Meu corpo virou poesia — Bruna Vieira

Título: Meu corpo virou poesia
Autora: Bruna Vieira
Editora: Seguinte
Páginas: 184
Ano: 2021

Se você já leu outras resenhas minhas, provavelmente percebeu duas coisas: eu não costumo ler muitas obras de poesia (mas esse ano já iniciei umas três resenhas de livros desse gênero com essa frase) e nunca coloco alerta de gatilho, por um simples motivo: eu não sei o que pode ser um gatilho para você e em que nível isso pode acontecer. E o que isso tem a ver com a resenha de hoje? Calma, segue aqui que eu já te explico.

“Respeite os processos do seu corpo,

os que você controla, mas principalmente

os que não estão no seu controle”

Meu corpo virou poesia é uma obra linda, não apenas pela diagramação caprichada, mas também pelo conteúdo. O primeiro livro de poesias da Bruna Vieira carrega consigo muito sentimento, perda, dor, força, ajuda, renascimento. E por tudo isso e tantas outras coisas que sequer consigo mencionar, não pude deixar de pensar que, em algum nível, seu conteúdo pode despertar gatilhos variados em muitas pessoas.

“Juro que te esqueci

até o vizinho usar o mesmo perfume que o seu”

Ainda assim, esse é um livro cuja leitura eu indico e que certamente daria de presente a algumas pessoas, assim como eu mesma recebi meu exemplar de uma amiga que sentiu, acertadamente, que essa era uma leitura que eu precisava fazer (obrigada, Clari!).

Provavelmente o que torna esta obra tão forte é saber que a autora não jogou palavras em uma página em branco buscando fazer arte: ela jogou aquilo que estava dentro dela e aí sim transformou isso em arte. Ela pegou sentimentos, histórias e vivências reais e os colocou em versos que poderiam muito bem nos descrever e representar.

“Nós sempre nos lembramos

De formas diferentes

De como tudo aconteceu”

E se pode parecer que trata-se apenas de uma obra melancólica, já adianto que não. É uma obra que parece carregar um ciclo, nos mostrando que é possível voltar a ver a luz, mesmo depois de uma infinidade de dias nublados, inclusive quando essa parece a coisa mais absurda e improvável do universo.

“Um dia essa lembrança

que hoje é a chave de uma caixa de questionamentos,

que você esconde do mundo

e de si,

vai também ser um lembrete

do quão forte você é capaz de ser”

O livro é dividido em quatro partescabeça, garganta, pulmão e ventre — que também já ajudam a demonstrar o quanto suas poesias e sua autora estão intimamente conectados e podem se tornar, ainda, o nosso próprio corpo.

“O que você faria

se o seu mundo inteiro

te olhasse nos olhos

e te dissesse que você nunca realmente

pertenceu àquele lugar?”

Escolher uma única poesia preferida seria uma tarefa bem ingrata, mas gostaria de mencionar três que, para além de todos os trechos apresentados ao longo dessa resenha, me tocaram de maneira especial:

  • Os detalhes que eu perdi
  • Ruído na comunicação [essa pegou muito forte, dá vontade de estampar em todos os lugares]
  • Obrigada

Por fim, gostaria de te lançar um desafio: duvido que você leia essa obra e não se identifique com ao menos uma poesia. E aí, topa? Depois vem me contar o resultado!

Citações #41 — O que restou de mim

Você chegou a ler minha resenha de O que restou de mim, do autor Abraão Nóbrega? Se não leu ainda, não deixe de passar lá! Mas se você ainda está em dúvida se vale a pena saber mais sobre esse livro, trarei aqui os trechos que não couberam na resenha. Depois disso tudo, duvido você não querer mais.

“Tudo ficou perdido num espaço entre o passado e o presente”

Apesar de retratar muito bem as dores e os sentimentos do fim de um relacionamento, O que restou de mim não se resume a isso.

