O que eu aprendi organizando uma antologia?

O que eu aprendi organizando uma antologia_

Eu comentei na resenha de Um amor para chamar de meu que fui a organizadora dessa antologia. E, ao menos para mim, não é todo dia que tenho uma oportunidade dessas (aliás, essa foi a minha primeira!), ainda mais em se tratando de romance, que eu adoro!

Mas… O que aprendi com isso?

Em primeiro lugar (e esse provavelmente foi o aprendizado mais difícil): a dizer não. No edital estava previsto que poderia ser selecionada uma quantidade de contos e recebemos mais do que esse número. Acabamos, por conta disso, aceitando alguns a mais, mas, ainda assim, não era possível aceitar todos, então tive de fazer escolhas e, a parte mais difícil, enviar alguns emails dizendo que determinado conto havia sido recusado.

Isso significa que recusei contos que estavam ruins? Absolutamente não! Eu apenas tiver de fazer escolhas (difíceis) e, infelizmente, dizer não a histórias que eram boas, mas que, por exemplo, estavam parecidas com outras também recebidas ou óbvias demais, enquanto as mais surpreendentes foram, sem dúvidas, escolhidas.

Outro ponto, mas esse não sei se posso dizer que “aprendi algo”, mas que ao menos “refleti sobre” foi em relação a ordem dos contos. Depois de ter selecionado as histórias que fariam parte da antologia, me deparei com uma grande dúvida: em que ordem apresentá-las aos leitores?

Tentei buscar alguma luz ou alguma dica no Google, mas nada. Ninguém para me ensinar “como escolher a ordem dos contos em uma antologia”. Então fui no feeling mesmo, tentando mesclar um pouco. Histórias que fossem mais parecidas, tentei separar, para não ficar repetitivo; narrativas mais lentas, intercalei com aquelas mais rápidas; histórias um pouco mais tristes em meio às mais felizes. Agora, se eu alcancei algo com isso, só os leitores podem dizer…

Aprendi, ainda, sobre o trabalho que dá organizar uma antologia. Quem me acompanha por aqui talvez saiba que eu colaboro bem de pertinho com a Editora Lettre, então sei que todo o trajeto editorial não é fácil, são muitos detalhes para nos preocuparmos. E estar à frente de uma antologia me mostrou na pele tudo isso. Decidir (e cumprir) prazos, estar com contato com os autores, ler e reler tudo, escrever sinopse e prefácio, divulgar, resolver imprevistos… UFA!

Mas isso me lembra outra coisa que aprendi: o quão gratificante tudo isso é. A sensação de ver os autores felizes com a publicação de suas histórias; de ver os leitores elogiando a antologia; de ter um trabalho conhecido pelo público. Um amor para chamar de meu me trouxe coisas que eu jamais achei que poderia esperar.

E se engana quem acha que o trabalho de organizar uma antologia termina quando ela é publicada. Seguimos aqui, tentando fazer com que ela chegue a mais e mais pessoas. Semana passada, por exemplo, a Editora Lettre publicou uma entrevista com os autores da antologia! E eu, mais uma vez, estive nos bastidores, ajudando a organizar as respostas que recebemos e a montar o texto final. Quem quiser conferir o resultado, pode clicar aqui.

4 comentários em “O que eu aprendi organizando uma antologia?

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s