porém, é que não é bem assim e eu basicamente poderia acabar esse post aqui, com a melhor dica que já me deram: “você vai falar sobre a sua pesquisa. Ninguém sabe mais do que você sobre ela, porque foi você quem se dedicou esse tempo todo a ler, pesquisar e escrever tudo isso” (créditos à minha orientadora que, despretensiosamente me fez esse lembrete em algum momento da minha trajetória).

O que mais eu poderia dizer depois de tão sábias palavras? Tá, sempre temos algo a acrescentar. Até porque, a defesa começa muitos dias antes dela. Na verdade, desde o início, tudo o que fazemos é pensando nela, não é mesmo?

Mas além de pesquisar e escrever a sua dissertação, você também precisará preencher documentos, definir a banca, agendar a defesa, enviar o material para que os professores possam ler. É complicado falar sobre isso, porque essa etapa envolve questões burocráticas, que podem variar de lugar para lugar. Além disso, agora, mais do que nunca, as pessoas tiveram de encontrar novas formas de lidar com tudo isso.

Por exemplo, quando eu entreguei minha dissertação, os professores da banca tinham a possibilidade de escolher entre receber o material impresso ou apenas o pdf. Agora, creio, eles precisam ler tudo pelo computador mesmo.

Pode parecer que, depois de escrever uma pesquisa inteira, preencher alguns documentos, definir a banca e agendar a defesa não sejam coisas tão trabalhosas assim, mas aqui deixo dois alertas: nunca se esqueça da questão dos prazos! Então, por mais que tudo isso pareça tranquilo, evite deixar para o último minuto do segundo tempo. E, por fim, lembre-se que agendar a sua defesa pode ser tão difícil quanto marcar um encontro com os amigos, porque professores são seres ocupados! Além disso, é comum existirem algumas regrinhas para a composição da banca, então é muito importante que você e quem te orienta estejam bem atentos a isso.

Aí você pensa: “ah, mas quem me orienta conhece bem tudo isso, não terá dificuldade em me ajudar”. E você se engana. Eu, por exemplo, peguei um momento de transição de regimento, isto é, um período em que essas tais regrinhas estavam mudando. E é preciso tomar cuidado com isso, pois seu professor não orienta somente você, mas outros alunos que podem ter se inscrito em outros regimentos, então as regras podem mudar de aluno para aluno! (sim, as coisas nunca pode ser fáceis, impressionante).

Para o dia da defesa, em si, as dicas são praticamente as mesmas de qualquer dia importante: tente estar descansado e bem alimentado, não fique querendo decorar cada palavra de sua pesquisa. Além disso, ouça atentamente os comentários da banca, anote as sugestões feitas e responda às perguntas com calma. Dificilmente você não “saberá” a resposta de algum dos questionamentos feitos pela banca. Você pode expor o raciocínio que seguiu em determinado ponto ou mesmo ser humilde e dizer “não havia pensado nisso” ou “não havia pensado nisso desta forma/sob esta perspectiva”.

Falar sobre o dia da defesa também é um pouco complicado de se fazer de maneira genérica. Eu, por exemplo, tive a sorte de ter uma banca tranquila, com professores que demonstraram realmente ter lido o meu trabalho e que me fizeram apontamentos e questionamentos pertinentes. Mas nem sempre é assim, infelizmente, pois alguns avaliadores gostam de procurar pelo em ovo. Mas depois que tudo termina (e eu não conheço histórias de reprovações — ainda que elas provavelmente existam), com certeza vem uma sensação muito boa de missão cumprida.

Bom, o post de hoje talvez não tenha sido muito esclarecedor, mas, de novo, estou à disposição para bater um papo sobre tudo isso, tentar dar um help para quem precisar. E espero que a dica lá do início tenha valido por todo o resto.

Desmistificando o mestrado [8] — Qualificação

qualificação

Hoje eu quero falar para vocês um pouco mais sobre a qualificação no mestrado. O que é? Como funciona? O que você tem de fazer? Calma, vamos lá que vou tentar explicar um pouquinho disso tudo!

