TAG: Redes Sociais

Mais um mês se iniciando e nada melhor que tentar fazer isso de forma leve, certo? Ainda mais sendo este o mês de agosto, aquele que as pessoas dizem que nunca acaba. Por isso, o post de hoje será uma TAG e a escolhida da vez é uma que vi no blog Ilivros e Listas, da Samantha. Ela postou a TAG literária Redes Sociais no ano passado e desde então tenho vontade de respondê-la. Vem comigo?

1-Facebook: um livro que todo mundo tem

Já começou difícil, né? É complicado pensar num livro que todo mundo tenha, porque os gostos podem ser muito variados. O meu próprio gosto é uma loucura. Ao mesmo tempo, eu poderia mencionar aqui algum clássico de Machado de Assis ou então algo mais hype, tipo Crepúsculo ou John Green, mas só de pensar nessas possibilidades eu já imagino que uma pessoa que tenha um, talvez não tenha o outro.

2-Twitter: um livro com poucas páginas

Aqui também eu poderia citar uma infinidade de obras. E olha que estou apenas pensando em obras que sejam pequenas, mas incríveis. Para não deixar passar, vou citar Meu menino vadio (Luiz Fernando Vianna), que fala sobre um assunto importante e interessante: o autismo.

3-Tumblr: um livro que todo mundo ama

De novo, acho difícil mencionar algo que todo mundo ama, mas não me lembro de conhecer alguém que já tenha lido Persépolis (Marjorie Satrapi) e que tenha críticas a essa HQ… Ô livrinho bom para aprender e ainda se encantar com a obra como um todo.

4-Pinterest: um livro que te inspirou

Muitos livros me inspiram, mas o que me inspirou a voltar para cá foi A arte de ler ou como resistir à adversidade (Michèle Petit), uma leitura que vai fazer qualquer um que tenha vontade de incentivar a leitura delirar.

5-Orkut: um livro que foi muito popular, mas está esquecido

Não é exatamente um livro, mas vou te dizer que faz tempo que não ouço falar de Nicholas Sparks… Ele ainda escreve? Publica? Alguém sabe algo?

6-Youtube: um livro criativo, com uma história original, inovadora

Essa aqui é para citar um e deixar milhares de outros fora… Sacanagem! Mas lembro que amei Os quase completos (Felippe Barbosa) e acho que quase ninguém conhece essa história.

Vou confessar que responder essa TAG foi muito mais difícil do que eu imaginava. Então agora te lanço essa bomba: o que você colocaria em cada uma dessas categorias?

TAG dos 50% — 2021

Pela primeira vez a criança aqui se ligou em responder a famosa (nesse meio de blogs literários) TAG dos 50%, criada há um bom tempo por Chami, do canal Read Like Wild Fire e traduzida por Victor Almeida, do Geek Freak. Consiste em falar um pouco, através de algumas perguntas, sobre os livros lidos até o mês julho, a metade do ano. Vou tentar não repetir as obras nas respostas, vamos ver se consigo!

01.O melhor livro que você leu até agora

A gente já começa com pergunta capciosa, né? Mas vou mencionar aqui Novecento (Alessandro Barico).

02. A melhor continuação que você leu até agora

Considerando que emendei em dezembro-janeiro as leituras de O irlandês e O casamento (Tayana Alvez), posso considerar que O casamento foi a melhor continuação que li até agora, certo?

03. Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito

Confesso que não sou muito ligada nisso de lançamentos, para não sair comprando tudo e lendo nada. Mas tem um livro da Editora Lettre que eu revisei, que está no período final da pré-venda e que era tudo o que eu precisava ler nesse momento: O que restou de mim (Abraão Nóbrega). Tô só esperando o meu chegar!

04. O livro mais aguardado do segundo semestre

Como mencionei acima, procuro fugir de informações sobre lançamentos, então não consigo pensar em nenhum para mencionar aqui.

