Dois aviões de papel — Adrielli Almeida

Título: Dois aviões de papel
Autora: Adrielli Almeida
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 32
Ano: 2021

Voltei para falar sobre a terceira (e última) parada no Sul do Brasil, com o projeto Meu Brasil é assim. Se você não sabe do que eu estou falando, aproveite para dar uma olhadinha neste post aqui.

A resenha de hoje é sobre Dois aviões de papel, conto escrito por Adrielli Almeida e que se passa no Paraná, mais especificamente em Curitiba. Da mesma forma que fiz das outras vezes, vou falar um pouquinho também da minha relação com o Paraná.

Tive a chance de conhecer Curitiba, se não me engano, em 2017 e foi uma cidade que eu adorei e que se tiver a oportunidade, voltarei sem dúvidas. Fala-se muita na frieza dos curitibanos, mas não consegui vê-los com esses olhos. E foi bacana perceber como o conto da Adrielli também trabalha um pouco com esse estereótipo. E veja só: estou aqui elogiando Curitiba e não vivi nem um terço do que Susana — a protagonista da história — viveu. Claro que também são situações bem diferentes então, sem mais delongas, passemos ao conto.

Não sei se foi algo combinado ou não, mas como nos outros contos, nesta história a protagonista está “entre” duas cidades, isto é, sai do interior do Paraná para viver em Curitiba, onde fará faculdade (assim como também aconteceu com a protagonista de Santo Butiá, que, porém, fez o movimento inverso, isto é, saiu da capital para uma cidade do interior).

Em Dois aviões de papel acompanhamos, portanto, a mudança de Susana e, mais especificamente, o seu primeiro dia aproveitando um pouco de sua nova cidade. E claro que isso tinha de começar no cartão postal da cidade: o Jardim Botânico.

Mas não só isso: tinha de começar com um pequeno incidente que acaba acarretando em um dia inesquecível — e talvez um pouco surreal, porque nenhuma pessoa em sã consciência se deixaria levar como Susana, ainda que nem ela acreditasse no que estava fazendo.

A verdade é que o desenrolar dos fatos nos prendem à leitura de maneira muito gostosa. Eu já li outras obras da Adrielli — que, há alguns anos, foi uma autora que descobri muito por acaso e que amei — e fiquei muito feliz quando soube que ela faria parte desse projeto. Ela conseguiu, ao mesmo tempo, escrever uma narrativa leve, com aventuras, amor e ainda apresentar uma Curitiba gostosa de se ler.

O título pode parecer um pouco estranho no início, mas ele fica bem claro no final das história, então se você quer entendê-lo, não deixe de clicar aqui.


Confira a viagem do Meu Brasil é assim através das minhas resenhas:

Quando a neve cair — Thaís Bergmann

Título: Quando a neve cair
Autora: Thaís Bergmann
Editora: Duplo Sentido
Páginas: 43
Ano: 2021

Segunda parada da nossa viagem pelo Brasil: Santa Catarina! Se você chegou aqui agora e não sabe de que viagem estou falando, não deixe de conferir esse post aqui. E antes de contar sobre a história da vez, quero contar da minha relação com Santa Catarina.

Visitei, apenas uma vez na vida, Florianópolis. E isso foi lá em 2013, um pouco depois de prestar vestibular Eram umas merecidas férias de janeiro e fiz essa viagem turística, com meus pais. Ficamos mais pelo hotel mesmo, mas em um dos dias, fizemos uma volta pela ilha.

Se eu fosse hoje para lá, a experiência seria muito diferente, sem dúvidas! Agora eu teria a possibilidade de conhecer pessoalmente muitas pessoas que conheci, nesse último ano, através das telas e, com certeza, aproveitaria ainda mais cada momento e conheceria muitos outros lugares.

Esse contato com tantas pessoas de Santa Catarina têm me ensinado muito, mesmo que elas provavelmente nem se deem conta disso. E acredito que esse aprendizado tornou a minha experiência de leitura desse conto ainda mais especial e divertida.