O Exame de Qualificação (ou apenas Qualificação) é obrigatório tanto no mestrado quanto no doutorado (ao menos nos programas de pós-graduação da USP) e ocorre na metade do período que você tem para desenvolver sua pesquisa. Para ficar mais claro: no Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italianas, eu tinha dois anos para realizar meu mestrado. Em até um ano, desde a data da primeira matrícula, eu deveria realizar meu exame de qualificação.

A ideia é que você possa mostrar a uma banca examinadora (composta pelo(a) professor(a) que te orienta e mais duas outras pessoas que tenham ao menos o título de doutoras) em que ponto se encontra a sua pesquisa, como você pretende prosseguir e onde quer chegar.

Muitos alunos têm medo dessa etapa, pois ela é quase uma simulação da defesa. Mas acho que podemos enxergá-la de outra forma: se a banca for bem escolhida, haverão enormes contribuições para o desenvolvimento de sua pesquisa e conselhos realmente úteis. É quase como uma troca de ideias e uma chance de você mostrar sua pesquisa a pessoas que não estão mergulhadas nela como você e, possivelmente, seu orientador(a), mas que possuem conhecimento em assuntos tangentes e que podem te dar uma nova perspectiva para tudo o que você já tem, facilitando sua chegada ao ponto final.

Entendo, porém, o medo de alguns alunos: é possível reprovar no exame de qualificação. Mas isso não significa que seu trabalho foi em vão e que você colocou tudo a perder. Significa apenas que você precisa se esforçar um pouco mais, que você ainda não está no caminho certo. E você tem cerca de dois meses para correr atrás do prejuízo e tentar novamente (ou seja, passar por uma nova banca de qualificação).

Para a qualificação você precisa entregar, com ao menos um mês de antecedência, o relatório de qualificação. Trata-se de um documento dividido (ao menos no meu caso foi assim) em três partes:

  1. Histórico na Pós-Graduação: aqui você vai falar um pouco do seu percursos como aluno(a). Você tem de colocar alguns dados pessoais, sua formação acadêmica, seus conhecimentos em línguas estrangeiras, experiência profissional (sim, isso é quase um currículo), atividades relacionadas ao mestrado, participação em cursos e eventos e outras atividades relevantes.
  2. Projeto de pesquisa: apesar dele já ter sido apresentado lá no início, como eu falo aqui, você deve apresentá-lo de novo nesta parte. Lembrando que o projeto pode ter sofrido algumas alteações, por isso também a importância de mostrá-lo novamente.
  3. Capítulos provisórios da dissertação: essa é, finalmente, a parte em que você mostra o que já tem pronto de sua pesquisa, colocando, na íntegra, os capítulos já escritos (recomenda-se ter a introdução e ao menos um ou dois capítulos prontos), além de um resumo do que você pretende apresentar nos demais capítulos, já deixando a sua dissertação estruturada.

O relatório deve ser entregue com pelo menos um mês de antecedência em relação à data do exame de qualificação porque é este documento que sua banca lerá para poder fazer os apontamentos necessários.

Para o dia da qualificação recomendo, antes de mais nada, muita calma. Também é bom ter uma cópia de sua pesquisa à mão (seja em papel, seja em um notebook ou similar) e, se a banca concordar, um gravador, para que você não deixe passar nenhuma dica dada pela banca em relação à sua pesquisa.

E aqui vai um pequeno causo antes dos meus últimos avisos: eu tentei ser o mais cautelosa possível com meu relatório de qualificação. Pedi modelos para meus colegas, escrevi com calma, numerei tudo, revisei mais de uma vez a formatação e o sumário. Imprimi as cópias necessárias e, quando fui ver, a numeração das páginas havia sido cortada na impressão! E eu só percebi isso depois de entregar as cópias aos professores. Que vergonha! Mas tudo bem, acontece, né? O lado bom desse pequeno fato é que eu já sabia que, na hora de imprimir a dissertação, esse era mais um cuidado que eu deveria tomar.

Por fim, como sempre, gostaria de alertar sobre a importância de se prestar atenção aos prazos (sempre!!!) e às normas, sejam elas de formatação ou burocráticas (que documentos você precisa entregar para agendar a qualificação, em que período, para quem). Se tiver dúvidas, pergunte, tanto para seu orientador quanto para colegas ou mesmo na secretaria de seu programa de pós-graduação.