05. O livro que mais te decepcionou esse ano

Infelizmente, fiquei decepcionada com o Mãe, me ensina a conversar (Dalva Tabachi)

06. O livro que mais te surpreendeu esse ano

Olha, difícil escolher aqui. Pensei em mais de uma opção com justificativa. Mas vou mencionar Poeira estelar (Gabriela Araujo), porque quando comecei a ler achei que não daria em nada e terminei totalmente sensibilizada e encantada.

07. Novo autor favorito (que lançou seu primeiro livro nesse semestre, ou que você conheceu recentemente)

A coitada que vai me aguentar resenhando todos os lançamentos e muito mais é a Tayana Alvez, que conheci no final do ano passado.

08. A sua quedinha por personagem fictício mais recente

Ai, gente, eu sou péssima com essas coisas. E no momento não quero ter quedinha nem por seres humanos reais e nem por personagens fictícios. Tenham paciência com esse coração aquariano congelado.

09. Seu personagem favorito mais recente 

Acho que aqui eu posso mencionar o coitado do Ethan, de Eu escrevo poemas (Triz Santos), cuja resenha deve aparecer por aqui semana que vem (e aí talvez vocês entendem porque eu gostei dele e chamei ele de coitado).

10. Um livro que te fez chorar nesse primeiro semestre 

Se não estou enganada (é que já chorei tanto depois disso), eu chorei em alguns momentos de A sandália virada (H. L. Amaral).

11. Um livro que te deixou feliz nesse primeiro semestre 

Eu tinha que citar Maicon Moura aqui, né? Então Cigarro e anéis no rabo do gato, que além de ser ótimo, tive o prazer de revisar e escrever o prefácio!

12. Melhor adaptação cinematográfica de um livro que você assistiu até agora

Eu confesso que não sei nem quando foi a última vez que assisti um filme… Sou péssima, eu sei!

13. Sua resenha favorita desse primeiro semestre (escrita ou em vídeo)

Fiquei em dúvida se é para citar uma resenha minha mesmo, mas vou mencionar aqui a que fiz de O som no fim do túnel (N. R. Melo), porque acho que consegui abarcar alguns pontos importantes da trama e apresentar os personagens. E porque esse é um livro que merece ser lido.

14. O livro mais bonito que você comprou ou ganhou esse ano, até agora 

Achei lindíssima a edição de um projeto que apoiei no Catarse (e que agora pode ser adquirido no site da Editora Saíra): 21 histórias de estudantes que mudaram a escola (org.: Cinthia Rodrigues e Luciana Alvarez).

15. Quais livros você precisa ou quer muito ler até o final do ano?

Não gosto de colocar grandes imposições, vou apenas me deixando levar pelas leituras. Mas gostaria de tentar cumprir a minha meta do Skoob, que ainda conta com uns 30 livros….


Também queria aproveitar esse post para fazer um balanço de como têm sido as coisas aqui no Blog, já que escrevo aqui semanalmente (com algumas falhas, mas sempre seguindo).

Comecei 2021 escrevendo um questionamento: as pessoas ainda leem blogs? Esse post teve mais repercussão do que eu esperava! E nele eu comentei um pouco sobre os número daqui que, para minha alegria, têm sido a cada dia melhores! E os posts mais visitados, até o momento, são:

Sobre esses posts, gostaria de destacar que o Notas sobre a experiência e o saber da experiência está sempre entre os mais visitados, desde que foi postado (ano passado foi o artigo mais visitado do ano). Nunca entendi muito bem o porquê, apesar de ficar bem feliz com isso. Igualmente, não me surpreende muito a presença dos quotes de Ensinando a transgredir (bell hook). Mas não consigo explicar porque tenho recebido tantas visitas ao post de Enquanto houver sol e menos ainda o crescente número de acessos à resenha de A princesa salva a si mesma neste livro.

De qualquer forma, sejam quais forem os motivos que tragam os leitores a este blog (esperando que sejam bons motivos, claro), fico realmente feliz e agradeço a cada um que para por alguns minutos para ler as minhas palavras e considerações. Espero estar contribuindo com boas coisas!