Quando a neve cair não se passa em Florianópolis, mas na Serra Catarinense. Camila, a protagonista, tem apenas 16 anos e está hospedada, com seus pais, em um hotel fazenda em Urubici. Eles estão ali não apenas para aproveitar o final de semana em grande estilo, mas também pelas notícias de que nevaria por lá.

A verdade é que eles sabem bem o que é a “neve” da Serra Catarinense, mas é evidente que Camila e sua família adoram aquele lugar e o passeio em si. A paixão de Camila, porém, fica ainda mais evidente quando ela conhece Hugo, um rapaz da sua idade, que também está ali com os pais, mas pela primeira vez e ansioso por ver neve!

“A afirmação me pega um pouco de surpresa porque nenhum catarinense chega aos dezesseis anos sem ter subido a serra pelo menos uma vez na vida. Ainda mais que, pelo “s” bem puxado, parecendo com o som de “x”, é óbvio que ele é manezinho da ilha, e Florianópolis fica ainda mais perto de Urubici do que Imbituba, de onde eu sou!” 

Este conto, porém, não é apenas uma história sobre “a neve na serra catarinense” — aliás, esse é quase um detalhe na história — mas sobre amor. Contudo, não se trata de uma mera narrativa melosa e de contos de fadas. Muito pelo contrário, para ser sincera!

Apesar de nova, Camila já sofreu uma bela desilusão amorosa, então mesmo sentindo um belo frio na barriga por ver — e conversar! — um rapaz tão bonito e simpático, ela tenta, a qualquer custo, se manter racional. Claro, ela acaba falhando em alguns momentos, mas tendo a certeza de que aquela história duraria apenas um final de semana, Camila se mantém firme em algumas decisões suas — daquelas que nos fazem pensar: “pare de ser assim, vai aproveitar a vida!” —, para evitar se machucar novamente.

“É nesse momento que tenho certeza que não importa que a gente tenha menos do que vinte e quatro ou quarenta e oito horas juntos: jamais vou esquecer dele ou dessa viagem”

Quando a neve cair é, portanto, um conto que consegue, mesmo em sua brevidade, nos apresentar belas paisagens catarinenses, ao mesmo tempo em que nos faz refletir sobre o quanto vale realmente à pena tentar ser mais racional que sentimental, apenas para evitar um sofrimento.

Fiquei abismada com o desfecho da história, que é daqueles que acende uma luzinha em nossa cabeça, nos lembrando que a vida está aí para ser vivida e sentida. E se você quiser entender do que eu estou falando, já vem aqui garantir o seu conto.


Confira a viagem do Meu Brasil é assim através das minhas resenhas:

Santo Butiá — Sofia Neglia

Título: Santo Butiá
Autora: Sofia Neglia
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 40
Ano: 2021

Antes de dar início à resenha propriamente dita, gostaria de contar um pouco mais de onde surgiu esse conto e alguns outros que irei resenhar nas próximas semanas (e meses).

A Duplo Sentido Editorial, uma editora pela qual nutro certo admiração, devidos às lindas obras que publica, criou um projeto chamado Meu Brasil é assim, no qual visitaremos todos os Estados brasileiros através de uma viagem ser sair de casa e totalmente segura em tempos de pandemia.

“O Projeto Meu Brasil é assim reuniu 27 autoras, uma de cada estado do país, para usar e abusar do poder que a literatura tem de nos transportar para qualquer lugar”

A ideia é fazer uma viagem “de ônibus”, passando por cada um dos Estados brasileiros e conhecendo-os através de histórias escritas por autoras que neles nasceram/cresceram.

