Música em contos 1 (Antologia)

Título: Música em Contos 1
Autor: Vários autores
Organização: Susana Silva
Editora: Publicação independente
Páginas: 100
Ano: 2019

música em contos

Quem acompanha este Blog ao menos desde o ano passado, talvez se lembre que eu fiz uma sequência de posts com resenhas de alguns contos específicos de “Música em contos 2“, que ainda estava para lançar. Só depois é que eu fui ler Música em contos 1 e agora trago a minha experiência de leitura aqui.

Histórias e músicas são duas coisas que amo. Quando junta os dois, então, dificilmente dá errado. Por isso, a ideia de escrever contos baseados em músicas específicas, de cara, já chama a minha atenção. E outro ponto interessante dessa antologia é que ela traz escritores brasileiros e portugueses, deixando a escrita ainda mais plural.

Nessa antologia, um pouco por coincidência mesmo, todos os contos trazem uma história de amor, seja ela feliz ou triste, clichê ou não. E não digo apenas histórias de amor entre duas pessoas, mas também histórias de amor próprio.

“— Eu posso parecer forte na superfície, mas por dentro tenho tanto medo quanto você”

(Conto: A partida)

E, alguns contos, em especial, chamaram minha atenção. Quando resenho antologias eu costumo falar sobre cada história em particular (quando são poucos contos) ou então falo sobre o livro de maneira mais ampla. Mas, dessa vez, vou comentar sobre esses contos que me chamaram a atenção (ao menos mais que os outros, que são igualmente incríveis).

O primeiro deles é Antes que chegue ao fim, da Alane Brito, baseado na música It ain’t over til it’s over, do Lenny Kravitz. Aqui temos um casal que está em crise, com um casamento que já quase não existe mais. Devido a um erro médico, porém, as coisas começam a se transformar: nosso protagonista muda suas ações e seus corações (e a relação) se reaquecem. O que me chamou a atenção nesse conto foi justamente isso: como é preciso que as duas partes tomem uma atitude para que uma relação não esfrie, não caia numa perturbadora rotina de distanciamento. É bem tocante.

O segundo conto que gostei muito foi Uma pausa no para sempre, da Beatriz Prado, baseado na música I got you, da Leona Lewis. Aqui temos a história de Lucas e Viviane, que se conheceram aos sete anos de idade, cresceram juntos e se apaixonaram. Viveram momentos felizes e tristes lado a lado e acompanharam muitas coisas importantes um do outro. Mas nem tudo são flores e chega um momento que eles precisam decidir se ficam juntos ou não, pensando no bem (e nos sonhos) um do outro. Sério, é emocionante!

“É preciso que a gente se escolha às vezes, mas isso não quer dizer que as marcas da escolha não vão ficar ali, lembrando a todo instante do que deixamos para trás”

(Conto: Uma pausa no para sempre)

O terceiro conto que eu gostaria de destacar é Uma passagem de volta, por favor, da Carolina Mancini, baseado na música Make you feel my love, da Adele. O que me chamou a atenção nessa história é que eu já escrevi algo parecido. Mas calma, são histórias bem diferentes, e a única similaridade é que o casal se conhece no metrô e que a moça é uma passageira, enquanto o moço é um artista que toca nos vagões da cidade. Neste conto, porém, a história é mais desenvolvida, mais longa e tem um final bem surpreendente. Achei essa narrativa apaixonante.

Recomendo essa antologia para você que busca algo leve, que pode ser apreciado aos poucos e que também quer poder ler histórias bem diferentes em um único livro.

Quer conhecer Música em contos 1? Então clica aqui.

Música em contos 2 — Susana Silva (parte 4)

música em contos 4

Vamos para o quarto conto que li da antologia Música em Contos 2? Ele chama-se A canção e foi escrito por Thelma Miguel. A música de inspiração foi You don’t know me (Michael Bublé). Esse conto é um pouco mais extenso que o da semana passada, mas não chega a ser tão extenso quanto o A Tísica.

Narrado por Antônio — ou Tony —, um cidadão que vive pacatamente (até demais) numa pequena cidade, mas que, de repente, vê sua vida virar do avesso devido a um incidente na porta de sua casa, com o ônibus da cantora Catharina — ou Katy — e sua equipe.

“Dei-me conta de que a minha vida tinha um vazio enorme”

Era noite e nevava, o que obrigou Tony a hospedar todas aquelas pessoas em sua casa, que era um pouco afastada da cidade. E essa situação acaba se estendendo um pouco, devido à dificuldade de conseguir a peça necessária para arrumar o ônibus. Com isso, Tony passa a sentir algo que jamais havia sentido. Algo que se torna ainda mais intenso com a partida da banda e com uma descoberta que ele faz pouco antes disso.

“Eu havia me transformado para sempre”

Trata-se de uma história romântica, mas não é um romance óbvio. Isso porque toda essa situação e tudo o que Tony vive, geram uma modificação interna nesse personagem. Um simples acontecimento abre os olhos de Tony para o mundo que sempre esteve à sua frente, mesmo que em uma cidade pequena como a que ele vivia.

