O apocalipse dos trabalhadores – Valter Hugo Mãe

Título: O apocalipse dos trabalhadores
Autor: Valter Hugo Mãe
Editora: Biblioteca Azul
Páginas: 208
Ano: 2017 (2º edição)

O paraíso

Ler O apocalipse dos trabalhadores foi uma experiência e tanto, por diversos motivos. Para começar, a obra é escrita em português de Portugal, o que pode causar alguns estranhamentos ao longo da leitura — principalmente com relação a alguns termos. Além disso, o texto todo é escrito em letras minúsculas, sem parágrafos. Há pontos finais e podemos distinguir capítulos (não numerados ou nomeados), mas o texto todo é quase como um fluxo contínuo.

A história também, não é das mais banais: o livro retrata principalmente a vida de Maria da Graça e Quitéria, duas empregadas domésticas que também, por vezes, recebem para ir a funerais, chorar o morto. Além delas, outro personagem destacado no enredo, por todo o seu sofrimento e dureza é Andriy, um “homem do leste” (ou um ucraniano) que se envolve com Quitéria.

“era, na realidade, como um leão de fantasia que, subitamente, podia ganhar vida e, obviamente, trazer no estômago toda a grande fome ucraniana”

O apocalipse dos trabalhadores (p.112)

Não sei se pelo modo como a história era narrada ou até se pelo local retratado — a cidade de Bragança —, bem como os costumes, mas por diversas vezes eu imaginava a história se passando em meados do século XIX ou XX. Mas creio que seja uma história mais atual, dado a presença inclusive de celulares no meio da narrativa. O tempo, porém, não importa, porque se pensarmos bem, o Apocalipse dos trabalhadores é um texto atemporal que retrata a dura realidade dos três personagens mencionados e de tantos outros que aparecem ao longo da história, enriquecendo-a.

“os mortos não têm idade”

O apocalipse dos trabalhadores (p.42)

Para além do trabalho pesado, dos poucos diálogos e da batalha diária, o apocalipse dos trabalhadores fala também sobre nossos sentimentos, principalmente o amor. Todos ali, no fundo, buscam poder experimentar essa sensação, ainda que façam isso por caminhos tortuosos e incertos. Maria da Graça, por exemplo, é casada com Augusto, marinheiro que passa boa parte do ano fora de casa. Ela trabalha na casa do senhor Ferreira, que quase que diariamente abusa dela (!). Aos poucos, porém, Maria da Graça vai confundindo seus sentimentos e o ódio pelo senhor Ferreira transforma-se em afeição (!). É, pensando bem, esse livro é bem atemporal.

Quitéria, por outro lado, envolve-se com diversos rapazes, até sentir-se apaixonada por Andriy. Este personagem, por sua vez, longe de seus amados pais, tenta tornar-se uma máquina, mas é sentimental demais para isso.

Além de retratar as idas e vindas diárias de cada um desses personagens, o livro também nos repete o sonho recorrente de Maria da Graça: toda noite ela se vê no Paraíso, tentando adentrar seu descanso merecido. No entanto, a cada noite ela é barrada por São Pedro, irritando-se com a situação.

“o são pedro inclinava-se, cabeça para trás e barriga para a frente, e ria-se, dizia, ó minha senhora, isso agora não tem valor, os mortos são todos iguais, não têm profissão e não lhes vale de nada o que aprenderam fazer, ou parece-lhe que aqui existem quartos para limpar”

O apocalipse dos trabalhadores (p.18)

Realidade, sonho, sentimentos, angústias. Tudo nesse livro se mistura, seja pela história em si, seja pelo texto com poucas pontuações. Uma obra para abrir nossas mentes e nos fazer enxergar uma realidade que muito provavelmente o leitor de um livro como esse não vive.

Se interessou pelo livro? Adquira o seu aqui.

Um reconhecimento ao trabalho sério

Edição que veio com erro

Talvez você tenha estranhado o título desse post, mas ele é o exato resumo do que eu vim fazer aqui. Só que, antes de mais nada, preciso contar uma historinha para vocês. Vamos nessa?

