Os italianos falam com as mãos [tradução 16]

Se tem uma aula que eu adoro preparar e dar é a aula sobre gestos italianos. Porque por mais que isso pareça apenas um estereótipo, existem verdadeiramente muitos gestos usados na comunicação italiana (e não só, pense bem), tornando tudo mais expressivo e expansivo.

Uma vez, lendo sobre o assunto, deparei-me com o artigo que resolvi traduzir aqui hoje. Ele foi escrito por Elisa Torretta e publicado em março de 2010, aqui neste site (sim, é blog sobre italianos em Paris. Como cheguei até ele? Não faço nem ideia). Vejamos o que ela tem a dizer sobre o assunto.


Existem muitos hábitos italianos, para nós absolutamente normais, que os estrangeiros acham surpreendentes ou inexplicáveis. Por exemplo: usar quase sempre óculos de sol ou falar alto. Entre os hábitos que suscitam mais curiosidade, talvez, está aquele de gesticular enquanto falamos.

De fato, muitos estrangeiros não entendem a necessidade de mover as mãos para comunicar e, em geral, chegam a uma simples conclusão: “os italianos falam com as mãos”. Em primeiro lugar, gostaria de precisar que nós, italianos, falamos com palavras, de acordo com uma sintaxe e uma gramática precisas. A prova disso é que é possível falar italiano inclusive ao telefone (coisa que conseguimos fazer muito bem, mesmo que continuemos a gesticular com o aparelho em mãos…), e que é possível também escrever e ler em língua italiana, sem imagens explicativas.

Então para que serve agitar-se tanto enquanto se fala? As palavras não são suficientes?

Naturalmente, as palavras são suficientes, mas por que limitar-se às palavras quando podemos usar todo o corpo? O gesto não substitui a palavra, mas a enriquece. É uma linguagem paralela, que adiciona nuances o muda o significado do nosso discurso. Experimente falar sem mover um músculo: a sua voz será monótona e insignificante.

Talvez, para quem olhe de fora, os gestos sejam apenas uma dança incompreensível, uma série de movimentos sem sentido. Mas, na Itália, o gestual é um elemento cultural muito importante e não um simples folclore. Os gestos são uma linguagem decodificada e precisa e têm um significado claro para quem sabe interpretá-los.

Não quero oferecer uma explicação dos numerosos gestos existentes, mas apenas lembrar a importância deles para nós, na comunicação. Com o gesto podemos exprimir uma emoção melhor que com muitas palavras, porque o movimento é mais espontâneo e sincero que a palavra. Podemos demonstrar raiva ou alegria, indiferença ou surpresa, e mudar a amplitude e a intensidade de acordo com o estado de ânimo e a situação.

Como todas as línguas, o gestual se aprende somente depois de anos de exercício e observação. Portanto, aconselho os estrangeiros a não tentar usar os gestos “à italiana” quando falam a nossa língua, porque poderiam não ser entendidos ou ser mal interpretados.

Por exemplo, o gesto mais célebre é a mão “em pinha”: as pontas dos dedos unidos em direção ao alto e a mão que se move para cima e para baixo. É um gesto que, em geral, acompanha uma pergunta ou uma dúvida. Portanto, é muito estranho agitar as mãos dessa forma e, ao mesmo tempo, dizer bom dia, como, por vezes, fazem os estrangeiros que imitam os italianos. Parece muito um falso pizzaiolo em um filme americano.

Influenciados pelas boas maneiras anglo-saxãs, hoje, usar muito as mãos quando falamos é considerado vulgar e simplório. Mas é amplamente tolerado, quase obrigatório, em casos de particular excitação, como uma briga ou uma partida de futebol.

De qualquer forma, gesticular continua sendo sempre um costume enraizado na nossa cultura. Faz parte da nossa identidade: através dos nossos gestos, podemos nos reconhecer imediatamente, mesmo no exterior, e podemos nos entender melhor entre nós, mesmo na Itália, para além dos dialetos e das barreiras sociais.

Diz-se, de fato, que desenvolvemos os gesto para poder nos entender entre nós, porque no passado, as pessoas falavam principalmente os dialetos e não o italiano.

Para mim, é também um sintoma do nosso constante desejo de comunicar ou, simplesmente, da nossa exuberância. Para nós, com efeito, é normal dividir com os outros os nossos sentimentos. Com o gesto, mesmo quem não pode nos ouvir, entende do que estamos falando.

Não, a discrição não faz parte da nossa bagagem cultural… Mas isso é realmente um defeito tão intolerável?


Depois desse texto, sempre sinto a necessidade de lembrar uma coisa: os gestos italianos são uma coisa totalmente diferente dos sinais das línguas de sinais. Mesmo da língua de sinais italiana, que foi reconhecida neste ano como língua oficial. E, mais que isso, cada país tem a sua língua de sinais, que assim como qualquer língua oral, é muito rica e singular. E é, como estou chamando aqui, uma língua, não uma linguagem! Os gestos italianos — que enriquecem a língua falada—, como você pode ter notado ao longo da leitura, são chamados apenas de linguagem, não de língua. Uma diferença que pode parecer sutil, mas que, no fundo, não é.

Agora me conta aqui: que gestos italianos você conhece? E o que achou deste artigo?

2 comentários em “Os italianos falam com as mãos [tradução 16]

  1. Estudei com uma italiana em Liverpool, e fomos a uma festa de Halloween. Ela ficou muito brava quando eu fiz o gesto da mão em pinha mencionado acima. Então ela me explicou que era algo como WTF???? e que o meu uso em questão estava totalmente fora de contexto. Fiquei com vergonha, e lembrei de como eu ficava bravo quando algum gringo pedia pra eu sambar quando eu dizia que era do BR. Enfim, cada cultura com suas peculiaridades.

    Curtido por 2 pessoas

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s