Esse é um daqueles contos que nos permite pensar em em uma infinidade de assuntos (nossas vidas, a forma como enxergamos o mundo, o que nos move, quem são as pessoas que nos cercam e muito mais), ainda que seja uma narrativa breve. E a música que inspira o conto aparece diretamente na história, mas também tem uma letra que, por si só, já nos faz entender a inspiração. Além disso, essa canção é um dos elementos que despertam Tony para sua vida.

Música em Contos 2 – Susana Silva (parte 3)

música em contos 3

Eu só posso começar a resenha do terceiro conto que li da Antologia Música em Contos 2 dizendo o quanto esse é um daqueles contos do tipo que eu gosto. Logo de cara o que me chamou a atenção foi o fato dele ser baseado numa música do Brunos Mars — When I was your man — cantor que adoro. Mas, se você conhecesse a música e pensa em uma história baseada nela, dificilmente você pensará numa história feliz. Bem, a história de Adrieli, protagonista deste conto, talvez não seja realmente a mais feliz de todas, mas ela tem um lindo final.

Amor improvável foi escrito por Márcia Pavanello Pires e conta a história de Adrieli moradora de Nova Trento, uma cidade do interior de Santa Catarina. Ela era é a típica nerd da turma e, claro, tinha de se apaixonar por Roberto, um dos garotos mais populares da escola.

“Suas notas eram as melhores da turma, mas em seu íntimo, Adrieli era uma menina triste”

Se tudo isso pode soar muito clichê, é importante destacar que o conto vai além disso: mais que nos mostrar que beleza é relativa e que não é tudo o que importa, ele fala sobre solidão, cyberbullying e suicídio. Claro, devido à extensão do texto tudo é apresentado de forma superficial, mas é bem interessante observar o desenrolar dos fatos.

Mesmo não tendo um final triste como é a música no qual foi baseado, conseguimos perceber, ao longo da leitura, como When I was your man inspirou esse conto e, assim como no primeiro que apresentei aqui, a canção aparece de forma direta na história, tornando-se a música de Adrieli e Roberto.

Música em Contos 2 – Susana Silva (parte 2)

música em contos 2

Vamos conhecer o segundo conto que pude saborear da antologia Música em Contos 2? Hoje apresento a vocês A Tísica, escrito por José Miguel e baseado na música I know you care, da Ellie Goulding.

Ainda que o conto case muito bem com a letra da música escolhida, não se trata de uma história que imaginamos encontrar em uma antologia como essa. Eu, pelo menos, não esperava, pois acabo sempre associando histórias baseadas em músicas com histórias românticas, de superação, algo mais nessa linha.

Apesar de inspirado em uma  música relativamente recente (de 2013), a narrativa de A Tísica se passa em Portugal, muitos ano atrás, ainda governado por Salazar. Mais que isso: trata-se de uma época em que a luta contra a tuberculose e a busca por um tratamento adequado ainda eram intensas e esse é um dos principais focos dessa história.

O protagonista é João Carlos, um jovem que deseja ajudar no combate à tuberculose no Porto, sua cidade natal. Ele vem de uma família abastada, mas isso não é suficiente para o livrar da enrascada na qual se mete ao tentar ajudar a tal tísica que dá título ao conto.

Ao longo das páginas dessa história, portanto, vemos um protagonista que tenta lutar pelo que é certo e justo, mas que, sozinho, não tem como ir contra um sistema já formado. Um conto que traz um certo passado histórico, mas uma triste atualidade em relação às injustiças. É também um conto que contrasta um tratamento humano com certa desumanização. A tísica é, portanto, um conto extenso e denso, e que merece uma leitura calma e atenta.

Música em Contos 2 – Susana Silva (parte 1)

Musica em contos

Conheci a antologia Música em Contos 2 através do Blog Inspirações Paralelas. Eu, que amo boas histórias e boas músicas, logo me interessei pela proposta do livro, que é reunir contos inspirados em canções.

Ao ver meu interesse, a organizadora Susana Silva me disponibilizou alguns contos para que eu pudesse ler e contar para vocês minhas impressões. Durante as próximas semanas, portanto, trarei aqui o que eu achei de cada um desses contos. E quem quiser conhecer melhor o trabalho da Susana, leia também a antologia Música em Contos 1!

O primeiro conto que li chama-se Na estrada e foi escrito por C. B. Kaihatsu. Nele conhecemos Fábio, que é o filho do meio e “ovelha negra” de uma família de três filhos. Seu irmão mais velho, Raul, é um advogado bem sucedido; já Alice, sua irmã mais nova, acabara de ingressar em uma faculdade de medicina.

E Fábio? Bom, Fábio queria ser músico. E para se encontrar e se aceitar, ele decide colocar o pé na estrada, sem sem dizer nada a ninguém, deixando apenas um bilhete de despedida.

“Será que conseguiria se tornar alguém bom?”

E nessa viagem, Fábio aprende muito mais do que aprendera em toda a sua vida, nos trazendo uma história que fala sobre autoconhecimento, aceitação e empatia.

A inspiração deste conto vem da música Times Like These (Foo Fighters), que é justamente uma música que representa um certo descontentamento com a vida — como o que Fábio sente — ao mesmo tempo em que nos mostra certa positividade, uma percepção de que a gente também aprende com as dificuldades.

Gostei muito da forma como alguns trechos da música foram realmente incluídos ao longo do texto, indo muito além de uma simples inspiração, sendo base e parte da história.