“Espero que tuas estradas te guiem para a felicidade, pois, embora tenha partido o meu coração, nunca quis que partissem o teu”

“Você me abraçou como ninguém nunca o fez e, por um momento, fomos a fortaleza um do outro”

Este é, também, um livro sobre força.

“Em algum momento deixará de doer como agora”

“Os machucados ainda estão todos aqui. Uns mais recuperados que outros, porém nunca me abandonaram de fato”

Mesmo carregando, em suas palavras, uma profunda tristeza.

“Faz muito tempo que estou no escuro. E ele é assustador”

“Não sabia como lidar com aquela tempestade e com a dor que não era sua, mas que você tinha deixado para mim”

A verdade é que esse um livro palpável, sincero.

“Eu te amei achando que seria para sempre, e talvez realmente venha a ser. Mas um amor solitário, partido. Como uma chave quebrada que não abre caminho”

“Se você não tivesse desistido de mim, quem sabe o que eu poderia ter feito?”

Retrata sentimentos que qualquer pessoa que ama, em algum momento e medida, está sujeita a sentir e viver.

“Eu já não amo você. Amo a dor que me deixou”

“Pois, se há uma coisa certa, é que / só morrendo para se despedir de um grande amor”

Eu gosto do impacto que a poesia do Abraão tem, tornando impossível não querer destacar todo o livro.

“Tudo o que eu conheço é a dor, a minha dor, e já não tenho memórias do mundo sem ela”

“Como ficaria bem se uma parte de mim quebrou inteiramente?”

E gosto ainda mais pelo fato desse ser um livro extremamente contemporâneo e por falar das saudades que sentimos hoje.

“Eu sinto saudades, ah, como eu sinto. De quando eu não temia o dia de amanhã, de quando eu não temia uma dor de cabeça qualquer, ou de quando eu não temia sair de casa”

“Eu sinto saudades, em todos os dias dessa nova vida. De quem eu era e podia ser.  De quem eu amava e podia amar. E de como eu vivia e podia viver”

Enfim, O que restou de mim é um livro realmente lindo, com um projeto gráfico maravilhoso, pensado nos mínimos detalhes. Você pode adquirí-lo na versão física, diretamente com o autor, ou então aqui (ebook).

O que restou de mim — Abraão Nóbrega

Título: O que restou de mim
Autor: Abraão Nóbrega
Editora: Lettre
Páginas: 221
Ano: 2021

Comecei a escrever essa resenha ao som de Apenas mais uma de amor e acho que é um bom jeito de introduzir esse livro que não é apenas mais um de amor, mas talvez de desamor e tantos outros sentimentos. Uma leitura catártica, que, contudo, eu não indicaria somente para quem está passando por todas as fases de um término recente, mas para qualquer pessoa que goste de ver sentimentos escritos com precisão e profundidade nas páginas de um livro.

“Não posso ter certeza de mais nada porque eu não sei como seria”

Acho que podemos começar a nossa visita a essa obra pelo próprio título e também pela capa. Todos os elementos dessa soma já indicam a intensidade do que virá pela frente. E nada mais justo do que fazer a leitura como a imagem ali estampada: de peito aberto (mas não necessariamente dilacerado). Ah, detalhe: você precisa ver a capa toda aberta para se surpreender ainda mais!

“Choveu em mim como há muito tempo não acontecia”

O que restou de mim é um livro de poemas e prosas poéticas. Ou quase poéticas, como é chamada a própria parte que as reúne.

“Sigo meus dias de chuva olhando para o mar revolto que me circunda”

Por falar em partes, o livro contém cinco delas e seus títulos continuam nos revelando um pouco da força do que encontraremos ao longo da leitura:

  • Parte I – A dor
  • Parte II – A paixão
  • Parte III – A saudade
  • Parte IV – A (des)ordem
  • Parte V – Prosas (quase) poéticas

O ordem escolhida para as partes me agrada, porque em “A paixão” conseguimos tomar um fôlego entre “A dor” e “A saudade” (esta também carregada de dor). Além disso, percebemos como, através de poesias diversas, o autor vai contando uma história. Uma história que pode ser sua, bem como de qualquer um de nós, leitores.