No último natal eu ganhei um livro que queria muito ler. Bem, na verdade eu ganhei vários livros no final do ano passado, então esse livro em questão eu só peguei para ler em fevereiro desse ano. O livro era o “A redoma de vidro”, escrito por Sylvia Plath. A edição era da Biblioteca Azul, selo pertencente à Globo Livros. Pois bem, eu estava lendo tranquilamente o livro quando, de repente, ele pulou da página 32 para a página 65. Fiquei muito surpresa (e triste) na hora. Ainda fui olhar o restante do livro e, da página 65 ele seguia normalmente até a página 96 e voltava para uma página 65 para então ir normal até o final. Nada das páginas que deveriam existir entre a 32 e a 65.

Minha primeira medida foi enviar um email através do fale conosco da editora. No site, encontrei apenas um fale conosco geral, nada específico para o selo Biblioteca Azul. Esperei alguns dias e nada de retorno. Acabei fazendo alguns stories pelo Instagram do blog, mas sem retorno também. Depois de algum tempo, enviei um novo email pelo fale conosco da editora. Em seguida, resolvi tentar outros canais de contato da editora — já que obviamente eles devem receber milhares de emails diariamente e o meu provavelmente passaria desapercebido novamente —, enviando mensagem pelo twitter e pelo Facebook. E funcionou! Responderam minha mensagem no Facebook.

Mas… (toda história tem seu mas).

A pessoa que me respondeu disse que o livro estava esgotado na editora. Que azar!

Mas… (muitas histórias também têm o mas do final feliz).

A Globo Livros estava fazendo uma nova edição do livro e eu só precisava passar meu endereço para que eles enviassem um exemplar para mim quando ficasse pronto! Eu, já meio descrente da situação toda, passei meu endereço. Só que o livro ainda não estava pronto, aquele era um dos milhares canais de comunicação da Editora e eu era só mais um ser humano reclamando de algo na vida. De qualquer forma pensei em ficar de olho, quando soubesse do lançamento do livro, eu poderia entrar em contato de novo.

Algum tempo depois, vi que a editora anunciou a nova edição de “A redoma de vidro” e pensei “opa, o lançamento deve estar perto, preciso ficar de olho”. Não precisei. Sem que eu esperasse, o livro chegou em minha casa. Lindo, novinho e… COMPLETO!

E por que eu resolvi vir aqui contar tudo isso? Porque eu senti a necessidade de compartilhar essa história com vocês e agradecer à Globo Livros pelo atendimento. Em tempos de tanta reclamação, tanta crítica e tanta crise, é importante darmos valor a um trabalho bem feito, a um cuidado com os leitores. E que, ao invés de apontarmos apenas os erros, possamos aplaudir os acertos também.

Eu já li muitos outros livros dessa editora (aqui no blog mesmo tem resenha de um monte deles), publicados pelos mais variados selos dela e, por isso, fiquei surpresa com o erro de impressão do meu exemplar de “A redoma de vidro”. Porém a editora não me deixou na mão e eu só tenho a agradecer pelo excelente trabalho que eles realizam.

O paraíso são os outros – Valter Hugo Mãe

Título: O paraíso são os outros 
Autor: Valter Hugo Mãe 
Editora: Biblioteca Azul 
Páginas: 64
Ano: 2018

Que tarefa difícil que é escrever sobre um livro tão pequeno, mas tão cheio de um conteúdo tocante. Narrado por uma menina, O paraíso são os outros fala sobre o amor; fala sobre como uma pequena garota enxerga os casais, tanto de humanos quanto de animais.

“O amor constrói. Gostarmos de alguém, mesmo quando estamos parados durante o tempo de dormir, é como fazer prédios ou cozinhar para mesas de mil lugares”

O paraíso são os outros (p.9)

O amor não é fácil, bem sabemos, mas ao ser retratado pelos olhos de uma menininha — que não sabemos ao certo a idade — podemos compreender novos âmbitos desse sentimento, aprendendo sobre amor, lealdade, respeito e reciprocidade.

