O que os italianos leem? [tradução 15]

“O que os italianos leem” é uma pergunta que vira e mexe salta em minha cabeça — tanto é que fui conferir se eu realmente nunca havia traduzido um artigo do tipo —, principalmente quando ouço as pessoas dizendo que brasileiro não lê, que nós não valorizamos a nossa literatura. Pergunto-me se é assim apenas aqui ou em todo o mundo (ou ao menos em outros lugares do mundo).

Nas minhas buscas por artigos para traduzir para este espaço do blog, já me deparei mais de uma vez com afirmações de que os italianos leem pouco. Sim, a mesma afirmação que fazemos sobre nós mesmos. Faltava responder apenas o que, afinal, leem os italianos.

Por isso, no post de hoje, trago a tradução deste artigo, escrito por Enzo Scudieri e postado em 21 de novembro de 2020 no site habitante.it. Para ler o original, basta clicar aí em cima, no “deste artigo” que você chegará ao post em italiano. E vamos à tradução?


Ler livros é uma forma de viajar para milhares de mundos diversos, conhecer pessoas e apaixonar-se por histórias. Mas qual é a relação dos italianos com a leitura, o que e quanto leem?

Os italianos amam ler?

A paixão pela leitura te impede de dormir à noite, porque você está tão arrebatado por aquilo que está lendo que não quer parar; amar os livros significa comprar novos exemplares, mesmo já tendo a casa invadida por livros que você ainda precisa ler. Ler ajuda a abrir a mente e desenvolver ideias; a cultura da leitura gera progresso social, econômico e, obviamente, cultural.

Através das últimas estatísticas sobre o que os italianos leem, descobrimos que lê-se mais no norte, entre as mulheres e entre pessoas com mais títulos acadêmicos. As compras de livros são direcionadas prevalentemente aos romances e contos, de faixa econômica médio-baixa.

O relatório publicado pelo Istat* em 2019 sobre Produção e leitura de livros na Itália revela que 40,6% da população lê ao menos um livro por ano, dado estável no último triênio. 78,4% dos leitores leem só livros físicos, 7,9% somente ebook ou livros on line.

Diferentemente daquilo que se pode imaginar, a quantidade mais alta de leitores continua a ser aquela dos jovens: em 2018, os leitores entre 15 e 17 anos eram em 54,5%, quantidade em crescimento em relação aos 47,1% de 2016. Entre homens e mulheres existe uma lacuna relevante: o percentual de leitoras é de 46,2% contra 34,7% de leitores. Em absoluto, porém, o público mais afeiçoado à leitura é representado por garotas entre 11 e 19 anos (mais de 60% leu pelo menos um livro no ano).

O que os italianos leem?

Os rankings falam claramente e, deixem-me dizer, são sempre muito iguais ano a ano. Existem autores que estão sempre no “top ten”: Smith, Camilleri, Tamaro, Grishmam. Depois estão os personagens do momento, aqueles que escrevem livros para desfrutar de uma notoriedade sazonal, autores no estilo Fabio Volo, por exemplo.

Nunca faltam nos rankings, também, escritores como Stefano Benni e Beppe Servagnini. E não nos esqueçamos, depois, de toda a vertente bibliográfica de personagens famosos, muitas vezes ainda vivos, que decidem, justamente, escrever um livro para contar a sua história.

Fecharei esta lista com os agora indispensáveis livros de cozinha: encontramos um pouco de tudo, dos chef famosos para o grande público, graças às participações em reality shows, à vizinha de casa, que conta no seu blog as receitas da avó. E o sucesso do blog é, então, traduzido em livro.

As grandes livrarias

As livrarias de grandes redes geralmente estão cheias de pessoas entre as prateleiras, curiosas ou ocupadas, folheando um livro ou bebendo um café na cafeteria da própria livraria. Nos últimos anos, de fato, assistimos a uma transformação das livrarias em verdadeiros “centros comerciais”.