“As autoras tiveram total liberdade para escrever sobre sua cultura, como a vivenciam e a sentem. A intenção do projeto é fugir dos estereótipos criados ao longo dos anos sobre algumas das nossas regiões, dando espaço para que autoras usem sua voz para contar indiretamente suas vivências em suas cidades”

O projeto durará nove meses e, a cada mês, receberemos três contos. Já estamos no terceiro mês e, no segundo, ao invés de três foram quatro os contos recebidos.

Para garantir as suas “passagens” é preciso apoiar ou assinar a campanha disponível no Catarse (por apenas R$15 mensais você já garante uma passagem básica, que dá direito à visita aos três Estados da vez) ou então aguardar a publicação dos contos na Amazon, mas por um preço um pouco maior daquele que os apoiadores no Catarse estão pagando. Como o ônibus já partiu, você pode pegar o bonde (ônibus) andando e, ao mesmo tempo, conferir os Estados que já visitamos, que são os do Sul e do Sudeste. Hoje, portanto, estou aqui para falar sobre o primeiro deles: o Rio Grande do Sul.

Um dos motivos pelos quais sou admiradora da Duplo Sentido é que, além de publicar mulheres, é uma editora que publica histórias de amor (num sentido bem amplo), coisa que eu amo, como você bem deve imaginar. Os contos desse projeto, portanto, são um prato cheio para a minha zona de conforto literária, ainda que Santo Butiá não tenha como foco um relacionamento romântico e sim questões familiares (coisa que, quando bem retratada, também é ótima de se ler).

A protagonista deste conto chama-se Johanna e ela está para começar uma faculdade de Medicina Veterinária, em Santa Maria (sim, a cidade do acidente na boate Kiss). Sendo de Porto Alegre, Johanna precisa decidir onde morar em Santa Maria e acaba aceitando o convite de uma tia que não conhece tão bem, para morar com ela no sítio da família.

A tia — de nome Astrid — é irmã do pai de Johanna, mas ele parece um pouco contrariado pelo fato da filha escolher morar com ela, ao mesmo tempo que acredita que possa ser bom, por ela ser uma pessoa solitária. Quer dizer, isso é o que ele explica a Johanna.

Ao chegar no tal sítio, e conforme vão passando os dias, Johanna se surpreende cada vez mais, tanto com o local quanto com a própria tia. E nós, leitores, somos fisgados pela magia do lugar, mas também pela vontade de, assim como Johanna, entender porque o pai praticamente não falava do tal sítio e de sua dona. Será que esse mistério irá se resolver?

“Me senti amada como nunca, e me perguntei o que eu tinha feito para merecer aquilo, sendo que nunca havíamos conversado direito”

Ah, e você não sabe o que é butiá e não entendeu o título do conto? Sem problemas, eu também não sabia e adorei entender ao longo da leitura. Começamos muito bem a viagem por esse Brasilzão!

Este conto já está disponível na Amazon. E reforço o meu convite para que você entre nesse ônibus e visite conosco os Estados que ainda não visitamos. Eu já li os demais contos do Sul, que em breve resenharei aqui (um por semana, ok?), e logo mais iniciarei a leitura dos contos do Sudeste. Você me acompanha nessa viagem?

Próxima parada – Juliana S. Catalão e Marcele Cambeses (orgs.)

Título: Próxima parada
Organizado por: Juliana S. Catalão e Marcele Cambeses
Editora: Duplo Sentido
Páginas: 102
Ano: 2016 (1º edição)

prox. parada

Próxima Parada é um livro de contos incrível e só por alguns fatores externos isso já fica claro: é um livro totalmente escrito e organizado por mulheres, é nacional e tem uma capa mega fofa! E mais: os contos se passam dentro de um ônibus e trazem muito do cotidiano daqueles acostumados à usar um meio de transporte público. É um daqueles livros que qualquer pessoa com uma boa imaginação tem vontade de escrever, mas acabou nunca fazendo… Bem, ao menos não até que essas garotas se reunissem e dessem vida a personagens tão reais!

