Carta aberta: os livros e eu

Basta uma rápida navegada por este blog e, acredito eu, minha paixão por livros fica bem evidente. Fazendo parte da blogosfera literária, contudo, fica difícil não se comparar com os outros. Já adianto, porém, que não estou necessariamente falando de uma comparação ruim, apenas gosto de ver e refletir sobre a relação que cada um vai construindo com os livros. E foi daí que nasceu a minha vontade de falar um pouco melhor sobre como vejo e me relaciono com os livros. Você me acompanha nessa?

Quando me tornei leitora?

Vamos começar por essa pergunta que, confesso, não sei responder. Mas sobre isso, já até falei um pouco aqui. Sigo sem saber qual foi meu primeiro livro, mas agradecendo a sorte e o privilégio de crescer numa família leitora, tornando a leitura algo natural para mim, assim como ganhar, comprar e ter livros.

Minha estante

Vivi a vida inteira na mesma casa e meu quarto é pequeno, o que significa, também, que não tenho muito espaço nele, o que, por sua vez, me leva ao segundo ponto deste texto: não tenho uma estante. Ao menos não uma estante como vejo o pessoal exibir em “tour pela minha estante”, no Instagram, ou mesmo aquelas que aparecem ao fundo de tantas chamadas de vídeo que viraram nossa rotina.

Contudo, não vejo isso como um problema. Aliás, devo confessar que acabo pensando muito no trabalho que deve dar limpar todos os livros com uma boa frequência. Isso porque meus exemplares ficam em um armário fechado, mas com uma ventilação adequada, pegando um pouco menos de pó do que pegariam se ficassem em uma estante totalmente aberta.

Na verdade, ao longo dos anos fui mudando os livros de lugar e, aos poucos, eles foram tomando mais armários que antes. Ainda assim, e aqui chegamos ao terceiro ponto, mesmo que hoje os livros ocupem mais prateleiras que antes, em meu quarto, eu continuo tendo um limite (físico) para esse crescimento, o que significa que, desde pequena, tenho consciência de que não posso guardar todos os meus livros para sempre comigo, então eu tenho relativa facilidade em passá-los adiante (doar, trocar, vender). Até porque, eu também não costumo reler muitas obras, então não faria sentido acumular livros pelo simples prazer de acumulá-los.

Desapegos literários

Às vezes acho que as pessoas podem me achar um pouco sem coração por isso, ou até mesmo ingrata, por ler e passar adiante livros que ganhei de presente, por exemplo. Mas a verdade é que eu acho que livro foi feito para ser lido, então gosto que eles continuem tendo vida com outros leitores, mesmo que eu não saiba quem serão esses leitores.

Por anos, tudo o que eu fazia era separar alguns livros para doação. Hoje em dia, além de doar alguns, separo outros para fazer trocas no Skoob e, assim, também poder solicitar livros que eu tenho interesse em ler.

Se você me der um livro, eu lerei

Não tenho muita frescura com livro. Se você me der um de presente — seja ele qual for (com raríssimas exceções) — eu vou ler. Pode ser que eu demore meses ou até mesmo anos para pegá-lo, mas pegarei e lerei. E se eu me desfizer dele depois, não foi porque não gostei, mas simplesmente porque eu já não tinha mais espaço para ficar com ele.

Meus critérios

Falei tanto sobre espaço e desapego que pode parecer que não guardo livro nenhum. Ao mesmo tempo, porém, comentei que hoje eles ocupam mais espaço que antes. Quais os meus critérios para o que fica e o que vai? Obviamente, faço questão de guardar meus livros favoritos, isto é, aqueles que realmente conquistaram um espaço muito especial em meu coração. Para além deles, gosto de ficar com clássicos da literatura — nacional ou internacional — e com livros que possuem mais do que a história nele contadas, isto é, aqueles com dedicatórias ou alguma outra história por trás. E claro, agora também estou juntando livros nos quais trabalhei.

Relação com o livro em si

Por fim, não sou uma pessoa que ache chocante grifos ou coisas escritas a lápis e caneta em livros (mas, claro, não faça isso em livros emprestados, ainda mais de uma biblioteca!). Não tenho o hábito de fazer isso nos meus, mas já vivi experiências incríveis de dar e receber livros com comentários para a pessoa presenteada, tornando a leitura extremamente única. No geral, porém, como eu disse, não tenho o hábito de fazer marcações nos livros justamente por não saber se ficarei com ele ou não, então tento deixá-los o mais conservados que posso.

Além disso, apesar de ter tido um pouco de resistência no início, adaptei-me bem ao mundo dos e-books e leio um pouco de cada com o mesmo prazer.

E qual é a sua relação com os livros? Lembrando que não há um certo e um errado aqui e que apenas quis compartilhar um pouco de como isso se dá comigo, já que os livros são tema central deste blog.

4 comentários em “Carta aberta: os livros e eu

  1. Nossa, nunca refleti muito sobre o meu histórico de leitora… Gostei de saber como é a sua relação com livros. Acho que nunca fui uma leitora voraz, apesar de trabalhar com livros, e já faz um tempo que ando travada nas leituras (não comento muito sobre isso, porque tenho a impressão de que pessoas que querem entrar no mercado editorial me odiariam com essa informação), mas adoro histórias :)

    Curtido por 1 pessoa

    1. Fico feliz que tenha gostado! E pior que isso é até bem compreensível, né? Seja porque o gosto vai ficando mais refinado, seja porque você já lida com isso durante o dia, acaba que a leitura vai cansando um pouco. Obrigada pelo comentário e espero que abra portas para reflexões por aí (:

      Curtido por 1 pessoa

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s