A bruxa não vai para a fogueira neste livro —Amanda Lovelace

Título: A bruxa não vai para a fogueira neste livro
Original: The witch doesn't burn in this one
Autora: Amanda Lovelace
Editora: Leya
Páginas: 208
Ano: 2018
Tradutora: Izabel Aleixo

a bruxa não vai

Depois de ler A princesa salva a si mesma neste livro, foi a vez de ler A bruxa não vai para a fogueira neste livro e não sei muito bem o que dizer sobre ele. Anteriormente, fiz minha ressalva com relação ao formato “poesia”, escolhido pela autora, ainda que os temas realmente fossem muito tocantes.

Neste volume, porém, sinto que o quesito poesia está um pouco melhor, mas as temáticas, ainda que importantes, não foram abordadas de maneira tão forte quanto anteriormente. Ou apenas eu que não consegui me conectar com a obra, não sei.

Me parece que em A bruxa não vai para a fogueira neste livro a autora se preocupou mais em seguir um certo fio narrativo, anunciado deste o título, isto é, a questão da mulher, vista por tantos homens como “bruxa”. Feminismo e empoderamento, portanto, aparecem com força, enquanto os homens, a cada página, são os grandes vilões. Interessante, mas repetitivo. E um pouco exagerado vez ou outra.

Quando digo que a poesia, neste livro, me parece melhor — como formato — estou me referindo ao fato de que a leitura fica mais fluida, com menos quebras estranhas. Além disso, há pedaços em prosa também. Mas neste ponto, a ausência de letras maiúsculas em praticamente tudo no livro salta aos olhos. Provavelmente uma escolha da autora. Mas uma escolha que não vem justificada ou explicada em parte alguma.

O projeto gráfico desta obra é bem interessante. Tudo nele é branco, vermelho ou preto. Logo de cara chama a atenção o fato de que todo o texto foi impresso em vermelho, como o sangue dos inocentes ou as chamas das fogueiras que somos incentivadas, ao longo das páginas, a acender. Os textos também, por vezes, trabalham a questão do uso da página, não estando sempre numa mesma posição. Trata-se, portanto, de uma obra bem atraente aos olhos.

 Por fim, gostaria de destacar uma poesia, provavelmente a que mais gostei dentre todas:

“ser uma

mulher

é estar

pronta para a guerra,

sabendo

que todas as probabilidades

estão

contra você

– e nunca desistir apesar disso

(pg. 49)
Se você se interessou por esse livro, clique aqui.

A menina que não sabia ler – John Harding

Título: A menina que não sabia ler
Original: Florence and Giles
Autor: John Harding
Editora: LeYa
Páginas: 282
Ano: 2010 (1º edição)
Tradução: Elvira Serapicos 

Imagine viver em uma mansão decaída, no meio do nada, sem grandes entretenimentos e sem poder ler. Terrível, não? Pois era assim que viviam, a princípio, Florence e Giles. Por causa da morte dos pais, os irmãos são enviados pelo tio (que nunca viram na vida) para Blithe House (a tal mansão), para viver na companhia da Sra. Grouse – a governanta – e de Meg, Mary e John, os empregados.

Fiquei pensando se a figura do tio ausente – ou qualquer outro parente próximo – que se torna o guardião de seus sobrinhos órfãos não é um lugar comum na literatura. Existem muitas histórias como essa, em que aparece também uma mansão, para onde são enviadas essas crianças, como por exemplo em O Jardim Secreto (para citar ao menos um).

Florence – narradora desta história -, no entanto, não fica parada: ela adora inventar brincadeiras com seu irmão mais novo e ama explorar a mansão em que vive. Em um de seus passeios descobre uma enorme biblioteca, totalmente abandonada e cheia de pó. Por ordens expressas do tio, Florence não deveria ser alfabetizada, apenas Giles. Por conta desta proibição, nossa narradora se alfabetiza sozinha!

“O que eu mais gostava em Shakespeare era a facilidade com que lidava com as palavras. Parecia que, se não houvesse palavra para o que queria dizer, ele simplesmente a inventava. Ele poetava o idioma”

A menina que não sabia ler (p.18)

Até aqui a história é linda de se ler! Uma jovem se alfabetizando sozinha e indo contra as restrições impostas por seu tio, que sequer sabe como é e como vive a pequena Florence. Além disso, para acabar de vez com a monotonia daquela vida, surge em Blithe House um jovem, Theo Van Hoosier, que passa os verões em uma casa perto de Florence e Giles. Devido à sua asma, Theo começa a viver nesta casa não apenas durante o verão, e suas visitas a Florence tornam-se constantes. Ele vive tentando galanteá-la, mas ela o repele desde o início. Além disso, critica severamente os versos que ele lhe escreve. Versos simples demais para a jovem devoradora dos grandes clássicos presentes na biblioteca.

A verdade, no entanto, é que lá para o meio do livro, apesar de todos esses acontecimentos, a história parece meio parada e quase dá vontade de desistir da leitura. Uma página a mais, porém, e tudo acontece. Mas acontece tão rápido que chega a ser confuso e, no final das contas, muitas pontas ficam soltas.

O que ocorre em Blithe House é tão surreal que fica difícil distinguir o que é “realidade” e o que é apenas imaginação de Florence. Não sei, aliás, se há algo ali que tenha sido somente imaginação dela. Por ter sofrido um trauma durante a história, Florence poderia estar apenas criando coisas em sua cabeça, como uma forma de proteger-se dessas lembranças ruins. Alguns personagens, inclusive, sugerem isso explicitamente a ela. Dadas as resoluções da história, no entanto, se tudo era apenas uma criação de uma mente perturbada, pode-se dizer que temos uma bela história de horror aqui.

Mesmo que tudo o que Florence tenha visto e vivido seja real, contudo, sinto que as ações que ocorrem ao final do livro foram muito drásticas. Existiam alternativas interessantes e que também não deixariam a história tão óbvia. No entanto, não vou negar que a sucessão de acontecimentos prende o leitor e li as últimas cinquanta páginas de um fôlego só.