Neste livro temos 7 contos, unidos, como já mencionado, pela temática do ônibus. Além disso, outra semelhança entre eles, como veremos, é que contam com dois personagens centrais, geralmente um casal. Vamos entender melhor sobre cada um desses contos?

Primeira parada — Idas e vindas (Bruna Fontes)

Esse conto retrata uma paixão cheia de vai e volta, não vai e nem volta entre Marina e Henrique, dois jovens que se conhecem desde pequenos.

“— Não dá pra você forçar as coisas só porque quer muito chegar ao ponto final”

Uma das coisas que mais gostei nesse conto foi o panorama sobre o ônibus que a Marina, narradora da história, faz logo no início, nos apresentando os tipos que se encontram no mesmo meio de trasporte que ela quase todos os dias. Mas também não posso deixar de mencionar que adorei a forma como nossos sentimentos e ações são comparadas ao movimento do ônibus ou qualquer outro meio de transporte.

“Somos todos suscetíveis a batida e perdas totais, mas a incerteza é um preço que se paga para alcançar a plenitude”

Próxima parada — sete minutos (Júlia Braga)

Já nesse segundo conto temos uma história um pouco diferente: Vanessa e Eduardo são dois amigos que, em meio a uma brincadeira, acabam tendo de se beijar e isso certamente afeta a relação deles.

O maior problema deles, no entanto, não foi simplesmente o beijo, mas o fato de ter sido o primeiro beijo de cada um deles. E mais: eles achavam (cada um consigo mesmo) que eram os únicos a nunca ter beijado. Sério, dá vontade de bater nesses dois, porque eles quase perdem uma amizade por causa de uma mera falta de comunicação!

“O que poderia ser simplesmente resolvido com um pouco de comunicação e algumas risadas para reviver o clima, havia rapidamente se tornado uma destruição de amizade”

Próxima parada — Transbordante (Thati Machado)

A história de Marcos e Naldo (Ronaldo) não é simples, pois eles são amigos de infância que acabam se afastando quando Naldo se descobre apaixonado por Marcos. Esse conto também é um belo retrato das dificuldade que um garoto (ou uma garota) passam ao se assumir LGBT.

“Meus colegas haviam desistido de mim; minha família havia desistido de mim; Marcos havia desistido de mim; e em alguns momentos, eu fazia o mesmo”

É um conto extremamente bonito e que nos traz uma bela lição.

“— Nós somos dois garotos, eu sei. Mas tive muitos anos para entender que o amor não tem gênero”

Próxima parada — Querer é poder (Vanessa S. Marine)

Neste quarto conto, narrado por Hugo, temos a história de um garoto super tímido e apaixonado por Maristela.

“Se cada pessoa é uma poesia, Maristela é o meu poema favorito”

Mas, muito mais que se ser uma simples história de amor, temos aqui um texto sobre as escolhas que fazemos na vida, e eu adoro quando encontro algo com essa temática, pois nunca é fácil ter de decidir o caminho que queremos seguir.

“— Eu só estaria com medo se eu tivesse me condenando a um caminho que eu sei que não me fará feliz”

Próxima parada — Espelho (Mel Geve)

Esse conto arrancou boas risadas de mim, simplesmente porque começa nos apresentando Augusto, um ser que fica julgando as pessoas à sua volta no ônibus como muitas vezes, querendo ou não, acabamos fazendo, principalmente quando estamos esgotados como ele.

“A menina era com certeza um daqueles casos de gente alheia à realidade. Dispersa, perdida, turista da vida real. Ainda mais com aqueles fones de ouvido gigantescos, que impediam que os pensamentos saíssem de sua cabeça”

A pessoa com quem Augusto “encrenca” em seus julgamentos é Giuliana. Mas quando eles começam a conversar, tudo muda…

“Talvez ela fosse, sim, digna do lugar em que sentava”

Próxima parada — Juntos (Tamara Soares)

Essa é uma daquelas histórias que você lê correndo porque tem certeza que vai ter confusão e fica curioso para chegar logo nessa parte. Isso porque, logo de início, a narradora começa a contar que pegou o ônibus com o ex… Vocês já imaginam, né! E pior, ele está acompanhado de outra menina!