E você, já parou para refletir sobre a primeira metade do seu ano?

TAG: dia da semana em livros

Para começar a semana, resolvi responder uma TAG que vi ano passado no blog Meow Books e que, na época, pensei que um dia poderia responder. Será que eu consigo? (sim, porque eu sempre me empolgo com TAG’s que acho criativas, mas depois nunca sei muito bem o que responder…).

Como o próprio nome já diz, a ideia é pensar em livros relacionados aos dias da semana, de acordo com as categorias elaboradas por quem criou a TAG (e, como eu disse, muito bem pensadas).

Domingo – Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse

Eu costumo dizer que tem livros que os personagens me acompanham por alguns dias, mesmo depois de concluída a leitura. Isso geralmente significa que a história foi gostosa de ler, imersiva e que eu me senti amiga deles. Isso aconteceu com O demônio no campanário, da Michelle Pereira, livro que eu sempre indico para todo mundo (e se você ainda não tinha me visto indicar, aqui está a sua chance de conhecer esse livro incrível).

Segunda – Um livro que você tem preguiça de começar

Não sei se preguiça ou medo, mas já até cheguei a tentar e ainda não fui adiante, o grande clássico da literatura brasileira: Grande Serão Veredas (Guimarães Rosa). Acredito que existam momentos certos para lermos determinadas obras. Quem sabe um dia, né? Dizem que este é um livro que realmente precisa-se superar as primeiras muitas páginas. Como não ando conseguindo ler nem mesmo coisas mais leves, talvez seja melhor adiar mais um pouco essa leitura.

Terça – Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação

Por falar em clássicos da literatura brasileira… Um livro que eu li por obrigação, empurrando com a barriga e que, por fim, não terminei de ler, foi Iracema (José de Alencar). Tive que ler ele para a escola (e, em tese, para o vestibular), mas não consegui chegar até o final não.

Quarta – Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento

Além de Iracema, já deixei pela metade a obra A professora de piano (Janice Y. K. Lee). No momento, tenho me demorado na leitura de Tamara Jong: a última flor do paraíso (José M. S. Freire) [a obra é muito bacana, de fantasia, mas é longa e estou fazendo uma leitura crítica, somente por isso a leitura tem sido demorada].

Quinta – O livro de quinta. Um livro que você não recomenda

Para não ser injusta, vamos de livro internacional, né? Há quem ame e quem odeie, sou desse segundo time: Uma casa no fundo de um lago (Josh Malerman). Ok, sou da opinião que odiar é uma palavra muito forte, mas essa foi uma obra que não me convenceu e que, com certeza, seria uma das últimas que eu indicaria a alguém que me pedisse sugestões de leitura.

Sexta – Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra)

Tô super ansiosa pela versão física de Cigarro e Anéis no Rabo do Gato, do Maicon Moura. Quero muito ter esse livrão (em tamanho pocket) na minha estante!

Sábado – Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou

Geralmente eu sinto muito isso com livros de suspense/thriller, por perceber que havia coisas lá do início (que nem sempre lembro com clareza) que faziam mais sentido do que poderia parecer em um primeiro momento. Mas, de cabeça, a obra que eu consigo mencionar aqui não é desse gênero: Os doze signos de Valentina, da Ray Tavares. Foi um livro que gostei bastante e que leria de novo logo em seguida só para ter mais e mais dele comigo.

E aí, conhece alguma das obras que eu mencionei? Quais seriam os seus escolhidos?

TAG literária musical — Parceiros da autora Maya Brito

Já faz um tempinho que sou parceira literária da autora Maya Brito e outro dia ela propôs à todas as parceiras que montássemos uma TAG e assim nasceu esta que agora apresento a vocês.