“O amor é como um pássaro que aparece no céu apenas uma vez a cada século. E amar é a liberdade de voar junto”

Aliás, o fato dessa ser uma história que pode pertencer a cada um de nós, torna difícil falar desta obra, porque acredito que cada leitor pode experimentar a leitura de uma forma única e totalmente pessoal.

“Nós nos desencontramos, você seguiu em frente, ignorou minha presença e levou consigo qualquer chama de alegria que tivesse sido acesa no meu coração”

Eu mesma, tive duas experiências: li o livro primeiro como revisora e, depois, como leitora. Mas não foram os papéis diferentes que me fizeram ter duas leituras diversas, e sim o momento que as realizei: da segunda vez, eu entendia muito mais o eu lírico da obra.

“O chão sob meus pés se despedaçou e eu fui arremessada para um abismo sombrio, desesperador e sem fim, que ele construiu pra mim”

Para além da escrita maravilhosa e real, o que surpreende nessa obra é a atualidade dela: é muito bom ver nossos sentimentos escritos como os vivenciamos hoje e não como eles eram sentidos séculos ou mesmo décadas atrás. Até mesmo a pandemia se faz presente ao longo das páginas.

“Eu sinto saudades, ah, como eu sinto! De quando números eram números… e não vidas”

Por falar em saudade, a parte que mais gostei foi a terceira. Acho que ela carrega uma certa dor, um certo amargor, mas na medida certa. Não que nas outras partes não sejam assim, mas talvez seja, justamente, porque sinto saudade numa intensidade muito forte, o que me leva, de novo, a lembrar que essa é uma leitura muito pessoal, muito única para cada leitor.

“Nada me dá a resposta e, novamente, apenas sigo no meu caos particular”

Assim sendo, só me resta indicar essa leitura! Tanto a edição física quanto a digital estão incrivelmente lindas (o que já podemos imaginar pela capa, né?). O ebook você pode comprar na Amazon (e ele também está disponível no Kindle Unlimited) e o livro físico você pode entrar em contato com o autor para adquirir.

Titubeio — Maitê Rosa Alegretti

Título: Titubeio
Autora: Maitê Rosa Alegretti
Editora: Urutau
Ano: 2020
Páginas: 62

Para uma pessoa que lê bem mais prosa do que poesia, até que esse ano (e ainda estamos no primeiro semestre) posso dizer que já li muitos bons versos. Depois da antologia poética Girassol, agora é a vez de uma obra solo, escrita por Maitê Rosa Alegretti.

Ler Titubeio não é apenas uma experiência literária, mas também sensorial. Os versos são impressos como quem dança, e as palavras misturam poesia, sentimento, corpo e natureza.

A obra é bem curta, mas feita para se apreciar aos poucos, um poema por vez, saboreando também o trabalho gráfico do livro, que vai muito além da disposição não convencional dos versos, sendo abraçado por uma capa e uma contracapa extremamente lindas e orelhas muito bem preenchidas pelas belas palavras de Gabriela de Azevedo, também poeta.

O livro é dividido em quatro partes, sendo elas:

  • Titubeio;
  • Observações astronômicas;
  • Maré baixa;
  • Tenho conversado comigo.

Em cada uma das três primeiras partes, na página chapada (aquelas páginas toda pretas que dão um efeito muito bonito) de abertura, além do título há uma epígrafe, de escritores como Chico Alvim, Laura Liuzzi e Fabrício Corsaletti. Na última parte, porém, não há epígrafe alguma e ela é composta por um único poema, que se inicia justamente com “Tenho conversado comigo”.

Eu não teria como escolher uma poesia preferida. Acredito que cada uma carrega a sua beleza, o seu significado e que todas elas juntas é que fazem deste um livro tão singular.