O conto também nos conta sobre o relacionamento deles e, caramba, que conto! Tem um ótimo plot e um final muito bonito.

Próxima parada — os cinco estágios (Marcele Cambeses)

O último conto do livro é o que considero o mais poético de todos e é um conto que também traz um casal LGBT, mas agora formado por Daniele e Manuela. E é um conto que, além de tudo, serve para, uma vez mais, amarrar as histórias anteriores.

Eu realmente gostei bastante desse livro (acho que deu para perceber…) e recomendo para todos aqueles que querem ler algo bem escrito, com leituras rápidas mas que, ao mesmo tempo, se unem e se completam.

Das autoras desse livro, as únicas que eu já conhecia algo eram a Mel (Trago seu amor em 3 dias), a Bruna Fontes (A matemática das relações humanas) e a Vanessa S. Marine, que escreveu a introdução de A matemática das relações humanas. Quanto às outras autoras, esse foi meu primeiro contato e eu adorei!

Se interessou por esses contos incríveis? Adquira seu ebook (gratuito!) aqui.

 

A matemática das relações humanas

Título: A matemática das relações humanas
Autor: Aimee Oliveira, Clara Savelli, Bruna Ceotto, Bruna Fontes
Editora: Duplo Sentido
Páginas: 124
Ano: 2018 (1º edição)

Blog das Tatianices (1)

Uma coisa é certa: quem não sabe sobre o que é o livro A matemática das relações humanas, estranha o título. Já adianto que não sou nada fã de números, mas que, mesmo assim amei esse livro e vocês já vão entender meus motivos.

Como vocês devem ter visto, A matemática das relações humanas tem mais de uma autora (siiim, só mulheres!). Isso porque trata-se de um livro de contos! Antes dos contos, porém, há uma introdução da Vanessa S. Marine, organizadora do livro, e só com esse texto eu já fiquei emocionada e arrepiada. Ela fala sobre vestibular e sobre como não passar não significa que sejamos fracassados. E é por isso (e pelos contos, que reforçam essa ideia) que recomendo muito essa leitura para quem está nesse momento tenso da vida.

Sobre os contos, as histórias são independentes, mas possuem alguns fios condutores e, por isso, recomendo que vocês leiam na sequência. Todos eles se passam no cursinho “Desígnio” e alguns personagens aparecem mais de uma vez.

O primeiro conto, da Aimee Oliveira, chama “Uma lição de Victória” e é excelente para quem está naquela dúvida entre faculdade pública (e possivelmente uma mudança de cidade) e faculdade particular. Esse conto também consegue trabalhar uma intensa relação de amor entre avó e neta e um lindo romance.

“O poder de uma conversa franca nunca deveria ser subestimado”

A matemática das relações humanas (p.35)

O poder de uma conversa franca, aliás, acaba permeando todas as outras histórias também, de uma forma ou de outra.

Quem narra esse primeiro conto é Victória, que além de estar se preparando para o vestibular de gastronomia, também faz as famosas bolotas de queijo vendidas na lanchonete do cursinho. E essas bolotas fazem sucesso mesmo (fiquei com vontade de experimentar)!

O segundo conto do livro chama-se “Miçangas” e foi escrito por Clara Savelli. Eu não sei se consigo escolher um preferido no livro, mas esse certamente tocou meu coração de forma intensa, pois mexe muito com a questão de buscarmos nossos sonhos (não que os demais contos também não abordem essa temática).

“Era doloroso não ter ninguém que comprasse meu sonho comigo. Mas era mais doloroso ainda saber que ninguém sequer acreditava que eu era capaz de conseguir”

A matemática das relações humanas (p.48)

Narrado por Júlia, uma jovem que além de estudar faz caderninhos artesanais e tem um pequeno negócio online para vendê-los, esse conto nos mostra o quão difícil pode ser fazer com que os outros enxerguem nossos esforços, além de trazer um romance que realmente me surpreendeu.