Feltrinelli, Mondadori, Mel Bookstore, Giunti al punto, apenas para citar algumas, abandonaram as aparências de simples livrarias. Tudo é dividido, separado e exposto em setores específicos, identificados por placas realmente muito similares àquelas das seções dos supermercados: em evidência é possível encontrar imediatamente os livros do ranking nacional e também os inesquecíveis “conselhos” de compras.

E, caminhando pelas seções, pode-se encontrar também toda uma oferta de multimídias como dvd, cd e videogame. A seção de papelaria também tem uma oferta muito rica de canetas, agendas, cadernos e papéis de vários tipos e cores. Essas redes, se por um lado multiplicam a oferta e a enriquecem com outras comodidades, por outro correm o risco de perder sua vocação original e a relação de confiança livreiro-leitor.

As livrarias independentes e lojas online

Do relatório ISTAT surge, porém, um dado contraditório. As modalidades de distribuição consideradas mais estratégicas pelos editores são as livrarias independentes, os canais de distribuição online e os eventos como feiras, festivais e salões de leitura.

As grandes distribuições organizadas (supermercados, grandes lojas) e os pontos de vendas genéricos (bancas, papelarias, autogrill, correios) são considerados canais de distribuição relativamente menos eficazes para aumentar a demanda e ampliar o mercado editorial.

Os editores, além disso, estão investindo sempre mais, também, na oferta de títulos em formato e-book: o percentual de obras publicadas em formato físico, disponíveis também em versão digital, em apenas dois anos, passou de 35,8% a quase 40%. A versão digital é mais comum para:

  • aventura e suspense (82,1%)
  • informática (62,9%) e matemática (61,4%)
  • atualidade político-social e econômica (56,1%)

Os grandes editores publicam mais de 90% dos livros em formato e-book, com uma cobertura de obras publicadas fisicamente de 45,8%.

Lê-se mais no Norte e nas grandes cidades

No Norte, uma pessoa a cada duas, na Sicília, só uma a cada quatro. A leitura está muito mais difundida nas regiões do Norte: 49,9% das pessoas que moram no Noroeste leu pelo menos um livro e 48,4% no Nordeste. No Sul, a cota de leitores cai para 26,7% enquanto nas ilhas observa-se uma realidade muito diferente entre a Sicília (24,9%) e a Sardenha (44,7%).

O hábito da leitura, além disso, é muito difundido nas cidades centrais de áreas metropolitanas, onde declaram-se leitores pouco menos da metade dos habitantes (49,2%) enquanto a cota cai para 36,1% nas cidades de menos de 2 mil habitantes.

O nível de instrução também se confirma como um elemento determinante: leem livros 73,6% dos graduados, 46,7% dos diplomados e só 26,5% dos que possuem acima do nível elementar.

A leitura é mais fortemente influenciada pelo ambiente familiar: as crianças e adolescentes são certamente favorecidos se os pais têm esse hábito. Por exemplo, entre os jovens abaixo de 18 anos, 74,9% entre quem tem mães e pais leitores e só 36,2% entre aqueles que têm ambos os pais não leitores.

Pílulas de curiosidade. Eu não sabia e você?

  • As bibliotecas mais frequentadas da Itália são aquelas do Trentino Alto-Adige e do Valle d’Aosta.
  • As motivações que encorajam as pessoas a irem a uma biblioteca são “pegar um livro emprestado” (57,1%) e “ler e estudar” (40,1%).
  • Na Itália são cerca de 8 milhões e 960 mil pessoas que foram a uma biblioteca pelo menos uma vez por ano.

* O ISTAT é o Instituto Nacional de Pesquisa italiano (o correspondente ao nosso IBGE) e eles sempre têm dados sobre os mais diversos assuntos.


E aí, o que achou deste artigo e dos dados que ele traz? Você imaginava algo assim?