Não conseguindo escolher um poema preferido, portanto, deixo aqui o meu convite para que você conheça a obra inteira e faça o seu mergulho nestas palavras tão bem escolhidas e harmonizadas. O livro pode ser adquirido no site da Editora Urutau. E você pode acompanhar os trabalhos da autora através do Instagram, do Medium ou da Newsletter dela.

Entranhas do amor — Nicc Mello

Título: Entranhas do amor
Autor: Nicc Mello
Editora: Lettre
Páginas: 102
Ano: 2020

Como é que se resenha um livro tão intenso, tão íntimo, tão sincero? Eu, definitivamente, não sei, mas prometo que tentarei dizer algo sobre “Entranhas do amor”, do autor Nicc Mello.

“O amor de menina há de florescer nos sonhos de mulher”

Talvez eu deva começar pelo próprio título da obra: “entranhas” significa, figurativamente falando, a nossa parte mais interior, mais profunda. “Entranhas do amor”, portanto, é uma obra que deveria mergulhar no mais profundo desse sentimento tão infinito e tão complexo.

“Amor é amar”

É isso! “Entranhas do amor” realmente fala com profundidade — e propriedade — não apenas sobre o amor, mas sobre a vida, sobre o que é óbvio e o não tão óbvio assim. Sobre banalidades, mas também sobre questões existenciais.

“Viver era mais importante”

Em alguns poemas os versos são diretos, cortantes. Em outros, são mais amenos. Todos têm um quê de pessoalidade difícil de ignorar. E de sentir. Nicc Mello é um poeta LGBT e também demonstra isso em algumas de suas poesias.

“Amar nunca foi crime”

Queria destacar ao menos uma poesia aqui, mas foi tarefa difícil escolher. No entanto, optei por trazer a vocês “Eu”:

Eu

Sigo só,

na minha companhia.

Estranho é viver

no meio da multidão

Esta obra é o mais novo lançamento da Editora Lettre e, outra vez, fico feliz em ver um resultado desses. A edição física — que está em pré-venda no site da Editora, com frete grátis — está muito bonita, com uma diagramação diferente do ebook, disponível aqui.

E se você ainda não se convenceu entre comprar ou não um exemplar, conheça um pouco mais do autor através desta entrevista.

Make Blackout Poetry, a poesia que nasce do escuro [tradução 4]

O procedimento é aparentemente simples: pegue uma página de um livro, de um jornal ou de uma revista e risque todo o texto, deixando apenas algumas poucas palavras que irão compor uma poesia. Funciona assim, de maneira bem resumida, Make Blackout Poetry, a poesia que nasce do escuro.

Make Blackout Poetry é uma espécie de grupo espontâneo, nascido quatro anos atrás, com a iniciativa de John Carroll, um escritor que, naquele período, estava passando por um momento de dificuldade. Ele começou, assim, a publicar em seu site e redes sociais as suas criações, dando vida a uma “comunidade de esperança”.

Atualmente*, no Instagram o perfil de Make Blackout Poetry é seguido por mais de 45.000 pessoas e, a cada semana, faz uma espécie de concurso, no qual todos podem participar, apresentando a sua poesia “fora do escuro”.

Criatividade, espírito de observação e capacidade de criar novas conexões entre as palavras de um texto são as chaves para decodificar as “mensagens de esperança escondidas” com as quais Make Blackout Poetry busca iluminar a escuridão.

Por que não experimentamos também?


*O texto acima é uma tradução e o original foi publicado em 2015, portanto o termo “atualmente” não refere-se, exatamente, à atualidade. Para ler o original, clique aqui. O site do Make Blackout Poetry não existe mais, mas a conta do Instagram sim, ainda que esteja parada desde 2019.


Vocês já ouviram falar de Blackout Poetry? Descobri um pouco mais sobre essa arte quando estava preparando uma aula de italiano e, por isso, resolvi trazer o tema em um dos posts de tradução. Há, porém, muito material disponível em português também, e é algo que vale a pena conferir, principalmente para quem está precisando de um pouco de inspiração para escrever!