Mas antes, os perfis que colaboraram com esta brincadeira são: @mayabrito.escritora, @exposta_em_um_livro, @carlaisantoro, @fernandajesusrevisora, @mari_stories_and_advice, @realidadesdeleitor, @estrela_leitura, @capitulo_20, @lendoentreamigas, @leia.bon.livros e eu, @tatianices_blog. Aproveite para conhecê-los!


A TAG que elaboramos mistura dois elementos que eu adoro: músicas e livros. Cada uma de nós escolheu uma canção e atribuiu a ela um tipo de livro para mencionarmos em nossas respostas. O resultado disso é o que você encontra aqui embaixo!

1. As long as you love me (Backstreet Boys): um personagem com um passado misterioso e sombrio que você ama

Impossível não pensar no Guto, de Irresistível Doutor (Ingrid Sousa).

2. Llévame Despacio (Paulina Goto): um livro com o romance dos sonhos

Como “romance dos sonhos” não significa um romance perfeito — já que isso não existe — escolho O irlandês (Tayana Alvez).

3. Várias queixas (Gilsons): um personagem que por mais que seja chato, você não consegue deixar de amar

A Lara, de Sandália Virada (H. L. Amaral) não é exatamente chata, mas talvez um pouco mimada e exagerada. Ainda assim, um amor de garotinha, que a gente só quer proteger!

4. Just a kiss (Lady Antebellum): um personagem que você gostaria de dar um beijo ao luar

Que personagem que nada, gostaria de dar um beijo ao luar no meu namorado mesmo! Hahahahaha (mas sério, não consigo pensar em nenhum personagem).

5. A Thousand Years (Christina Perri): um livro que você leria por mil anos

O livro Comédias para se ler na escola (Luis Fernando Veríssimo), que sempre me faz rir e pensar.

6. Me espera (Tiago Iorc e Sandy): aquele livro que você espera ansiosamente a continuação

Tô aqui só no aguardo da continuação de O despertar da profecia, viu, dona Ingrid Sousa??

7. Era uma vez (Kell Smith): um livro que te marcou na infância

sempre cito esse: A princesinha (Frances Hodgson Burnett).

8. My heart will go on (Céline Dion): um livro que está eternamente no seu coração

Um livro que li para a escola e que adoro até hoje: Cuidado, garoto apaixonado (Toni Brandão).

9. Home (Gabrielle Aplin): um livro que faz você se sentir em casa

Os livros da Pipi Meialonga (Astrid Lindgren), apesar de fazer anos que não os leio.

10. Scarborough Fair (Aurora): um livro que te fez ir a outro mundo

Os livros do Ciclo da Herança (Christopher Paolini).

11. Aquarela do Brasil (Ary Barroso): aquele livro nacional inesquecível

Maldade citar apenas um aqui (detalhe que fui eu quem sugeriu essa)! Mas vou de O demônio no campanário (Michelle Pereira).


E as suas respostas, quais seriam? Sinta-se livre para participar também!

Ah, e os títulos mencionados nesta TAG e que se encontram em vermelho são livros já resenhados aqui no Blog.

TAG: Lendo mulheres

TAG lendo mulheres

Hoje é feriado e nada melhor que responder uma TAG para passar o tempo, não? E olha, essa aqui é incrível! Vamos enaltecer mulheres que, além de tudo, ainda escrevem?? Vi esta TAG há muito tempo, no blog Submundo Literário e a moça que publicou disse que é do IG A menina do livro.

Primeiro livro escrito por uma mulher que você leu? [essa foi fundo, hein!]

Bom, segundo minhas anotações (iniciadas em 2005) foi Diário da princesa, da Meg Cabot.

Autora que você mais leu?

Chuto que tenha sido a Paula Pimenta, pois li “Fazendo meu filme” e “Minha vida fora de série” completos, além das releituras dela de contos de fadas e o conto presente em “Um ano inesquecível”.

Se você pudesse conhecer uma escritora, qual seria?

Eu adoraria poder conhecer todas as minhas parceiras pessoalmente! A Ingrid, a Cínthia, a Michelle, a Marie e a Juliana Lima (a Maya eu já conheço \o/)

Personagem preferida de um livro escrito por uma mulher?

