A Cidade do Sol – Tommaso Campanella

Título: A cidade do Sol
Original: La città del Sole
Autor: Tommaso Campanella
Editora: Vozes de Bolso
Páginas: 57
Ano: 2014
Tradução: Carlo Alberto

O livro A Cidade do Sol é uma obra extremamente curta e, ao mesmo tempo, densa. Se por um lado o fato dele ser construído em forma de diálogo faz com que a leitura pareça leve, por outro lado é preciso estarmos atentos às falas e descrições nelas contidas. O diálogo em questão se dá entre os dois únicos personagens do livro: um Hospitalário (Cavaleiro da Ordem dos Hospitalários de São José de Jerusalém) e um Genovês, que viajara com Colombo.

O cavaleiro, ao encontrar com o Genovês, pede que este lhe conte tudo o que vira durante suas navegações. O Genovês — que é quem mais fala ao longo do livro — começa a contar alguns infortúnios da viagem e logo chega à Cidade do Sol, passando a descreve-la conforme as perguntas do Hospitalário.

Por meio desse diálogo, Campanella consegue idealizar uma cidade metodicamente organizada. Um exemplo dessa organização sistemática é o fato de que todos os habitantes da Cidade do Sol trabalham e fazem isso para um bem comum.

“Entretanto, todos têm o necessário. E entre eles o amigo se conhece nas guerras, nas enfermidades, nas ciências, nas quais se ajudam e ensinam uns aos outros”

A cidade do Sol (p.12)

A primeira pergunta do Hospitalário é “como é construída essa cidade? Como ela é governada?”, ao que se segue uma descrição detalhada da forma física da cidade, bem como de seu complexo governo: o Príncipe Sacerdote — que se chama Sol (ou Metafísico) — é quem governa a cidade, assistido por três príncipes — Pon, Sin e Mor (Poder, Sabedoria e Amor). Só os nomes daqueles que governam a Cidade do Sol já diz muito sobre a mesma.

Além disso, na cidade ainda há os Magistrados:

“A cada virtude que nós temos, correspondem para eles um magistrado: há um que se chama Liberalidade, outro Magnanimidade, outro Castidade, um que se chama Fortaleza, outro Justiça criminal e civil, outro Solércia, outro Verdade, outro Beneficência, outro Gratidão, outro Misericórdia etc.”

A cidade do Sol (p.13)

Esses Magistrados são escolhidos pelos Príncipes, bem como pelos mestres de cada arte. Como todos os cidadãos são igualmente educados em todas as artes, escolhe-se para ser Magistrado aquele que tem maior aptidão.

Um ponto que deve ser destacado sobre a Cidade do Sol é o fato de que até mesmo as relações são controladas. A geração (ou reprodução) segue regras importantíssimas, que visam à manutenção de uma qualidade — ou um equilíbrio —das novas gerações. Bizarro, não? Mas não é só isso! Não são as pessoas que escolhem o próprio parceiro e caso não haja reprodução entre um casal estabelecido, trocam-se os parceiros. E tudo isso controlado pelo tal Príncipe Mor. A tal cidade perfeita certamente desconhecia o que era amor de verdade, mas ainda assim era considerada uma cidade feliz.

Por outro lado, tirando essa questão esquisitíssima, a Cidade do Sol parece viver sob uma espécie de comunismo que deu certo:

“Mas entre eles, distribuindo-se os ofícios, as artes e as labutas entre todos, cada um não trabalha mais do que quatro horas por dia, o tempo que sobra é utilizado para aprender brincando, disputando, lendo, ensinando, caminhando, sempre com alegria.

A cidade do Sol (p.25)

Há ainda muitos outros assuntos que são abordados ao longo do livro, que, no entanto, tem um final abrupto, pois o Genovês deve partir e não tem mais tempo de contar tudo o que vira.

Apesar de ser uma obra um tanto quanto antiga — Tommaso Campanella publicou A cidade do Sol em 1602 — este livro traz muitas críticas que ainda fazemos em nossa sociedade ou que ao menos conseguimos compreender, como a crítica ao ócio (puro e simples) e aos governantes que nada sabem, ou então à riqueza desmedida por parte de alguns, bem como a ostentação.

Ficou com vontade de ler esse livro? Compre aqui, por apenas RS8,22

Assinatura

4 comentários em “A Cidade do Sol – Tommaso Campanella

  1. Oi Tati!
    Não conhecia esse livro e adorei a dica. Ele tem uma premissa super interessante, parecida com distopias famosas como 1984 e Admirável Mundo Novo, porém me passou a impressão de ser bem original. Gosto muito desse tipo de história, vou procurar mais sobre ele.
    Beijos!

    Mais Uma Página

    Curtido por 1 pessoa

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s