5 comentários em “O que os italianos leem? [tradução 15]

  1. Vish que eu tenho muita coisa pra comentar sobre esse texto! Pra começar que eu sigo algumas meninas italianas no instagram, onde elas falam de livros e é muito gostoso de acompanhá-las! Elas leem coisas que são muito parecidas com o que eu leio e que não vejo muito as pessoas lendo por aqui. E eu vejo dois esforços delas que eu acho incríveis e que tô tentando seguir: 1) ler mais autores italianos e no caso eu tento com brasileiros (uma delas tem um projeto que chama Un Anno con Pavese e que eu tenho vontade de transformar em Um ano com com Lygia, quem sabe ano que vem?) e 2) elas raramente compram na Amazon!!! Elas sempre vão até a livraria e mostram sempre livrarias diferentes e dão pontos positivos e negativos de cada uma. Quando compram na Amazon, são sempre livros importados e eu acho realmente incrível! Mas como você pode inferir, elas não são um retrato muito bom dos leitores italianos, assim como eu e você não somos bons retratos dos leitores brasileiros. E a verdade é que eu fiquei muito curiosa com alguns números brasileiros em contraste com esses números italianos apresentados na matéria. Pra começar que fiquei com vontade de pesquisar quem realmente lê os livros que aparecem em mais vendidos e se os mais vendidos são os mais lidos. Existe uma diferença, né? Torto Arado foi um dos mais vendidos e eu mesma comprei um exemplar mas não li ainda! Adorei o comentário sobre e-books e a diferença de mais vendidos nesse formato e queria saber no Brasil como que é essa estatística. Me impressionou também a questão da biblioteca porque como você já deve ter percebido, eu vou em bibliotecas mais pelos eventos que ela proporciona do que pelo estudo e empréstimo de livros, a não ser as bibliotecas da universidade que acabam tendo uma finalidade (e arquitetura) diferentes pra mim (e agora eu tô com vontade de pesquisar o papel da arquitetura na biblioteca???). Eu adorei saber que o norte italiano lê mais que o sul. Fiquei muito chocada com isso porque é uma coisa que aparece em A amiga genial, então acho que dá pra perceber como o sul é meio esquecido por lá, assim como a gente esquece nosso norte e nordeste, né? Enfim, esse texto me fez pensar muito e eu resisti bravamente à vontade de comentar aqui parágrafo por parágrafo.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Antes de dizer qualquer coisa, eu preciso dizer que o seu comentário, como sempre, aqueceu meu coração, Nati. E você sabe o quanto isso é importante pra mim hoje.
      Um dia você me mandou o perfil de uma delas e a verdade é que eu ainda não comecei a seguir, mas preciso!!!
      Gostei muito dos dois pontos que você levantou sobre as meninas e acho muito justo esse seu projeto, hein?
      Acho que não é tão difícil compararmos os números, se pegarmos o retrato brasileiro de leitura, né? Até me deu uma ideia de post isso!
      E olha, sendo bem sincera, eu nunca havia pensado nisso que você disse do “comprar” e “efetivamente ler”. Eu mesma, tenho tantos livros ainda não lidos… (mas que espero fortemente ainda ler!).
      Nossa, amiga, você tem um olhar fantástico! Até eu quero estudar o papel da arquitetura nas bibliotecas!!!! hahahahaha
      Saudades de um evento contigo, Nati! obrigada por tudo o que você me apresenta e me faz pensar
      E siiim, acho que dá para traçar tantos paralelos entre o sul da Itália e o nosso Norte e Nordeste… Infelizmente, né!
      De novo, obrigada, de coração!!

      Curtir

      1. Nossa, já quero esse post!!! Menina, já até perguntei pra uma amiga arquiteta por onde eu posso começar a pesquisar essa coisa das bibliotecas! Isso só tá aumentando minha saudade dos nossos rolês hahaha

        Curtido por 1 pessoa

Se gostou, comente aqui (;

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s