Que difícil!!! Acho que isso é um pouco como responder “qual o seu livro favorito?”. Podemos pular para a próxima?

Autora que todos deveriam conhecer?

Ana Farias Ferrari e seu livro Os guardiões dos livros.

Livro escrito por uma autora brasileira que você quer ler?

A lista aqui é grande, mas vamos de Conectadas, da Clara Alves.

Clássico dos clássicos?

O sol é para todos — Harper Lee.

Duas autoras brasileiras contemporâneas que você indica?

Só duas? Michelle Pereira e Mel Geve.

Livro escrito por uma mulher que todos deveriam ler?

A arte de ler ou como resistir à adversidade (Michèle Petit).

E aí pessoal, acharam fácil? Quero ver as respostas de vocês também!

TAG: Direitos do Leitor

TAG_ DIREITOS DO LEITOR

Deu saudades de responder uma TAG por aqui, e resolvi fazer essa, que me remete ao livro do Daniel Pennac, Como um romance, um livro que eu recomendo muito e que fala justamente sobre o ato de ler (e como incutir esse hábito em seus alunos) e sobre os “direitos” do leitor! Antes das respostas, porém, queria dizer que eu vi essa TAG lá no Fantástica Ficção, da Jessica Rabelo.

  • O direito de não ler: um livro que você não quer ler nem que te paguem

Acredito que “50 tons de cinza“. Responder essa pergunta certamente requer certa dose de preconceito, mas eu acredito que se eu sempre tivesse a escolha entre esse livro e outro, escolheria o outro.

  • O direito de pular páginas: um livro que você leu… só o que interessava

Momento confissão: no livro “O mundo de Sofia” eu pulei algumas das páginas sobre filosofia para ir logo para as páginas com a história da menina… Mas foram só algumas paginas!

  • O direito de não terminar um livro: um livro que você começou algumas vezes antes de ler inteiro

Acreditem ou não, “Harry Potter“. Tentei começar a ler quando era nova demais e as palavras eram extramente difíceis para mim.

  • O direito de reler: um livro que você salvaria no fim do mundo, para reler pela eternidade

Considerando a quantidade de vezes que já reli esse livro, acredito que “A Princesinha“.

  • O direito de ler qualquer coisa: o livro mais improvável que você já leu e gostou, e que algumas pessoas talvez duvidem que você leu

Não sei… Talvez o livro “Piadas nerds“??

  • O direito ao bovarismo: um livro que parecia ótimo! Mas que o tempo passou… e você pensou a respeito.

Vou citar aqui “O jardim secreto“, mas a verdade é: eu tinha altas expectativas sobre esse livro. Eu havia visto o filme em minha infância e me lembro de ter adorado, porém… Fiquei bem decepcionada com o livro, foi uma leitura muito arrastada.

  • O direito de ler em qualquer lugar: o lugar mais estranho/improvável em que você já leu um livro

Acho que na “cadeira do castigo”, na cozinha. Não era verdadeiramente uma cadeira do castigo, mas, na época, meu quarto estava em reforma e eu passava mais tempo em outros cômodos da casa. Quando estavam vendo televisão na sala, eu sentava em uma cadeira na cozinha para ler e aí parecia que eu estava de castigo ali.

  • O direito de ler uma frase aqui e outra ali: um livro que te alimenta com pequenas doses diárias

Confesso que não sei responder essa… Mas quando pego livros de contos ou de poesia para ler, acabo lendo em “doses homeopáticas”.

  • O direito de ler em voz alta: um livro que você precisou ler em voz alta

Não foi um livro, mas um conto: “Desenredo“, de Guimarães Rosa.

  • O direito de calar: um livro que te deixou sem palavras, porque era muito bom… ou muito ruim

Eu poderia citar tantos aqui que prefiro não citar nenhum…  E estou falando de livros bons mesmo!