“Para perguntas como as minhas, nem o melhor cursinho tinha respostas”

A matemática das relações humanas (p.66)

Até aqui tivemos personagens que se mostram um tanto quanto incertas com relação ao vestibular como um todo. Victória não sabe se quer mudar de cidade e nem se tem chances de passar nos concorridos vestibulares de gastronomia; Júlia, por outro lado, não entende essa necessidade de passar em uma universidade, quando ela já tem um negócio que está aos poucos crescendo.

Em “Múltipla escolha”, o conto escrito por Bruna Ceotto, a situação muda um pouco: Karen é excelente aluna, a melhor em matemática. O problema dela é com relação ao curso. Enquanto seus pais querem que ela faça engenharia, ela sonha com ciência da computação. Este é um conto, portanto, sobre escolher o próprio destino ou deixar que escolham por nós (o que, socorro, tocou no meu calcanhar de Aquiles).

“É difícil para mim admitir algo assim. Eu sou racional. A garota de exatas. Aquela que confia mais em números, porque números não comportam grandes interpretações: eles são o que são”

A matemática das relações humanas (p.86)

Esse conto é para ler com muita atenção e pensar bem sobre a mensagem que ele passa.

Para concluir o livro, temos o conto “Tabula Rasa”, escrito pela Bruna Fontes. Como eu fui surpreendida pela personagem desse conto, não direi muito sobre ela, com medo de que seja um spoiler. Já adianto, contudo, que esse conto segue um pouco a linha do anterior, com relação à necessidade de que tomemos as rédeas de nossas vidas.

“Em um momento estávamos falando sobre a morte; no outro, falamos sobre a vida. E, talvez, a diferença entre uma coisa e a outra, no modo como nos afeta ao acontecer, não seja assim tão diferente”

A matemática das relações humanas (p.114)

É um conto mais “pesado”, por assim dizer, um tapa na cara necessário. E, por falar nisso, encerro essa resenha com o melhor tapa de todos:

“Durante todo o ensino médio, somos levados a acreditar que o ano do vestibular é o ‘ano decisivo’, que esse é o momento em que devemos fazer as nossas escolhas, determinar o nosso futuro e, a partir dali, apenas construir nossa caminhada rumo ao sucesso. Eu gostaria que alguém tivesse me falado naquela época, enquanto eclodiam minhas crises de ansiedade por medo de não conseguir uma vaga e, assim, arruinar toda a minha vida, que nada disso é verdade”

A matemática das relações humanas (p.116)

Felizmente já passei pela fase de vestibulanda, mas adoraria ter lido esse livro naquela época. O que não significa que não amei ler agora. Me fez relembrar muitas coisas e também me fez refletir sobre minhas escolhas. Porque esse livro é assim: não te faz pensar apenas no vestibular, mas também no seu percurso por inteiro, na sua vida.

Se interessou pelo livro? Adquira o seu aqui.

Trago seu amor em 3 dias – Mel Geve

Título: Trago seu amor em 3 dias
Autor: Mel Geve
Editora: Duplo Sentido Editorial
Páginas: 368
Ano: 2018 (1º edição)

Acho que não importa quantos anos eu tenha, eu sempre vou gostar de ler um belo de um romance. Ainda mais desses que podem parecer improváveis, que a gente acha que só existe nos livros ou nos filmes. Ao menos hoje eu sei que amores lindos existem na vida real também! Mas… vamos à resenha?

Amélia é uma jovem paulistana como tantas outras: cursa Design em uma faculdade particular, tem seus dilemas e suas batalhas particulares, está procurando um estágio, tem duas ótimas amigas – Pipa e Amanda – que estão sempre com ela, adora uma boa balada.