12 livros para 2020

Doze livros para 2020

Como eu disse na minha retrospectiva, não costumo estabelecer metas, ainda mais de leitura. Mas, esse ano, resolvi me desafiar um pouco, separando 12 tipos de livros que eu gostaria de ler ao longo do ano, um para cada mês (e não necessariamente na ordem que colocarei aqui):

  1. Um livro escrito por uma mulher
  2. Uma HQ ou um mangá
  3. Um livro em inglês
  4. Um livro em italiano
  5. Um livro de fantasia
  6. Um livro clássico
  7. Uma biografia/livro de não ficção
  8. Um livro sobre o ou que se passe no período do Holocausto
  9. Um livro de um(a) escritor(a) negro
  10. Um livro de poesia
  11. Um livro sobre algum transtorno/doença psicológica
  12. Um livro com protagonistas LGBTQ+

Aceito sugestões para cada uma das categorias acima, ainda que algumas delas tenham sido pensadas de acordo com alguns livros que estão parados na minha estante (e esse é o verdadeiro desafio: desencalhar livros!).

Conforme eu for cumprindo as leituras, trarei a resenha para vocês e a qual categoria o livro pertence. Lembrando (a mim mesma) que cada livro só poderá eliminar uma categoria!

Alguém que me acompanhar nessa? Ou vocês também já estabeleceram seus desafios?

Artigo: O Sagrado e o Profano na Urbanidade

Título: O Sagrado e o Profano na Urbanidade: Borges — Análise do Poema "Carnicería"
Autor: Victor de Lima Torquato de Andrade 
Revista La Junta, v.2, nº 1
Páginas: 6
Ano: 2018
Disponível aqui

Victor

Jorge Luis Borges é, muito provavelmente, um nome que você já ouviu falar em algum momento de sua vida. Sendo sua obra vasta, no entanto, é de se esperar que ainda haja muito a ser explorado. E é justamente isso que encontramos no artigo O Sagrado e o Profano na Urbanidade: Borges — Análise do Poema “Carnicerías” que analisa um poema de Borges pouco conhecido e estudado.

O título do artigo, por si só, já é algo capaz de despertar a atenção do mais variado tipo de leitor, destacando que o artigo trata de temas interessantes como “sagrado”, “profano” e “urbanidade”. E, para além disso, a atenção desse leitor é capturada logo nas primeiras linhas, pois podemos perceber que não se trata de um simples artigo científico, mas de um artigo dotado de certo lirismo, além do fato do autor manter um diálogo com o leitor.

Em O Sagrado e o Profano na Urbanidade: Borges — Análise do Poema “Carnicerías”, Victor analisa — ou, para usar as palavras dele “disseca” — verso a verso o poema de Borges, de maneira nem um pouco monótona. O interessante é que podemos entrar em contato com uma poesia pouco explorada de Borges de maneira profunda, ainda que em poucas páginas. Claro que o fato do poema ser breve nos permite a chegar a uma análise tão detalhada e interessante, mas sem dúvidas a forma com que Victor nos conduz a essa análise é essencial para que possamos obter um bom conhecimento do poema em questão. É interessante que, ao ler o artigo, nos damos conta inclusive da precisão na escolha vocabular de Borges.

Carnicerías  faz parte do primeiro livro de poesias de Borges: Fervor em Buenos Aires. Uma obra realmente esquecida por seus leitores e que foi publicada em 1923. No artigo que aqui apresento, Victor menciona também a relação da intensidade que há no poema e no título do livro ao qual ele pertence.

Este artigo é realmente interessante e — coisa rara no mundo acadêmico — pouco maçante. Chegar a um resultado desses não é tarefa para qualquer um: Victor tem intimidade com a poesia, sendo ele mesmo escritor de belíssimas poesias e, por isso, foi capaz de ir direto ao ponto do poema, de maneira clara e linda. Publicar esse artigo foi outra tarefa árdua, motivo pelo qual faço questão de trazê-lo à tona! Não deixem de conferir e comentar aqui o que acharam!

Assinatura