Ler é bom, por que nós não gostamos? [tradução 18]

Dia desses vi alguém comentando que hoje, mais do que nunca, ler é importante. Difícil discordar, né? Quer dizer, acho que ler sempre foi importante, mas às vezes a gente perde a dimensão do quanto um livro pode nos abrir muitas portas. Por outro lado, sabemos como existem muitos não leitores por aí, mesmo com tantos estudos e publicações que demonstram os benefícios que esse hábito nos traz.

E foi pensando nessas questões que me deparei com um texto (quase uma entrevista de uma pergunta só) que achei muito interessante e que acrescentou alguns pontos à minha reflexão, principalmente por mencionar o papel das escolas (e, em menor grau, dos pais) nisso tudo. O texto em questão foi publicado com o título “Leggere è bello, perché non ci piace?”, no Popolis, em 25 de julho de 2002 e, abaixo, você poderá ler a tradução que fiz dele.

Antes, porém, gostaria de ressaltar que talvez a opinião do autor possa gerar uma pequena polêmica, ainda mais se pensarmos no contexto brasileiro, que carece de tantas coisas: investimento material e intelectual, incentivos, formação adequada… Ainda assim, acredito que podemos retirar dessas palavras uma reflexão válida e que pode nos ajudar a encontrar um norte interessante e, quem sabe, até mais eficiente para o incentivo à leitura.


Prezado Mario Lodi, somos estudantes da IV de Bùssero, na província de Milão. Sabemos que ler é bom, mas nem todos nós lemos sempre de boa vontade e espontaneamente, mesmo sabendo que isso é importante para aprender a nos expressar de maneira correta, para experimentar novas emoções, enriquecer a nossa fantasia, sonhar e estimular nosso pensamento e criatividade. Por quê?

Responde Mario Lodi

Caros amigos, vivemos em um tempo em que se lê cada vez menos, sejamos adultos ou crianças. O fenômeno do abandono da leitura por parte dos jovens americanos havia se tornando quase generalizado e a opinião pública pensava que fosse por causa da televisão.

O psicólogo Bruno Bettelheim, com um grupo de outros cientistas, estudou o problema e publicou os resultados da pesquisa em um livro, traduzido também na Itália, com o título “Imparare a leggere” [aprender a ler] (Editora Feltrinelli). Eles descobriram que a culpa do abandono da leitura não era da televisão, mas da escola, ou melhor, do primeiro livro que a primeira professora oferece à criança na primeira aula, no momento “mágico” no qual ensina a usar os sinais alfabéticos para ler e escrever. Naquele momento, diz Bettelheim, as crianças estão prontas para entrar, através da leitura, nos jardins da cultura, com os livros mais lindos que existem.

As escolas, porém, oferecem às crianças de quase todo o mundo os livros mais chatos que existem, aqueles escolares, iguais para todos. Então as crianças, que são curiosas de tudo, recorrem à televisão. Mas se elas tivessem descoberto de início os bons livros, a leitura se tornaria a mais bela aventura criativa, e uma necessidade. Os pais e os professores, portanto, deveriam substituir os textos escolares e chatos, pelos livros mais lindos e adaptados às crianças de todas as idades.

E quando encontram um, deveriam ler junto, sem fazer exercícios de gramática, e depois procurar outro, e depois outro… Assim nascerá a vontade dos livros como descoberta do mundo real e fantástico. Quem não teve a sorte de, imediatamente, ler bons livros, prefere a TV, mais cômoda, e torna-se preguiçoso diante do monitor. A sua fantasia adormece, o seu pensamento para. E quando o pensamento para é quase impossível colocá-lo em movimento novamente. Boas leituras, caros amigos.


E aí, qual é a sua opinião sobre isso? Não deixe de me contar nos comentários!

6 comentários em “Ler é bom, por que nós não gostamos? [tradução 18]

  1. Leitor voraz desde a tenra idade. Nunca consegui viver sem livros. Hoje o kindle é meu companheiro inseparável. Fico desconsolado ao ver as novas gerações perderem o contato com a leitura, em um mundo que preza o visual. A calma e a reflexão parecem hoje impossíveis na economia da atenção reduzida. Estamos aqui nos blogs, tentando produzir conteúdo de maior profundidade e somos a última linha resistência. O mundo seria perfeito se houvesse equilíbrio entre redes sociais e os blogs. Temos que continuar na missão.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Questão delicada. A escola tem sua parcela de culpa. Mas os pais também e todos nós, de alguma maneira. Não deixamos a pessoa deixei o que ler. Estamos sempre dizendo que deve se ler esse ou aquele. Que tal livro não e literatura. Tal pessoa não e poeta. Os censores de livros comprometem a leitura. E não acho que se lê pouco. As pessoas lêem bastante, mas não o que as pessoas consideram que deveria ser lido

    Curtido por 1 pessoa

    1. Concordo demais contigo! Me dói muito ver a própria comunidade leitora apontando o dedo para o outro porque “isso é literatura e isso não”. Por isso acho que essa é uma reflexão válida para todos nós. Também não acho que se leia pouco, mas acredito que poderíamos ter ainda mais pessoas interessadas, seja no livro que for

      Curtido por 1 pessoa

  3. Olha difícil dizer, mas eu não sou desses que achar que o acesso de livros é mais elitizado. Toda escola e toda cidade tem a sua biblioteca. Lembro, quando criança, que eu lia vários livros todos emprestados, e quando tinha algum que eu gostava muito, eu vivia emprestando e re-emprestando, tornava-se quase que propriedade minha. Foi assim com O oportunista, de Piers Paul Read, em que eu devolvia o livro num dia, e depois que ele voltava pra estante eu escondia ele pra ninguêm pegar. Depois eu esparava dar o outro dia e emprestava denovo, já que não nos era permitido renovar empréstimos naquela época. E fiz isso com várias outras obras, como a série da bruxa Onilda, ou alguns da coleção vaga lume. A gente tinha as leituras chatas obrigatórias, mas eu tinha minha própria trilha.Meu pai me incentivava ao modo dele, me presentiando com revistas em quadrinhos. Sem querer (ou por querer, nunca saberei), ele ajudou a despertar o leitor em mim.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Também sempre tive essa sorte de ter um bom acessos a livros, seja na biblioteca da escola ou nas “bibliotecas” de familiares. Mas, infelizmente, hoje ouço falar de muitas escolas que não aproveitam esse espaço, que, por vezes, inclusive o deixam fechado e esquecido. Isso é preocupante e assustador

      Curtir

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s