E é justamente numa balada – a preferida dela, aliás – que toda a história começa. Amélia está no Sobradinho, um pouco entediada – uma vez que Pipa está ficando com alguém, deixando-a sozinha – quando Theo aparece para mudar sua noite. E talvez a sua vida.

“Ele parecia um ator contratado por uma equipe de roteiristas especializados em Amélia, pronto para me seduzir. Ele era simpático, sorridente, inteligente, intrigante e mantinha meu interesse sem qualquer dificuldade”

Trago seu amor em 3 dias – p.30

Theo e Amélia estão se dando super bem, até que ele resolve ir ao banheiro e é aí que começa o problema: Amélia tem de ir embora às pressas, pois o tio Joca, pai de Pipa, havia chegado para buscá-las. Amélia não tem opção, senão ir embora, sem ao menos poder se despedir e, pior ainda, sem pegar qualquer contato de Theo. Mas, persistente que só, Amélia se utiliza de todos os recursos possíveis para reencontrar Theo. E sim, está explicado o nome do livro: até à Madame Zumba nossa protagonista recorre.

“As pessoas passam a vida inteira em busca de momentos como esse, sabe? O brilho nos olhos, a conversa fluída, o riso solto, os beijos intermináveis e a atração física magnética… Eu não podia deixar uma coisa assim escapar”

Trago seu amor em 3 dias – p.73

Contudo, antes que vocês achem que o livro se resume a uma Amélia desesperada em reencontrar o amor da sua vida e, mais ainda, que eles vivem felizes para sempre, preciso dizer que há muito mais nessas 368 páginas. A história também consegue abordar questões como feminismo, homofobia, saúde mental e preconceito religioso.

Algumas frases feministas me pareceram um pouco forçadas na história, como se fossem uma tentativa de inserir o assunto em trechos que não precisaria. Por outro lado, o trecho do Theô (sim, com acento… Longa história e só lendo para saber) ficou maravilhoso e foi totalmente necessário, além de ter sido uma ótima saída.

A homofobia também aparece de forma bem breve na história, inserida por um personagem – tio de Amélia – que é gay. Gostei da inserção desse personagem na narrativa, ainda mais pelo fato de que é aquele tipo de pessoa que dá vontade de conhecer.

E por falar em coisas gostosas desse livro, toda a história é contada pela própria Amélia, que intercala sua escrita com diálogos e conversas de whatsapp. Quem mais aparece nesses momentos são suas amigas – Pipa e Amanda – e, claro, Theo. Também não posso deixar de mencionar o fato de adorei todas as zuações feitas sobre o Direito, ainda mais por saber que a autora é formada nesse curso!

“Essas pessoas do Direito eram muito pouco criativas e todos os nomes soavam iguais”

Trago seu amor em 3 dias – p.77

Mas voltando às temáticas do livro, a questão do preconceito religioso aparece quando Theo apresenta a Umbanda para Amélia. Esses trechos são muito incríveis! Para quem, assim como eu, não sabe nada sobre essa religião, é muito bacana aprender um pouquinho.

Já os trechos sobre saúde mental, aparecem mais para o final da história, em conversas entre Amélia, Amanda e Pipa, uma vez que a última, desde o começo do livro, sente-se infeliz com seu trabalho. Aliás, isso, em si, já uma temática bem interessante também e corrobora para o senso de realidade que o livro traz.

“- Sua alma não está à venda, Pipa, algumas coisas nessa vida não são negociáveis, sabe? Sua saúde mental é uma delas”

Trago seu amor em 3 dias – p.349

A verdade é que eu devorei Trago seu amor em 3 dias por causa de tudo isso que descrevi aí em cima. Cheguei ao final – que não é nem um pouco previsível – querendo mais. Inclusive, podia ter uma continuação, já que o final é bem aberto!

“Estar ao seu lado nunca era chato e eu só queria mais e mais e mais, porque eu me sentia roubada na hora das despedidas”

Trago seu amor em 3 dias – p.262