“Há casais que se conhecem num transporte público, numa praça ou no trabalho e ficam. Ficam casais, quero dizer. Dão abraços, trocam números de telefone, assistem a filmes a preto e branco, comem mais doces, reluzem”

O paraíso são os outros (p.23)

A jovem narradora também nos ensina sobre enxergar o mundo com outros olhos:

“Ser feio é complexo e pode ser apenas um problema de quem observa”

O paraíso são os outros (p.13)

Mas claro que não podemos esperar que uma pessoa assim tão jovem saiba tudo sobre o amor. Ninguém sabe, aliás. Com ela, no entanto, vamos descobrindo — ou nos aprofundando — nas maravilhosidades desse sentimento.

“A coisa mais divertida de perceber: os casais não eram família antes. Eram gente desconhecida que se torna família”

O paraíso são os outros (p.26)

A narradora, que espera encontrar seu amor quando “for grande”, para quem sabe entender melhor esse sentimento, nos fala com muito lirismo e, ao mesmo tempo, de maneira simples, como só uma criança seria capaz de falar.

“Estou cada vez mais certa de que o paraíso são os outros. Vi num livro para adultos. Li só isso: o paraíso são os outros. A nossa felicidade depende de alguém. Eu compreendo bem”

O paraíso são os outros (p.34)

O livro também traz ilustrações simples — como pequenos esboços — feitas pelo autor que, ao final, explica o que elas significam.

Se interessou por esse lindo livro (a edição da Biblioteca Azul é capa dura e a borda das páginas é dourada)? Compre o seu por R$30,36.

Assinatura

Citações #6 — Fahrenheit 451

Para as citações de hoje vamos de Fahrenheit 451, de Ray Bradbury. As páginas são da edição publicada em 2012, pela Biblioteca Azul. Para quem não conhece, Fahrenheit 451 é uma daquelas distopias que a gente não pode deixar de ler. Trata-se de uma história em que as pessoas não possuem livros, pois estes seriam um item ruim para o ser humano. Já pensou que mundo horrível?

“Os livros servem para nos lembrar o quanto somos estúpidos e tolos” (p.111)

Como eu disse, Fahrenheit 451 é um livro muito bom, então, como é de se esperar, ele vai abordando vários assuntos que sempre são válidos em uma roda de conversa (ou ao menos assuntos sobre os quais deveríamos pensar um pouco mais):

“Sempre se teme o que não é familiar” (p.81)

Digamos que essa é uma forma mais bonita de dizer que a gente tem medo do desconhecido. E, convenhamos, temos mesmo. Quantas pessoas vocês conhecem que se arriscam a fazer as coisas sem medo? Que topam mudar seu jeitinho de agir ou, o mais difícil, sua visão sobre a vida e tudo o mais?

“Numa noite está tudo bem e na seguinte estou me afogando” (p.162)

Isso chama-se vida, meus caros. Nem todos os dias serão bons e fáceis, mas se soubermos passar por eles, teremos dias bons. E passar pelos dias ruins é mais fácil se temos com quem contar… Em Fahrenheit 451 uma coisa não muito comum é aquela tal de empatia que tanto ouvimos falar nos dias de hoje…

“Você já notou como as pessoas se machucam entre si hoje em dia?” (p.50)

Justamente quando não há empatia há isso aí: egoísmo, brigas desnecessárias, excesso de opinião e falta de diálogo. A gente machuca os outros não somente fisicamente, mas por meio de nossas palavras e ações (ou falta de ações). E para que? Para nada!

Com isso, entramos na última citação, que é justamente sobre enxergar o outro e compreendê-lo. Mas dito de maneira bem mais bonita:

“Pois quantas pessoas seriam capazes de refletir a luz de uma outra?” (p.29)